aki

cadastre-se aqui
aki
Recomendo
31-07-2015, 8h18

A Magia de Miró e o Universo Fantástico de Darcílio Lima

Processo criativo do artista espanhol e obras do surrealista brasileiro estão expostos em Brasília
2

Daniela Martins
BRASÍLIA

Encerrando um circuito que já passou por São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro, Recife e Fortaleza, a exposição “A Magia de Miró” fica em Brasília até o dia 30 de agosto, na Caixa Cultural.

A mostra reúne 69 obras do artista espanhol. São esboços e estudos que misturam técnicas como desenho, gravura, guache, giz de cera, lápis de cor e até caneta esferográfica. As superfícies também são muitas, como lâminas de cortiça, papelão, lixa e papel de embalagem. Os trabalhos revelam o impulso de criação do artista, a urgência de registrar as ideias.

A seleção faz parte da coleção do fotógrafo Alfredo Melgar, amigo de Miró por quatro décadas, que retratou muitas vezes o artista em seu ateliê e em momentos de descontração. As obras expostas formam um conjunto que reflete o gosto pessoal do colecionador, não um tema ou período específicos. “Trata-se de um álbum de recordações de meu privilegiado contato com esses artistas”, nas palavras do próprio Melgar.

Conhecer o universo mais íntimo da criatividade de um grande artista, ver como estudava suas composições, como testava e utilizava a mesma matriz de gravura em diferentes posições é uma oportunidade única. E estão lá os símbolos e temas mais marcantes dos trabalhos consagrados de Miró: a mulher, os astros celestes e os pássaros.

Também fazem parte da exposição 23 fotografias em preto e branco feitas a partir da década de 1970, quando o próprio Miró, já reconhecido internacionalmente, convidou Melgar para fotografá-lo.

Joan Miró nasceu em Barcelona, em 1893. Precisou vencer a falta de recursos financeiros e a oposição da própria família para tornar-se um artista. Chegou a Paris na década de 20, em meio à efervescência das correntes artísticas de vanguarda. Trilhou um caminho próprio e um estilo muito pessoal, embora seja considerado um dos principais nomes do movimento surrealista.

Ainda que o próprio Miró não se identificasse como tal, o escritor André Breton foi categórico ao descrevê-lo: “Ele foi o mais surrealista de todos nós”.

Chien_1976

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Imagem: Cão, Joan Miró, 1976, tinta chinesa/cartão de embalagem.

*

Quem visitar a exposição de Miró na Caixa Cultural Brasília deve complementar a ocasião com a retrospectiva “Darcílio Lima – Um Universo Fantástico”.

Nascido em 1944, no Ceará, Darcílio é classificado como um dos maiores expoentes do surrealismo no Brasil. Seus desenhos em nanquim, aquarelas, gravuras e colagens retratam um universo de sonho, assombro e sexualidade pulsante. São imagens do inconsciente de um artista que alternou períodos de lucidez e loucura durante a vida, que claramente influenciaram a sua produção.

Os trabalhos expostos revelam um artista detalhista e extremamente talentoso, pouco conhecido e exposto no país. Desde a morte de Darcílio, em 1991, essa é a maior e mais importante reunião de suas obras, que estão espalhadas em diversas coleções particulares.

Para saber mais sobre os dias e horários de visitação das duas exposições, visite o site da Caixa Cultural.

022 - Darcilio Lima - foto Vicente de Mello VDM_6854

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Imagem: Sem título, s/d, Darcílio Lima, nanquim aquarelado/papel.

Imagem da home: A Amazona, Joan Miró, 1964, litografia/papel.

Comentários
2
  1. Reinon disse:

    Onde estão as notícias sobre Dilma e seus pesadelos econômicos…

  2. Pasquale disse:

    Dirceu de novo????????
    Vejam como o povo é otário,mesmo.
    Votam em quem é preso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-09-20 14:14:49