aki

cadastre-se aqui
aki
Política
03-04-2017, 7h55

Julgamento no TSE dificultará reforma da Previdência

Além da legitimidade, governo também tende a sofrer contestação legal
10

KENNEDY ALENCAR
LONDRES

O início do julgamento no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) da ação do PSDB que pede a cassação da chapa Dilma-Temer trará mais instabilidade política justamente na hora em que o governo trava uma das suas principais batalhas: tentar aprovar no Congresso a reforma da Previdência.

O TSE começará o julgamento amanhã, mas há expectativa de que a análise se arraste na corte e que sejam apresentados recursos pelo PMDB no caso de condenação da chapa. Desde o impeachment de Dilma Roussef, houve um questionamento da legitimidade do governo Temer.

O julgamento tende mesmo a se estender, porque é possível que haja um pedido de vista de um ministros do TSE. Mas, salvo uma surpresa, isso deverá acontecer somente depois de o relator Herman Benjamin proferir o voto dele, que tende a ser a favor da cassação da chapa. O Ministério Público Federal também deverá se pronunciar pela condenação.

Logo, além do questionamento à legitimidade, haverá reforço dos argumentos que contestam a legalidade do governo Temer. Mesmo que o processo se arraste e Temer se mantenha na Presidência, como hoje parece ser a tendência, isso terá um custo político.

O presidente tem as suas armas. O presidente do TSE, Gilmar Mendes, é um aliado dele. O governo possui maioria no Congresso. Mas o início do julgamento com um voto duro do relator Herman Benjamin provavelmente enfraquecerá Temer e exigirá mais concessões do governo para aprovar a reforma da Previdência.

*

Vai piorar

Há mais complicadores para o governo: ainda não vieram a público as delações da Odebrecht, mas vazamentos recentes contra os senadores José Serra e Aécio Neves mostram que os tucanos, que acusaram a chapa Dilma-Temer de ter abusado do poder econômico, teriam recorrido ao mesmo mecanismo em suas carreiras políticas.

Logo, o cenário para o PMDB e o PSDB, os dois principais partidos de apoio ao governo, tende a ser de dificuldade crescente.

Isso ajuda a explicar por que o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros, está em rota de colisão com Temer. Renan, que foi o último cacique peemedebista a embarcar na canoa do impeachment de Dilma, dá sinais agora de que poderá ser o primeiro aliado de peso a pular do barco de Temer. As críticas duras à sanção da terceirização ampla e à proposta de reforma da Previdência têm como pano de fundo a sobrevivência política e o xadrez eleitoral de 2018.

Renan, por exemplo, pode voltar a apoiar um projeto presidencial de Lula, algo que também está sujeito às chuvas e trovoadas da Lava Jato.

*

Eleição francesa

O instituto de pesquisas Ipsos deverá concluir hoje e divulgar amanhã uma pesquisa que tende a apontar Emmanuel Macron pela primeira vez como líder no cenário de primeiro turno na eleição francesa. O primeiro turno acontecerá no próximo dia 23. A segunda fase está marcada para 7 de maio.

Macron é um candidato de centro, do movimento “Em Marcha”. Ex-ministro da Economia do atual presidente, François Hollande, Macron tem sido beneficiado pela crise do Partido Socialista e dos Republicanos, colecionando apoios à esquerda e à direita.

A candidata de extrema-direita, Marine Le Pen, avançou sobre setores do tradicional eleitorado socialista, o que gerou uma grave crise na esquerda francesa. Nas simulações de segundo turno, Macron tem 20 pontos de vantagem sobre Le Pen. Portanto, Macron deverá ser eleito.

Isso é uma boa notícia para o Brasil, porque não deve mudar a política externa francesa. Essa política tem sido de aproximação entre Paris e Brasília. Mas é provável que o acordo entre o Mercosul e a União Europeia só saia do papel em 2019, após a eleição presidencial do ano que vem no Brasil.

A França tem sido cautelosa em relação ao governo Temer e, pelo peso que o país tem nas negociações da União Europeia com o Mercosul, pretende ver quem será o presidente no Brasil a partir de 2019 para avançar nesse acordo comercial.

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
10
  1. Analista Alpha disse:

    O que poderia se esperar de um governo ilegítimo? Sem respaldo popular e comprometido com interesses divergentes dos interesses do povão?

    Liste caro jornalista, alguma iniciativa do governo que tenha beneficiado o povo, o povão mesmo?
    Algum nova lei ou regra que tenha melhorado a vida do cidadão lá na vila, ignore o saque do FGTS que é dinheiro do próprio trabalhador.

