aki

cadastre-se aqui
aki
Política
11-07-2017, 8h00

Lobby empresarial deve aprovar reforma trabalhista

Para partidos de esquerda e sindicatos, trabalhador sai perdendo
4

KENNEDY ALENCAR
BRASÍLIA

O Senado deve votar hoje a reforma trabalhista. Sempre existe risco de fracasso num cenário de crise política como o atual, mas a tendência é a aprovação.

Essa reforma tem forte apoio empresarial, apesar de sofrer críticas dos partidos de esquerda e dos sindicatos. É importante para Temer votá-la a fim de mostrar que seu governo não acabou e que ele ainda tem força no Congresso.

Há um grau de consenso maior no Senado em relação a essa reforma na comparação com a da Previdência, por exemplo, que está parada na Câmara. Isso tende a facilitar a aprovação, mas haverá desgaste, porque, nas últimas semanas, cresceram as críticas às mudanças trabalhistas no próprio Congresso.

Também será importante ver como Temer pretende editar a medida provisória que suavizará pontos da reforma considerados muito negativos para os trabalhadores. Isso foi prometido pelo presidente como forma de obter apoio.

*

Veneno tucano

A reunião de caciques tucanos ontem em São Paulo não tinha poder formal de decisão, porque isso cabe às instâncias do partido, como a Executiva e o Diretório Nacional. No entanto, foi tomada uma decisão política que reforça a dubiedade tucana, permitindo que os deputados federais possam votar contra Temer enquanto o partido tem quatro ministérios no governo.

O efeito prático dessa dubiedade é fragilizar ainda mais o presidente Temer. Apesar da divisão tucana ser real, tem crescido o movimento pela ruptura com Temer e o apoio a um eventual governo de Rodrigo Maia, presidente da Câmara. Ou seja, o PSDB começa a descer, de leve, do muro.

Nos bastidores, tem prevalecido a avaliação de que Temer não conseguirá ficar no cargo devido à estratégia de fatiamento de denúncias adotada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Ou seja, se Temer derrubar a primeira denúncia, ficaria mais complicado engavetar a segunda.

Para a maioria do PSDB, seria melhor deixar Temer se desgastar até a eventual queda virar fato consumado. Isso facilitaria o desembarque do governo. Mas tucanos como o governador Geraldo Alckmin (SP) avaliam que seria arriscado apoiar Maia, porque ele poderia querer ser candidato à reeleição no ano que vem se suceder Temer.

*

Batalha fundamental

O relatório do deputado federal Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) criou mais dificuldades do que as que já eram esperadas. Ocorreu o pior cenário para o presidente Michel Temer em relação ao parecer do relator.

Já era contabilizada a recomendação a favor da autorização para o Supremo analisar a denúncia. No entanto, Zveiter fez um julgamento condenando a conduta de Temer. Entrou no mérito e abraçou a tese do procurador-geral da República.

Agora, Temer terá de votar um relatório alternativo e vencer na CCJ. O governo trocou integrantes da comissão por aliados fiéis a fim de tentar obter maioria. O presidente precisa levar ao plenário da Câmara um parecer da CCJ que recomende a negação da autorização para a denúncia ser examinada pelo STF.

Isso permite que deputados votem acompanhando a decisão da CCJ. No entanto, se for derrotado na comissão e sair de lá um parecer pró-autorização, os deputados terão de ir ao microfone para contrariar o que decidiu a CCJ. Fica mais difícil justificar o voto.

No plenário, o governo terá mais força do que na CCJ, porque a autorização para o prosseguimento do exame da denúncia exige apoio de dois terços dos 513 deputados. Mas é simbólico sair da batalha da CCJ com uma vitória para que Temer tenha mais chance de ganhar a guerra contra a primeira denúncia de Janot. Se perder na CCJ, o peemedebista corre risco de ser derrotado no plenário.

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
4
  1. Sergio disse:

    é muita covardia…um monte de bandido decidindo pelo futuro dos menos favorecidos…todos do lados dos empresários e querendo se proteger…

  2. João disse:

    ou seja golpe dentro do golpe segue indefinido…. e ainda se fala em democracia, instituições funcionando…. os tucanos são campeões em democracia sem povo e sem voto…

  3. walter disse:

    Caro Kennedy, as reformas deveriam caminhar, independente do temer ficar ou não; tanto isto é fato, que deve seguir seu curso, e posteriormente com mais trabalho, a da previdência sairá também…quanto ao relatório do Zveiter, era o esperado, não teria como isentar o presidente de culpa…Acredito que não terão maioria para destitui lo, só depois das próximas delações…Quanto a tal saída do PSDB, só farão de fato, quando tudo estiver estagnado; adoram o podre, e a maioria quer colocar o FHC no lugar do temer; inclusive o lula, já que as tais diretas não vão acontecer…por isso o ex presidente, não quis encontrar com o temer, já que não há acordo plausível…

  4. Wellington Alves disse:

    Ditadura do empresariado. Já sou à favor de uma revolução do proletariado e o fim dessa classe financeira.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2017-07-24 17:35:47