aki

cadastre-se aqui
aki
Geral
06-10-2017, 8h28

Sá Leitão e Doria erram ao criticar exposição do MAM

Ministro e prefeito deveriam ajudar a iluminar debate público
15

KENNEDY ALENCAR
BRASÍLIA

Uma exposição no MAM (Museu de Arte Moderna) de São Paulo, na qual um homem nu participou de uma performance, tem sido objeto de debate político. Uma criança, acompanhada da mãe, tocou o artista.

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, disse que pode ter havido descumprimento da lei _do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente). Sá Leitão deu essa declaração após reunião com o deputado federal e tesoureiro da Frente Parlamentar Evangélica, Sóstenes Calvalcante (DEM-RJ). O prefeito João Doria divulgou um vídeo criticando a exposição.

O ministro da Cultura e o prefeito de São Paulo erraram. Prestaram um favor à intolerância e ao preconceito. Como homens públicos, deveriam ajudar a iluminar debates e não jogar mais sombra sobre esse tema a fim de tirar proveito político ou eleitoral.

Parte da imprensa trata o que aconteceu na exposição do Museu de Arte Moderna de São Paulo como polêmica. A meu ver, não se trata de polêmica, mas de uma oportunidade que grupos conservadores e religiosos viram para ganhar espaço na sociedade e fazer muito barulho sobre nada.

Essa performance no MAM foi inspirada na série “Bichos”, da artista plástica Lygia Clark. Essa série tem esculturas em formas geométricas, com dobradiças que permitiam mudanças que lembram um organismo, animais, bichos, algo vivo.

A nudez, no caso, é uma leitura dessa série, uma performance já realizada inúmeras vezes, nas quais o corpo é como a escultura que assume outra forma se você move um pé para o lado, a perna para o outro, o braço para cima, a cabeça para o lado. Nosso corpo tem “dobradiças”, digamos assim.

O MAM avisou na entrada da sala de exposição que havia nudez. Uma mãe achou que a criança poderia ver. Não há e não houve erotização nenhuma. Isso pode estar na cabeça de quem vê a exposição ou até de quem não viu e não gostou. As pessoas têm o direito de não gostar de uma exposição de arte, de criticar, até boicotar. Não têm o direito de censurar.

É papel da arte representar expressões humanas e provocar as reações mais diversas. A performance cumpriu o seu papel. A mãe não fez nada de errado. Julgou que a criança poderia ver a exposição e a acompanhou. Ela merece apoio.

As salas de cinema estão cheias de filmes com classificação indicativa de 16 anos ou mais aos quais pais levam filhos pequenos. Nesses filmes, há muita violência e nudez. A televisão brasileira não tem moral para dar lição a ninguém. Está cheia de cenas eróticas e muitos programas de gosto duvidoso, com misoginia e preconceito.

A nudez sempre incomodou setores mais conservadores da sociedade, mas está retratada em todos os museus importantes do mundo. Tratar a nudez com naturalidade é parte saudável da condição humana.

Frequentar, de fato, os museus e as exposições de arte é o melhor antídoto para acalmar os ânimos e abrir a mente. É uma experiência civilizatória que deveria ser estimulada pelo ministro da Cultura, Sergio Sá Leitão, e pelo prefeito João Doria.

PS – Aos internautas que já se manifestam sobre o comentário no “Jornal da CBN”, respondo: Sim. Eu levaria meus filhos à exposição do MAM.

Censura na internet

O presidente Michel Temer deveria vetar a emenda da reforma política que prevê possibilidade de censura na internet. Com conhecimento jurídico, Temer não tem outro caminho.

Na votação da reforma política, na madrugada de quinta, foi incluída uma emenda que prevê que não haverá necessidade de decisão judicial para retirada da internet de mensagens com “discurso de ódio, disseminação de informações falsas ou ofensa em desfavor de partido, coligação”.

Se alguém se sente prejudicado por uma mensagem na internet, deve procurar os meios que os próprios veículos têm para corrigir e retirar essas manifestações. Há normas que essas empresas vêm adotando para diminuir mensagens de ódio e informações falsas.

O Google e o Facebook, por exemplo, deveriam elevar o seu controle nesse sentido. Ainda há muita difamação no Google e no Facebook, como em outras redes sócias.Com uma simples busca na internet, encontram-se informações difamatórias, caluniosas e injuriosas.

Outra possibilidade é recorrer à Justiça contra essas mensagens. É direito de qualquer cidadão, seja ele candidato ou não.

No entanto, criar a possibilidade de uma retirada de conteúdo sem necessidade de decisão judicial é abrir espaço para a censura. Tolerar eventuais abusos e tentar combatê-los por meio da Justiça são o preço que sociedade paga pela liberdade.

A Constituição garante a livre manifestação de pensamento e de opinião. As leis garantem mecanismos para punir abusos. Faz sentido aumentar esses mecanismos, mas não da forma como a Câmara fez. É uma emenda inconstitucional.

