aki

cadastre-se aqui
aki
Política
05-12-2017, 8h20

Entrevista de Meirelles é usada para melar reforma

Ação de Alckmin é fundamental para salvar proposta
10

KENNEDY ALENCAR
SÃO PAULO

Apesar de duas reuniões no domingo entre aliados e o presidente Michel Temer, é baixa a chance de bancadas partidárias na Câmara fecharem questão a favor da reforma da Previdência.

Há resistência ao fechamento de questão até no PMDB, o partido do presidente da República. Em outras legendas, como PSD e PR, existem obstáculos.

O fechamento de questão é uma orientação partidária de voto que tem de ser seguida pelo parlamentar, sob pena de punição. Depois das votações, os partidos normalmente desistem de penalizar dissidentes, mas o fechamento de questão ajuda a arregimentar mais apoio.

O governo espera que a bancada do PSDB, que terá reunião amanhã para discutir a reforma, possa caminhar nesse sentido e puxar um movimento parecido na base de apoio na Câmara. Mas setores da bancada tucana não querem apoiar a nova proposta de reforma da Previdência, que é mais enxuta. Sem uma interferência direta do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que será o futuro presidente do partido, os tucanos não fecharão questão.

Detalhe: a entrevista do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, publicada ontem pela “Folha de S.Paulo”, está sendo usada por tucanos como desculpa para fugir da reforma da Previdência. Meirelles sugeriu que Alckmin não seria candidato a presidente com apoio do governo e criticou a falta de apoio do PSDB à política econômica e a propostas da gestão Temer, como a reforma da Previdência.

De fato, a entrevista é um primor de inabilidade política nesta hora. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), acertou ao dizer que a entrevista não ajudava neste momento e que seria melhor falar de eleição só no ano que vem. Mas utilizar a entrevista para enterrar a reforma da Previdência é exagero. É pura esperteza política.

O PSDB é o partido que mais faz o discurso de responsabilidade econômica e de apoio a reformas. No entanto, nos últimos anos, parte da bancada da Câmara tem votado com irresponsabilidade fiscal, como fez ao rejeitar o fator previdenciário e faz agora ao sabotar uma reforma que sabe ser necessária ao país.

Essa contradição é uma pedra no caminho presidencial de Alckmin. Está na hora de o governador mostrar liderança partidária. Do contrário, largará na presidência do partido soterrando a reforma da Previdência ou adiando a votação para 2018. Se a reforma ficar para o ano que vem, diminui ainda mais a chance de aprovação.

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
10
  1. andre oliveira disse:

    Sr. Kennedy,

    Por que antes de se fazer a reforma da previdência, o governo não excluí da DRU (desvinculação de receitas da união) os recursos que deveriam ir a previdência e estão lá para tapar outros buracos. Se não fizer isso, acredito em um relatório de uma cpi que diz que não há déficit da previdência, mas sim “afanação” de recursos.

  2. José Vidigal disse:

    Muito pelo contrário, os Tucanos agem afinal com responsabilidade ao criticar uma reforma açodada, imposta à força, por um governo que não tem a menor condição moral de exigir sacrifícios da população. É de estupefar o tratamento do governo aos servidores públicos, com mentiras e ataques a sua honra. Esse tema tem que ser tratado com responsabilidade por que tenha condições legítimas de fazer essa reforma. É incrível os retrocessos que tivemos em menos de dois anos de desgoverno, sem que tenha havido nenhuma melhora na economia. Nem mesmo a queda da inflação e de juros podem ser apresentadas como um trunfo do governo, diante da recessão descomunal que enfrentamos. É incrível a mídia comemorar um reles aumento do PIB de 0,1 % enquanto chamavam de pibinho os 2,7% do Governo Dilma. Chega de informações erradas, enviesadas e mal intencionadas. Urge a regulação da mídia brasileira. Por fim, quem votar a reforma da previdência não vai volta, eis uma verdade absoluta.

  3. walter disse:

    Olha Kennedy, o Meirelles não tem noção mais uma vez; tentar forçar sua candidatura, sem qualquer mérito prático, só para complicar a reforma da previdência, é de uma infantilidade política, a toda prova…neste instante a situação do Alkimin, assumindo o PSDB é frágil, por ser um presente de grego…poderá complicar um pouco mais, sua candidatura ao planalto..terá que conciliar com os seus pares, um momento de trégua…quanto a reforma do temer, deverá sair retalhada…no fundo a primeira votação passará, mas depois, só Deus sabe…ano político, e todos os parlamentares, começam a ser econômicos em suas ações…vamos acreditar que o governo fará diferenças positivas; não é o que parece,em suas concessões…

  4. Marilu Neme disse:

    Gostaria de ver empenho do governo em reduzir seus custos, como por exemplo, empenhar-se na reforma política, ou seja, a redução expressiva de pelo menos 50% da Câmara dos Deputados e 30% do Senado. E em cada Assembléia Legislativa e Prefeitura, também a redução no número de deputados estaduais e vereadores. Mais uma vez, é o povo que tem que pagar a conta, quando o legislativo deveria dar exemplo e começar a diminuir os deficits pelas suas casas? Mas pra isso acontecer,precisariamos ter um legislativo honesto, ético e com verdadeiro senso de servir ao país, a uma nação que passou sua história sendo saqueada por gente corrupta em todas as esferas.

