aki

cadastre-se aqui
aki
Política
01-01-2018, 10h42

Retrocesso social terá força no debate eleitoral

Condenação de Lula no TRF-4 não seria fim da novela
16

KENNEDY ALENCAR
BRASÍLIA

Neste mês, haverá um episódio importante da eleição presidencial. O Tribunal Regional Federal da 4ª Região, sediado em Porto Alegre, julgará o recurso do ex-presidente Lula contra a condenação do juiz Sergio Moro no caso do apartamento no Guarujá.

Se absolver Lula, a candidatura do ex-presidente se fortalecerá. Por exemplo: setores da base do governo se sentirão mais livres para aderir ao ex-presidente. Sem essa condenação, ficará difícil que qualquer outra eventual sentença negativa tire o petista do páreo.

Mas a hipótese mais provável é a de condenação. Declarações de integrantes do TRF-4 indicam isso, como já fez o relator do recurso, João Pedro Gebran Neto. Se acontecer, a candidatura se enfraquecerá, mas não significará o fim da novela.

Haverá uma disputa entre aqueles que consideram que a Lei da Ficha Limpa invalidaria de vez a pretensão presidencial de Lula e os que pregam que existe possibilidade de recurso para manter a candidatura. Portanto, a indefinição continuará.

O argumento da segurança jurídica é fraco, porque houve tramitação recorde em relação ao processo de Lula nos casos da Lava Jato no TRF-4. Há outros políticos que disputarão cargos importantes que também são acusados perante a Justiça. O STJ analisa eventual abertura de inquérito contra o governador paulista Geraldo Alckmin _o favorito para ser o candidato tucano em 2018. Existem dezenas de políticos investigados, denunciados e processados no âmbito da Lava Jato.

Lula e o PT já deixaram claro que não desistirão da candidatura em caso de decisão negativa no TRF-4. O ex-presidente teve 34% de intenção de voto no último Datafolha. É legítimo que esse grupo, de mais de 34 milhões de eleitores, queira ver o ex-presidente na cédula eleitoral e questione a consistência da sentença de Moro. Logo, a novela da candidatura continuará em cartaz durante meses no ano que vem.

Outro tema fundamental do começo do ano será a reforma da Previdência. Há forte resistência de setores do funcionalismo público que ganham altos benefícios, sobretudo dos magistrados e dos integrantes do Ministério Público.

Se o governo fizer concessões corporativas, dificilmente aprovará a reforma, porque a tornará mais injusta socialmente. Faz sentido fazer uma reforma da Previdência que eleve a idade mínima. Não faz sentido promover uma reforma que prejudique apenas os trabalhadores da iniciativa privada. Convém lembrar que privilégios de servidores públicos não estão sendo cortados, mas amenizados.

A reforma da Previdência será um dos temas mais importantes da eleição. Sem ela, a regra do teto para limitar as despesas públicas será inviabilizada no próximo mandato presidencial. Em 2018, privilégios como supersalários que ultrapassam o teto também serão assunto de destaque no debate público.

Além do combate à corrupção, a eleição servirá para discutir como o Brasil poderá voltar a crescer de forma significativa e como reduzir a desigualdade social. A economia encolheu muito nos últimos anos. Apesar dos sinais de lenta recuperação econômica, o desemprego continua alto. Há um retrocesso social no país que entrará com força no debate eleitoral.

Desejo a todos um excelente 2018!

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
16
  1. Paulo disse:

    O retrocesso social tende a se ampliar, com a Reforma Trabalhista, que ainda engatinha, no sentido do que ainda está por vir, quando o “bicho pegar” pra valer, realmente, a partir deste ano (por ora, os empresários estão em compasso de espera, porém, quando perceberem que têm a faca e o queijo na mão, o trabalhador menos qualificado e remunerado será espremido contra a parede, e tenderá a perder renda brutalmente). Quanto à Reforma da Previdência, é injusta com todos os brasileiros, especialmente com os servidores públicos homens (não há transição gradual, há uma brutalidade que os obrigará a trabalharem mais que os trabalhadores da iniciativa privada) e os trabalhadores desqualificados das Regiões mais pobres, que vivem menos.