Logo, o presidente Michel Temer deveria vetá-la. Se o presidente não vetar, haverá questionamento no Supremo Tribunal Federal com alta chance de vitória

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
15
  1. Edi Rocha disse:

    Acredito que a criança não deve ser exposta a esse tipo de cena, mesmo que seja pelos pais. ninguém pode fazer isso. Mais ou menos como a tortura. Ninguém ninguém tem o direito de torturar outro, mesmo que seja a mãe. Acredito que a criança tenha seus direitos protegidos em relação a esse episódio.
    .
    No mais, concordo com sua análise, Kennedy.

    • walter disse:

      Muito bom Edi Rocha; falar da Lygia Clark,e suas formas geométricas, é arte da melhor qualidade; imaginar um homem pelado, na frente de crianças inocentes, e sem qualquer preparação, ou qualquer critério classificatório, é no minimo um atentado; a Lygia morreu em 88, e deve estar contorcendo se no caixão; como o inventor da energia atômica, não pretendia destruir vidas com bombas, e sim salva las…o filho da autora das obras, não poderia aceitar modernidades extravagantes, com os trabalhos de sua mãe..quanto ao ministro da cultura e o Dória, ter suas opiniões caro Kennedy, devemos respeita los; não importa se estão sendo influenciados; afinal, o mundo civilizado e livre, deve acatar e aceitar a opinião diversas; vale sempre salientar; quando envolvemos menores em qualquer processo, devemos ter mais tato e cuidado com a Saúde mental destas crianças, ou adolescentes, nem tudo é aceitável antes do tempo; deve se considerar a classificação, como os filmes…

  2. Wellington Alves disse:

    Já admirava o Kennedy. Agora o faço com maior primor. A direita pira (afinal temos poucos liberais no país).

    • Celio M. CunhaE disse:

      Eu também admiro o Kennedy e continuarei admirando-o nos seus comentários políticos, mas nesta área, Kennedy, desculpe, mas você não deve ter filhos, ou peça para seus filhos levarem seus netos, na ausência de filhso menores e veja se o acompanham nesta opinião. Pode até ser que sim, mas do jeito que vamos, já já estaremos admitindo criançãs dentro de museus que retratam a prática de sexo. Você pode até ficar nú perto de seus filhso, eu nuca fiquei, mas deixar que filhos se exponham diante de estranhos! Misericórdia, as crianças gritam.Depois não recrimine a adolescência pelos seus arbítrios precoces na área sexual.

  3. Anna Paula S Bernardes disse:

    Sensacional!
    Colocando os pingos em seus devidos is.

  4. Bom dia Kennedy,
    Que pena que você saiu do SBT? Vai para outra emissora?!
    Você e o Camarotti são melhores comentaristas de policita.
    Abraço! Boa sorte em novas empreitadas!

  5. camilo disse:

    Ótima postagem! E vamos acompanhando!!!
    http://www.finofaro.com.br

  6. Carlos Santos disse:

    Minha opinião é que este tipo de exposição seja proibida para menores de idade. Pronto. Está resolvido o problema. No caso da criança participar assistindo também creio que seja necessário uma sensura de idade. Porém sou contra qualquer sensura as pinturas e outras formas desde que o acesso seja para maiores de idade.

  7. Maria Aparecida Ramos Tinhorão disse:

    O que o MAM expôs não é arte nem instalação, é apenas exibicionismo narcisista travestido de arte performática .
    O país está repleto de farsantes com pretensão aos 15 minutos de fama… conseguiu !

    • BRAGA BH disse:

      ARTE depende muito do ponto de vista, do gosto, da maneira como se enxergam as coisas. Se o mundo fosse todo preto e branco o que seriam dos amarelos?

  8. ANDRE disse:

    A arte é a expressão mais livre, sem formas e sem amarras e em relação a ela é permitida qualquer manifestação, seja contemplação, seja desaprovação, seja desprezo, seja indiferença, mas jamais a censura.

  9. BRAGA BH disse:

    Cuidado Kennedy!! Você está entrando na pior seara que temos hoje no país: o obscurantismo, a intolerancia e o preconceito que voltaram à tona no país após o golpe midíaco-legislativo de 2016.
    Sua opinião reforça meu conceito sobre você: tem opiniões próprias, não segue a cartilha dos veículos de imprensa aos quais empresta sua imagem! Tem carater e postura! Parabens!!!

  10. FRANKLIN A AMORIM disse:

    Parabéns pela excelente análise. Estão criando uma celeuma onde não existe. Esse assunto (nudes e arte) já estava no passado e essa turma conservadora está tentando desenterrar isso só pra fazer barulho e ganhar palco. Nada mais natural que o corpo humano.

  11. Wellington Alves disse:

    Muitos argumentam que não se pode expor criança ao nu. Mas é deixar na ignorância que facilita a atuação de pervertidos. A criança tem q saber sim sobre todas as partes do corpo. E que o corpo é uma máquina maravilhosa, q não serve só para sexo. Não crescer como a maioria que hoje opina.

  12. Maria disse:

    Não me interessa se é arte ou não mas a criança não deveria de modo algum ter entrado nesta exposição, mesmo acompanhada de sua mãe.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2017-10-18 11:10:35