aki

cadastre-se aqui
aki
Política
27-10-2014, 0h31

Ao citar “mudanças mais fortes e rápidas”, Dilma entende recado das urnas

8

Postado por: ISABELA HORTA

Dilma Rousseff (PT), reeleita com 51,64 % dos votos, disse que não acredita que a eleição dividiu o país ao meio. Em discurso após a apuração das urnas, a petista falou que “resultados apertados produzem mudanças mais fortes e rápidas”. É natural que a presidente eleita fale em tom de reconciliação. Mas o resultado da votação deixou claro que a vitória foi difícil para o PT.

A economia é o calcanhar-de-aquiles do governo. A presidente precisará construir pontes com o empresariado. Durante a campanha, quando a petista tinha bons resultados nas pesquisas, a Bolsa caia e o dólar subia. Houve torcida contra a reeleição de Dilma. Mas, nos próximos quatro anos, não será possível governar em guerra com agentes econômicos. Para o país voltar a crescer, os ânimos precisarão ser acalmados.

Outro desafio para Dilma será a reforma política. O assunto está em discussão no Congresso Nacional há pelo menos 20 anos. A petista defende que certos pontos sejam definidos por plebiscito. Mas alguns defendem que um referendo seria o instrumento adequado para viabilizar a reforma.

A presidente sinalizou em seu discurso que entende os limites do Executivo nessa questão. Ela sabe que muitas medidas necessárias no segundo mandato não poderão ser resolvidas apenas pelo Palácio do Planalto. As reformas constitucionais, por exemplo, dependem da aprovação por três quintos dos membros do Senado e da Câmara. Dilma terá de construir, então, bases políticas consistentes.

A corrupção pautou a disputa eleitoral. Apesar do tema tê-la desgastado na campanha, a petista conseguiu se reeleger. Pela terceira vez, a oposição apostou na corrupção como bandeira para derrotar o governo, mas não conseguiu. O assunto é importante. Mobiliza parte do eleitorado, mas as propostas para saúde, economia e educação também influenciam a decisão do eleitor.

Dilma prometeu que irá punir corruptos e, por isso, houve um voto de confiança em uma eleição muito apertada. A presidente não tem o mesmo capital político de Lula, que foi reeleito com mais de 60% dos votos. A vitória apertada nas urnas é uma lição para o PT, que deixou sua imagem ser confundida com a corrupção. O partido tem de enfrentar esse fantasma.

O resultado mostrou também que os tucanos terão respaldo político para fazer uma oposição mais aguerrida. Aécio Neves foi o candidato do PSDB mais bem votado em um segundo turno, com 48,36% dos votos. O senador terminou sua campanha afirmando que fará uma oposição dura ao governo de Dilma.

Marina Silva terá dificuldades neste novo cenário político. Ela decidiu apoiar o PSDB e sai do segundo turno debaixo do guarda-chuva dos tucanos. A polarização PT-PSDB se fortaleceu nesta eleição. Mas há uma certa fadiga de material. Os dois partidos têm, no entanto, capitaneado as principais propostas políticas para o Brasil.

Comentários
8
  1. Russo Salvatore disse:

    Caro Kennedy, respeito o seu posicionamento, mas considero que o Aécio só obteve esta votação porque a mídia deu uma mãozinha, né? Não acho que ele tenha todo esse cacife. Além da reforma política a presidenta tem que fazer a regulação da mídia, justamente para evitar os abusos cometidos, principalmente neste final de campanha pela Veja.

  2. gesiel disse:

    NÃO EXISTE PAÍS DIVIDIO ou PSDB MAIS FORTE! O PSDB em 2014 elegeu 8 governadores e agora em 2014 elegeu APENAS 5. Mesmo em estados onde o Aecio ganhou, ganharam governadores de partidos ALIADOS DA DILMA e do PT. O PSB, que seguiu a insensatez do Eduardo Campos e apoiou o Aecio do PSDB no segundo turno, deverá voltar a ser aliado do PT, como SEMPRE HISTORICAMENTE FOI, se não quiser acabar como o PPS do Roberto Freire que encolheu depois que deixou de apoiar o PT e passou a apoiar o PSDB; visto que O PSB também encolheu nessa eleição; e AS URNAS, PRINCIPALMENTE EM PERNAMBUCO, disseram NÃO A ESTA POSTURA À DIREITA que o Eduardo Campos começou, e a sua esposa e filhos insistiram com ela.