  5. JESSÉ DE MOURA ROCHA. disse:

    Kennedy,A despeito da inabilidade política do Henrique Meirelles, a famigerada classe política não pensa na grandeza social de servir ao país. Vejo que, o embate político está girando em torno das eleições e não em reforma da previdência social. Quem acompanha a economia nacional, já percebeu a introdução no nosso meio político e econômico, do “following day” sempre haverá um tema chamando à atenção do povo brasileiro, para desviar a atenção da real situação do país. Foi assim com os Ministros da Economia, Delfim Neto,(ditadura militar)(crescer o bolo para dividir) Ernandes Galveas (Privatização da Vale do Rio doce) Mailson da Nóbrega) (Acordo com FMI) Zélia Cadroso de Melo ( confisco da Poupança) Rubens Ricúpero ( Escândalo da Parabólica) e finalmente o Henrique Meireles – As pseudos reformas da previdência Social. A imprensa que é bem mais informada, poderia melhora esta situação, mostrando por exemplo que os Bancos lucram no Brasil, bem mais.

  6. Analista Alpha disse:

    …e faz agora ao sabotar uma reforma que sabe ser necessária ao país ….

    Tem tanta coisa que se sabe necessária ao país Kennedy, e nem por isso tem toda essa atenção da imprensa e editoriais diários na sanha de retirar direitos PAGOS pelo trabalhador, que você chamam de privilégio (pagar 35 anos de previdência sobre o salário bruto acimado teto).
    Seria necessário diminuir regalias, como motoristas, carros oficiais, passagens sem limite, garços, jantares, eventos, gastos médicos sem limite, gabinetes do tamanho de empresas, assessores aos montes, verbas publicitárias em tempos de crise…
    Tudo isso é necessário ao pais.

    Os do PSDB que estão contra isso, apenas querem sobrevivência política, não querem votar contra os interesses do povo que ele representa. Os deputados representam uma parcela da população, não se esqueça disso.
    Já defendi isso antes, se a previdência é deficitária, todos os brasileiros tem de rachar a conta, e não apenas alguns eleitos a carregar o fardo sozinho.

  7. O POVO TEM A FACA E O QUEIJO NAS MÃOS: É SÓ SABER CORTAR – NA ELEIÇÃO EM 2018! disse:

    O eleitor deve cruzar os braços e, mesmo sofrendo os males do caos moral, político e econômico que o país vive – indignado mas sóbrio – ficar assistindo aos cafés das manhãs, almoços e jantares, onde, bandidos de altíssima periculosidade, travestidos de políticos e governantes, fazem seus acertos e conluios nojentos, indiferentes aos anseios e necessidades do povo – até chegar o dia das eleições de 2018!
    Aí, nesse dia, o eleitor dever dar resposta a esses bandidos travestidos de políticos e governantes – resposta à ignomínia que tem vivido, dia a dia, hora a hora, momento a momento! Através do voto, nas urnas – NÃO VOTAR EM NENHUM POLÍTICO SUSPEITO, INVESTIGADO, PROCESSADO, RÉU, CONDENADO, OU NAQUELES QUE, POR IRRESPONSÁVEL “ESPIRITO DE CORPO”, APOIAM CORRUPTO!

    • juscelino gama disse:

      Olá sr. Povo,
      Gostei muito da faca e do queijo nas mãos; espero o café!!
      Enquanto isso…
      Já tenho em mãos uma lista de políticos nos quais nunca mais votarei: uns por fazerem maracutaias, outros, por obstrução da Justiça (na tentativa de esconder as maracutaias próprias e de aliados (para o crime).
      2018 o ano da grande limpeza nacional (assim espero).

  8. Miguel Ângelo disse:

    Keneddy, temos sim que fazer a reforma, não da Previdência – INSS – pública somente, mas de todas as previdências, principalmente e inicialmente as fechadas das instituições públicas. Quanto a nossa INSS temos que entendê-la necessária, mas não urgente ao ponto de se aprovar qualquer coisa jogada no ventilador. A evidência é simples. Usem o site simulador de poupança 2.0 para cálculo. O trabalhador que contribuiu com R$ 604 reais mês, a 0,6% a.m., após 34 anos de contribuição tem aproximadamente R$ 1,3 milhão em sua reserva financeira. Aos juros de 0,5% a.m. ela geraria um ganho mensal de R$ 6,5 mil mês. Pelo fator previdenciário ele aposentado só receberia R$ 2,5 mil mês. Logo sua Reserva de R$ 1,3 a cada ano seria acrescida de R$ 4 mil x 13 = R$ 52 mil (x 23 pós vida = R$ 1,2 milhão). O que matemática evidencia que o problema não é a sua reserva para pagar sua aposentadoria. Não é um delírio. É cálculo. O mesmo usado para te vender previdência complementar. Acordem brasileiros!

    • Analista Alpha disse:

      Sabe Miguel, as pessoas, inclusive os jornalistas, não querem acreditar no que vc escreveu, não conhecem a matemática como deveriam. Mas os bancos conhecem, os políticos conhecem.
      Preferem acreditar nas propagandas mentirosas, feitas para sabotar os interesses do trabalhador, quep já é quem paga a conta, e roubar mais.

      Preferem crer e eleger um culpado, mas ignoram um cálculo simples como o que demonstrou. Já argumentei como você e é decepcionante que as pessoas são cegas para isso.

      Ainda bem que ainda há pessoas com cérebro, a esperança é essa, que as pessoas usem mais seus cérebros e tenham menos preguiça apenas repetindo o que ouvem por ai.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2017-12-17 23:01:23