aki

cadastre-se aqui
aki
Geral
24-02-2020, 13h27

Bernie Sanders ameaça superar Joe Biden nas primárias da Carolina do Sul

Senador está crescendo nas pesquisas; Biden, caindo
4

Kennedy Alencar
Las Vegas

Depois de uma vitória expressiva no caucus de Nevada, o senador por Vermont Bernie Sanders está subindo nas pesquisas no Estado que fará a próxima rodada das prévias democratas, a Carolina do Sul. Joe Biden, que foi vice-presidente de Barack Obama, ainda continua na liderança, mas começou a perder terreno para Sanders no Estado, que tem expressivo eleitorado negro.

Na média das pesquisas feita pelo site Real Clear Politics, Biden lidera apertado com 24,5%, seguido de Sanders com 21,5%. Depois, vêm o bilionário Tom Steyer (16,5%), o ex-prefeito de South Bend (Indiana) Pete Buttigieg (10,8%), a senadora por Massachusetts Elizabeth Warren (9,5%) e a senadora por Minnesota Amy Klobuchar (6,5%).

Há duas semanas, em 11 de fevereiro, Joe Biden liderava com folga: 31%. Tom Steyer estava em segundo, com 18,5%. E Bernie Sanders ficava em terceiro lugar, com 17%. Na sequência, vinham Elizabeth Warren (9,5%), Pete Buttigieg (5,5%) e Amy Klobuchar (2%).

Buttigieg e Klobuchar cresceram um pouco, mas Bernie Sanders deu um salto de 4,5 pontos percentuais. Biden despencou 6,5 pontos percentuais. Nessa toada, Sanders poderá chegar à frente de Biden na Carolina do Sul, o que seria um desastre para o ex-vice-presidente.

*

Establishment em pânico

A liderança de Bernie Sanders na corrida democrata levou a ala moderada do partido a questionar as chances de sucesso do senador por Vermont se ele for mesmo o escolhido para enfrentar Donald Trump nas eleições de 3 de novembro. Por ora, ainda há esperança de que um moderado possa ter bom desempenho na Super Terça, em 3 de março, quando haverá primárias em 14 Estados.

Mas Sanders tem apresentado uma performance consistente, com apoiadores jovens preocupados com a mudança climática, trabalhadores interessados em obter assistência médica e um salário mínimo de 15 dólares por hora e uma classe média baixa que tem de arrumar dois ou mais empregos para pagar as contas no fim do mês.

Os moderados dizem que a candidatura de Sanders, se confirmada, polarizará ainda mais a eleição americana. Ele e Trump despertam paixões nos extremos do espectro político norte-americano.

Eleitora de Trump, Candi não quis dar o sobrenome na entrevista enquanto comprava um café ontem de manhã num hotel de Las Vegas. Na faixa dos 40 anos de idade e da área de assistência odontológica em San Diego, Califórnia, ela se disse fã do presidente americano, que “é um homem de negócios fazendo um grande trabalho”. Ela afirmou que não deseja “lutar pelos próximos dez anos para que a América (EUA) não vire comunista”.

Candi considera Sanders um socialista que vai interferir nos direitos de propriedade e de escolha dos americanos. Segundo ela, os jovens estão iludidos com Sanders, que não diz de onde vai tirar o dinheiro para cumprir suas promessas.

De tarde na represa Hoover, uma linda hidrelétrica em estilo art déco na fronteira entre Nevada e o Arizona, Wayne Adams, 67 anos, dava o seu passeio tradicional de moto aos domingos. Ele disse que tem vontade de vomitar quando vê Trump na TV. Acredita que Bernie Sanders pode cobrar mais impostos dos mais ricos para cumprir suas promessas e que a proposta de um “New Deal Verde” (Green New Deal) é uma necessidade para salvar o planeta e mudar a matriz energética americana.

Wayne Adams trabalhou durante 31 anos como fornecedor de concreto para a construção de cassinos em Las Vegas. Disse ter visto a morte de 13 operários nessas empreitadas. Segundo ele, Trump governa para os ricos e está destruindo a liberdade nos Estados Unidos.

Eleitores típicos de Trump e Sanders, Candy e Wayne mostram que o debate na campanha americana tende mesmo a ser mais quente do que há quatro anos, quando a candidata democrata foi a senadora Hillary Clinton.

*

Efeito global

A Bolsa de Nova York está em queda por causa do impacto do corona vírus na Itália e na Coreia do Sul. Há temor de que a doença se espalhe por grandes economias e afete o crescimento mundial em 2020. Se a economia mundial crescer menos, sobretudo a China, o Brasil será prejudicado.

Crescem as dúvidas sobre a forma como a China está lidando com o vírus. É consensual a avaliação de que o impacto da doença deverá ser maior do que o da gripe aviária em 2004, porque a participação da China na economia mundial é maior agora do que no começo do século.

Por ora, o corona vírus tem tido pouco destaque na campanha eleitoral americana, mas é um tema que tende a ganhar importância. A forma como o governo Trump lidará com uma ameaça crescente também deverá ter desdobramentos político-eleitorais.

Ouça o comentário feito hoje no “CBN Brasil”:

Comentários
4
  1. Roberto disse:

    O Sistema não permitirá que Bernie seja candidato. Os Democratas preferem ver Trump reeleito do que ver Bernie Sanders presidente.

  2. walter nobre disse:

    Kennedy, o Bernie caminhará como um páreo duro estre os democratas, seu discurso convence a distância, eleitores jovens compram a intenção, mas ninguém pode afirmar que o Trump não tenha uma confiança acima da média; acredito que o Bloomberg seja o candidato perfeito para enfrentar o presidente, mas seu discurso é fraco, mesmo com tantos recursos empregados em sua campanha; enfim ainda temos muita lenha para queimar, teremos que aguardar mais estados. A questão do corona vírus neste momento, mesmo porque não é ainda o assunto central na campanha, já esta beneficiando o Trump, já que não deu mole para a China, que precisa de muita ajuda, tende a ceder aos caprichos do atual presidente. A China terá que adiar suas intenções na tecnologia, permitindo um acordo “espúrio” ao gosto do freguês na América. Acredito que outros Países como o Brasil terão melhores abertura neste instante com os Chineses.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2020-04-06 23:40:55