aki

cadastre-se aqui
aki
Economia
15-12-2016, 18h56

Com viés político, pacote de Temer busca agenda positiva

Medidas econômicas procuram dar alívio a empresas e pessoas físicas
9

KENNEDY ALENCAR
SÃO PAULO

O pacote econômico anunciado hoje pelo governo Temer tem forte ingrediente político. Além do efeito na economia, ele é também uma tentativa do governo de criar uma agenda positiva em meio a tantas notícias negativas.

O presidente Temer tem sido criticado por empresários e sindicalistas por ter adotado apenas medidas econômicas de médio e longo prazo, como a PEC do Teto, que foi promulgada hoje. Esse pacote tem mais foco no curto prazo.

As medidas procuram dar um alívio a empresas e pessoas físicas endividadas e que precisam de crédito. Há ainda um agrado aos empresários, com a redução gradual da multa de 10% do FGTS em casos de demissão. O efeito do pacote é pontual, mas pode ajudar quem está apertado a obter algum oxigênio a fim de atravessar a recessão econômica.

Essas medidas estavam sendo preparadas para um anúncio em janeiro, mas foram antecipadas por causa da maré de notícias negativas, especialmente por causa da delação de Cláudio Melo Filho, executivo da Odebrecht, que atingiu o PMDB em cheio.

*

Exagerou

A decisão do ministro Luiz Fux de interferir no processo legislativo na Câmara foi muito criticada, o que abre espaço para um recuo nesse tema. Em liminar, Fux devolveu à estaca zero o projeto medidas de combate à corrupção aprovado pela Câmara recentemente com modificações que desagradaram ao Ministério Público.

Muitos juristas questionam o entendimento de Fux, que, na prática, invalida uma decisão de outro poder. Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Renan Calheiros, tentam buscar uma solução com a presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia.

Nas últimas duas semanas, duas decisões do STF criaram crises institucionais. O Supremo, que é uma instituição que deveria trazer calma e normalidade, passou a gerar insegurança jurídica, o que afeta negativamente a política e a economia.

Fux quer dar uma vitória no tapetão ao Ministério Público, que perdeu ao fazer lobby na Câmara.

Assista aos temas do “SBT Brasil”:

Ouça o comentário no “Jornal da CBN 2ª Edição”:

Comentários
9
  1. juliano disse:

    54 milhões não escolheram este governo. Para poder funcionar com um mínimo de eficiência e aprovação eleições diretas já!

    • Wellington Alves disse:

      Senadores apresentaram uma PEC essa semana para antecipação de eleições diretas. Resultado? Rejeitado.

    • walter disse:

      Caro Juliano, é um fato indiscutível tal fato, por outro lado, as medidas neste momento, causarão um reflexo positivo, na virada do Ano; pena que só teremos reflexos, em Março. acredito que para o nosso País, esta atitude antes do recesso, não importa se com este governo ou outro, vai gerar divisas, com superavit de inicio…Claro que com todos os problemas que os trés poderes estão vivendo, é um milagre, a disposição por linhas tortas, nestas medidas de última hora…acredito que será uma marca pessoal do Temer; irão capitaliza-las, a favor de seu governo; quem sabe, seja um fato, que os encorajarão a lançar candidato em 2018, com grandes possibilidades…

  2. joao dias disse:

    O Presidente da República está sendo atendido pelo congresso nacional, na aprovação de medidas alegadas fundamentais, para que o Brasil retorne ao desenvolvimento, gerando produção, emprego e renda.Mas tem correções ainda importantes e não relacionadas como prioritarias e, a principal delas é acabar com a guerra fiscal, com incentivos abusivos, que subtraem do caixa do Tesouro estadual, municipal e federal, bilhões de reais que poderiam estar sendo aplicados em educação, saúde e segurança pública. A isenção, na maioria , foi aprovado aleatoriamente, visando simplesmente interesses políticos e até os escusos. Os impostos estaduais e municipais tambem tem que ser mudados e levando sempre em consideração, a justiça fiscal, entendendo que o imposto se paga é no consumo e não na produção. E, em nome do Povo, os parlamentares disseram Sim ao Presidente e agora, o Presidente deve dizer Sim, cumprindo com a responsabilidade do Estado,melhorando saude, ed. segurança – trnsporte

  3. Sônia Ribeiro disse:

    Nós temos três facções criminosas atuando no país: PCC, CV e CLASSE POLÍTICA, sendo que a última é a mais perniciosa!

  4. joao dias disse:

    A maioria dos brasileiros não sabem como funciona a política de incentivos fiscais, no Brasil. É uma guerra permanente, entre Estados, que envolvem renuncias de receitas para o Tesouro, de bilhões de reais, mensalmente. E a luta é cada vez mais feroz, sugando dos Estados o máximo possível, além dos incentivos fiscais.E esses incentivos que não são liberados para o empresário local, na mesma intensidade, tem vigência, em média, em mais de trinta anos. E tem mais, grande parte desses incentivos, não cumprem nenhum papel economico social relevante. Um exemplo de incentivo desnecessário, diz respeito ao setor automotivo. Os grandes mercados ainda virgens,para vender veículos novos, são a Russia, a China, Índia e Brasil. com potencial de vendas de milhÕES de veículos. Os demais países do mundo estão com aumento vegetativo. Logo, com ou sem incentivo, as grandes empresas estao aportando no Brasil e se instalam na região de potencial consumo e com acesso fácil aos mercados.

  5. Bruno disse:

    Que outra coisa esperar da Personalidade do Ano (pelo menos na cabeça duvidosa da Isto É).

  6. Felipe disse:

    Já vi esta história de agenda positiva antes eim…

  7. joao dias disse:

    Kennedy, quanto deve gastar o governo federal, em 2016 com publicidade e propaganda, mensalmente, com a administração direta e indireta, incluindo caixa, bb petrobras,eletrobras, enfim, com todas as empresas em que o governo federal é acionista majoritário e minoritário. Com absoluta certeza, o povo gostaria da informação. Outra curiosidade : quanto o governo gasta de aluguel, mensalmente, com a administração direta e indireta,em Brasilia, se possível, nominando os órgãos

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2017-01-17 15:07:38