    • walter disse:

      Estamos de fato expostos com relação a votação da previdência; não temos mais saída, esta conta vai acabar com 2018, já que os possíveis resultados na retomada serão negativos, se não sair esta reforma; temos um presidente doente além de tudo..quanto ao Lula, se não fossem as mentiras continuas; ainda daria acordo, através da leniência, sugeridas pelo Zé Dirceu, a um ano atrás…será condenado sim, não será aceito sua candidatura, mesmo que seja submetida ao colegiado, já que na época, estará condenado novamente…esta tática de inocente que o lula tenta impor, só “faz bem” para ele…nem os seus seguidores concordam com esta falta de sensibilidade…vai causar oba oba, com certeza; até lá, vai colocar um clone para concorrer; não haverá adesão suficiente p/ segundo turno…

  2. Kennedy, é um excelente comentarista politico. imparcial sempre.
    abraço

  3. Sebastiao Augusto Canabrava disse:

    Muitos dizem: quem nao deve, nao teme. Mas, a celeridade imposta no TRF4 e’ casuista. Partidaria ate’.

    • Edi Rocha disse:

      Pois é. O problema não é a acusação de que pesa contra o ex-presidente. Se havia alguma suspeita, deve-se investigar. Mas verificando que não há provas conforme definido na Constituição, ocorreria a absolvição. Vemos o judiciário jogando para a plateia, em vez de seguir a lei. Os julgadores se exibindo na imprensa o tempo todo, condenação por algo que não está no processo, enfim.
      É difícil a situação de um país quando passamos a desconfiar do sistema judiciário.

  4. Angelo disse:

    Interessante que não se dão ao trabalho de sequer disfarçar o prejulgamento, o que demonstra a inequívoca ilegalidade, senão do processo, ao menos dos atos no ponto de vista da norma jurídica, o que torna o julgamento nulo. Mas estamos no Brasil. Império da Lei é mera louçainha para embelezar discursos hipócritas.

  5. ANA VIEIRA disse:

    Vergonha essa perseguição, vençam nas urnas e não com golpes… E os aviões cheios de cocaína, malas de dinheiros ficam bem quietos parecem que não existem MPF, PF, TRF e etc…, veem com essa de triplex e sitio, façam o favor criem vergonha nessa cara..
    Foi o melhor presidente que o Brasil já teve, portanto não vai ser fofoca e perseguição midiática que vai detê-lo…

  6. Lula, Temer, Aécio, Renan, Jucá, Marun, Jader Barbalho etc, etc, etc! Todo brasileiro é igual perante a lei! disse:

    Lula já deveria estar na cadeia desde o Mensalão. Pesquisa eleitoral não é alvará de soltura. A justiça tem que ser para todos, doa a quem doer. E é por isso que é preciso celeridade nos processos e eventuais condenações para Aécio, Renan, Jucá, Temer, Marun, Jader Barbalho e todos os políticos semelhantes a esses. O que não pode é só Lula, Palocci, Cabral, Cunha, Marcos Valério, Marcelo Odebrecht serem os bodes expiatórios. É preciso se criar vergonha na cara e parar esse negócio de a justiça prende, Gilmar Mendes solta… a justiça prende, Gilmar Mendes solta… a justiça prende, Gilmar Mendes solta! Ninguém agüenta mais tanta vergonha: “Tem que manter isso, viu”?(Temer p/Joesley)– “É preciso ser alguém que se ameaçar delatar a gente manda matar” (Aécio p/Joesley) – “Temos que estancar essa sangria” (Jucá p/Sergio Machado) – “Tudo está no seu lugar” (Carlos Marun, guarda costas de Cunha e ministro de Temer e dançarino na Câmara Federal). Lugar de ladrão é na cadeia, doa a quem doer!

  7. Acho que deve ser observado primeiramente, o princípio do direito adquirido. Depois as medidas não podem acontecer no imediatismo impactante. Deve conter regras proporcionais e revistas de forma progressiva, sobre percentuais (TEMP/IDADES) com alterações no tempo.