    Algum lei, nova ou reformada, que tenha visado melhores condições de trabalho e renda?

    Nada, só notícias e iniciativa que ferem direitos dos trabalhadores.

    Ahhhhhhhhh, o Brasil vai quebrar !!! Ahhhhhhh o Brasil não pagará aposentadorias!!!
    Não se houve, ahhhhh o Brasil não pagará juros da dívida extorsivos, o Brasil deixará de ser um país de aluguel …..

    Enquanto não houver eleições pra legitimar um governo, nada mudará.

  2. Wellington Alves disse:

    Esse governo é golpista desde o início. Ponto. Pior que ele, são os cidadãos que foram para a rua, DIZENDO ser contra a corrupção, mas que engole esse governo tão corrupto quanto. BEM COISA DE BRASILEIRO FAZER TUDO MAL FEITO. Fizeram manifestação que nem a cara, como diria a minha mãe.

  3. walter disse:

    Olá Caro Kennedy, O Gilmar Mendes finalmente esta correndo atrás do seu dever…a cassação da chapa dilma temer, vai dar o que falar…neste caso acho que o Temer tem razão; devem separar as responsabilidades…afinal que recolheu os recursos para campanha, foi o Edinho silva, quem deve responder integralmente pelo fato é a dilma e o PT…não que o PMDB não deva ser inquirido, por outros tantos delitos…vai complicar e ainda tem a lava jato…este governo esta fadado a engazopar…Todos os articuladores são “aliados”; infelizmente o futuro é duvidoso…Quanto as eleições na França..o cenário é triste…corre se o risco, de se ter uma zebra, se marine Le Pen ganhar…a situação lá, como em todo o mundo, não é fácil.

  4. Stanislaw. disse:

    O povo não suporta mais esse lenga lenga envolvendo um judiciário conivente com a corrupção, os corruptos se debatendo para não serem presos, políticos citados, investigados, réus ocupando postos importantes no Legislativo e Executivo. Quanta falta de vergonha na cara, bandos de ladrões de cofres públicos diante de todos os tipos de provas, declarando-se “INOCENTES”. Depois se alarmam quando indignados com tanta vergonha, colocam suas esperanças nas Forças Armadas”

  5. ANDRE disse:

    Com o assunto da cassação da chapa Dilma-Temer, e vendo o posicionamento do chanceler brasileiro Aloísio Nunes, me veio a cabeça aquele velho ditado popular, “um sujo falando do mal lavado”, se lá na Venezuela, houve uma tentativa de golpe do executivo sobre o legislativo, com o apoio e participação do judiciário, aqui no Brasil também houve um golpe, só que as avessas, do legislativo sobre o executivo, contando também com o apoio e participação do judiciário. Chega a ser patético a demonstração de preocupação do governo brasileiro com a democracia na Venezuela, quando o mesmo é fruto de um atentado à mesma no Brasil. E vendo coisas, como a tentativa de proibir o “Fora Temer” em eventos, policiais invadindo teatros e prendendo seus atores, prisões de blogueiros jornalistas e Alexandre Moraes no STF , nos vem o temor de estarmos cada vez mais nos aproximando do que ocorre com os nossos vizinhos.

  6. No Brasil tudo é difícil, inclusive para aprovar coisas que precisamos.

  7. Carlos Simas disse:

    É o momento de todas as forças políticas de oposição e entidades sociais, como a OAB se unirem em prol de um só objetivo, que é barrar essa trágica reforma da Previdência.
    Não resta nenhuma dúvida de que não se pode gastar mais do que se ganha ou arrecada, porém o trabalhador, sobretudo o hipossuficiente não pode pagar mais uma vez com a vida aos desmandos que se praticaram no Brasil durante as últimas décadas.

  8. Paulo disse:

    Muitas mulheres não estão vendo o ¨cúmulo¨desta Reforma da Previdência. Vejamos: uma mulher com 45 anos, 26 anos de contribuição, terá que trabalhar mais 6 anos para se aposentar, ganhando 83% do salario. Já uma mulher com 44 anos, com também 26 anos de contribuição vai trabalhar mais 21 anos (isso mesmo), ganhando 77% do salario. Não acredita, procure saber então.

  9. mano disse:

    prezados: OAB, Congresso, Judiciário, Sindicatos. hahahahahaha! quem manda é o dindin (grandes empresários e banqueiros), os militares e a mídia. O resto é resto. O povo pode até mudar, mas antes tem que se submeter a transfusão de sangue. boa noite!

  10. lady Hawker disse:

    No frigir dos ovos quem vai pagar o pato como sempre é o cidadão honesto trabalhador e contribuinte

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2017-10-23 20:15:45