  3. Pasquale disse:

    Dólar sobe 3% ante o real e renova máximas desde 2008, com reeleição de Dilma

    É melhor ela saber o que fazer com o dolar ou vamos comer ovo.

  4. LOUIS disse:

    ATENÇAO: para pensar. com as eleições de hoje, são 4 pleitos decididos em 2o turno.
    2002 – Lula venceu com 61,3% dos votos, José Serra.
    2006 – Lula venceu Alckmin com 60,8% dos votos.
    2010 – Dilma venceu José Serra com 56,1% dos votos.
    HOJE, 2014… Dilma venceu Aécio Neves com 51,7% dos votos…

  5. Luiz Antônio Nogueira da Guia disse:

    São muitas as reformas que o país precisa, entre elas a Lei de Regulação da Mídia: o modelo inglês é bom. Não existe democracia quando a grande mídia se transforma em partido político.

  6. Daniel disse:

    Caro Kennedy, assisti a todos os debates presidenciaveis e a Dilma sempre disse que estava tudo bem. Tudo sob controle. As pessoas acreditaram nisso e votaram nela. O que ocorre? Essas pessoas estavam mau informadas? Foi propaganda enganosa?
    Infelizmente a maioria do povo não acordou para a realidade. O Paiz está em crise e, com a Dilma, só vai piorar por pura incompetencia administrativa, falta de articulação politica e corrupção impregnada.
    A distribuição regional dos eleitores mostrou que o Brasil está dividido. Uma parte do paiz quer uma coisa e outra parte quer outra. Apesar de democratico considerando a totalidade dos votos, acho que a atual situação dessa divisão regional requer uma análise profunda do sistema. Estou falando em divisão real.
    Em 2018 o Lula vai ser candidato novamente aí no Nordeste não vai ser 70/30 como foi com a Dilma, será 95/5 para Lula.
    O Sul e Sudeste não pode mais ficar engolindo o PT por causa da preferencia quase unaneme das regiões Norte e Nordeste.

  7. J K disse:

    Eu leio muito, mas quase não escrevo. Tem uma coisa que me deixa triste: esse bairrismo entre N/S. Fato é que, se qualquer brasileiro quiser se mudar de Estado, ele pode. Prática comum nos EUA, por ex. Fica ruim num lado os caras vão pra outro lugar. Muitos irmaos nordestinos vem ao SE/S, e por quê ? A resposta sempre é em busca de vida melhor. Deixam mulher, pais, filhos, e vao À luta. O pessoal do sul/sudeste sempre sonha em morar no NE, mas só quando estiver aposentado. Mas, por quê não quando na ativa ? Pq falta de emprego !
    Aqui em baixo tendem a reclamar deles que vem para cá “adoecer” as cidades. O que parece não demos conta é de que boa parte da nossa “infra” mantém-se funcionando por eles, nordestinos. Não nos demos conta de que quando a BMW se instala em SC existe um ponto de vista para vermos que nós fomos os privilegiados. Tudo emprego de melhor qualidade e salário, que eles lá não tem.
    A despeito do coronelismo presente ainda naquelas searas, resta ao governo produzir decisões macroeconomicas que melhorem a atratividade à iniciativa privada naquelas regiões à fim de que a sonhada igualdade de oportunidades comece a surgir no país.

  8. disse:

    É muito interessante como se fala em mudanças, só se for para melhorar o que o PT piorou, mudanças desastrosas são dispensáveis e o PT é especialista em promover mudanças desastrosas.
    PIOR QUE TÁ FICA contrariando o grande filósofo popular e deputado mais votado Tiririca.
    Meus pesames Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-09-20 15:28:16