  8. Maurício Assuero disse:

    Prezado Kenney, acredito que o tratamento dado ao julgamento de Lula é o principal responsável pelo endeusamento que a ele tem se devotado. Lula está sendo julgado por crimes comuns e não por crimes políticos. Nesse sentido, ninguém está acima da lei. Ele teve todas as oportunidades do mundo para esclarecer os fatos e não fez. O que se viu foram seus partidários assumindo crimes para salvar a figura dele. Fico espantado quando se diz que a justiça está sendo célere no processo contra Lula. Então, o correto é fazer como foi feito com Paulo Maluf? Com Pimenta Neves? Marin, foi julgado e considerado culpado em 18 meses! Será que a gente não podia se espelhar nesse modelo e com ele mostrar que a celeridade seria um bom instrumento de combate a corrupção? Por outro lado, o art. 71 do Estatuto de Idoso fala da prioridade das pessoas com mais de 60 anos em questões judiciais. É o caso de Lula, mas isso não é dito porque não é do interesse dele. Se ele tivesse ganho a causa contra Dalagnoll…

    • Sebastiao Augusto Canabrava disse:

      Voce tem razao no exposto, Mauricio. Mas, lhe pergunto: e os outros politicos? A maioria tem mais de 60 e nao vejo celeridade no processo deles. Se Lula praticou crimes (nao existe crime politico, crime e’ crime. E’ aquele constante no codigo civil e na constituicao) e isso ficar provado, sim deve ser condenado. E deve haver provas e nao conviccoes. Conviccoes sao pessoais, provas nao o sao. O que o Kennedy esta’ alertando, e’ que, o tratamento dado a Lula e’ diferente do tratamento dado a outros politicos (Aecio, Alkmin, Agripino, Juca, Padilha, MOreira, Maia, etc e etecetera). Esta e’ a questao.

  9. José Carlos disse:

    “É legítimo que esse grupo, de mais de 34 milhões de eleitores, queira ver o ex-presidente na cédula eleitoral e questione a consistência da sentença de Moro.” Então também é legítimo que os outros 66 milhões de eleitores (eu inclusive)queiram ver esse larápio na cadeia. Concorda Kennedy? Ou só vale a opinião da minoria?

    • Stanislaw P/ José Carlos. disse:

      É isso aí, José Carlos. E apesar de aparecer isolado na corrida presidencial, Lula lidera o “ÍNDICE DE REJEIÇÃO” entre os possíveis candidatos. Nesse cenário, o ex-presidente aparece com 42%, seguido de Bolsonaro (33%) e Alckmin (31%).
      É importante salientar que a participação de Lula nas eleições de 2018 ainda não é certa, pois poderá ir para a cadeia ou, na melhor das hipóteses (para ele), inelegível pela lei da ficha limpa.

  10. Rodrigo Senefonte disse:

    LULA 2018

  11. Sebastião Antonio da Silva disse:

    As previsões de Romero Jucá parecem confirmar com o grande acordo nacional para estancar a sangria da Lava jato, envolvendo o judiciário. Como exlicar para a comunidade nacional e internacional as absolviçoes com provas de culpabilidade e condenações sem provas, baseadas apenas em convicçôes?
    Não ficaria o judiciário brasileiro fragilizado diante da comunidade internacional?

  12. Hercílio Neto disse:

    O esforço midiático para convencer a população que a Presidente Dilma estava afundando o Brasil em plena véspera da Copa do Mundo das Olimpíadas surtiu resultado. Agora, ao perder direitos trabalhistas, ver agravar-se o desemprego, sentir na bolso o aumento da gasolina, do gás, da energia, etc, e depois de ver os políticos que os acompanharam nas manifestações embrulhados nos mais sórdidos casos de corrupção, o brasileiro comum não deixou de acreditar nesta mesma mídia, que agora, os tenta convencer de que a inflação caiu, o emprego subiu, que a economia está crescendo e que o Brasil está revertendo a crise.
    Simples assim.
    Mesmo aqueles que não gostam da Dilma perceberam que foram usados e que a classe média nunca esteve nos planos da direita golpista.
    A candidatura de Lula só vai crescer daqui pra frente.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2018-04-27 03:55:04