aki

cadastre-se aqui
aki
Política
29-07-2019, 20h08

Bolsonaro cometeu crime comum ou de responsabilidade

Presidente diz saber como morreu desaparecido político de 64
5

Kennedy Alencar
BRASÍLIA

O presidente Jair Bolsonaro cometeu hoje um crime comum ou de responsabilidade ao falar do desaparecimento de Fernando Santa Cruz, pai do atual presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Felipe Santa Cruz.

Um presidente da República não pode se comportar com tanta irresponsabilidade, pequenez e vilania. Ao falar do caso Adélio na manhã de hoje, Bolsonaro atacou gratuitamente o presidente da OAB e a memória do pai dele, desaparecido na ditadura militar de 1964.

De tarde, o presidente da República conseguiu piorar o que já havia dito. O presidente, que afirmara de manhã saber como o pai de Felipe havia morrido e que poderia contar tais circunstâncias ao presidente da OAB, insinuou de tarde que houve justiçamento por traição. Militantes de esquerda que lutaram contra a ditadura teriam assassinado Fernando Santa Cruz.

Bolsonaro agrediu a memória de Fernando Santa Cruz e, de acordo com a Comissão da Verdade e documentos oficiais, mentiu. A Comissão da Verdade concluiu que o pai do presidente da OAB foi morto por agentes do Estado brasileiro.

Por que Bolsonaro cometeu crimes comum e de responsabilidade?

Se sabe mesmo como Fernando Santa Cruz desapareceu, tem de contar, sob pena de acobertar um crime, escondendo informações. Nesse caso, trata-se de crime comum. A PGR (Procuradoria Geral da República) poderia tomar providências.

Se não sabe ou se mentiu, como é o padrão da maior autoridade pública do país, Bolsonaro agiu com leviandade e crueldade que ferem o decoro do cargo.

A lei 1.079 de 10 de abril de 1950, a Lei do Impeachment, define crimes de responsabilidade do presidente da República e ministros de Estado. No artigo 9º, que versa sobre “crimes de responsabilidade contra a probidade na administração”, o inciso 7 prevê o seguinte: “proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo”. Nesse caso, ocorreu um crime de responsabilidade.

O impechment é um processo político e jurídico. Hoje, no Congresso, não há clima para derrubar o presidente da República. Bolsonaro tem a sorte de que Rodrigo Maia (DEM-RJ) está sentado na cadeira de presidente da Câmara. Dilma Rousseff teve o azar de ver Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ocupar tal posição.

Logo, falar em impeachment é irreal nas atuais condições de temperatura e pressão no Parlamento. Mas é importante não normalizar absurdos. É assim que as democracias morrem.

*

História do Brasil

As Forças Armadas ainda vão pagar um preço alto em termos de imagem. Ancoradas na Lei da Anistia, que permitiu a militares fugir da responsabilização por crimes de Estado, Exército, Marinha e Aeronáutica poderiam ter feito um mea culpa político a respeito da ditadura de 1964.

Mas preferiram, por contrariedade com a Comissão da Verdade, jogar a favor do impeachment de Dilma. E agora, associaram sua imagem àquele que o general-presidente Ernesto Geisel julgava um “mau militar” e que age com vileza na Presidência da República. A opinião de Geisel sobre Bolsonaro consta do acervo da FGV (Fundação Getúlio Vargas).

Ouça o comentário feito hoje no “Jornal da CBN – 2ª Edição”:

Comentários
5
  1. JOÃO BATISTA DA CAMARA disse:

    Lastimável o comportamento do Bolsonaro.
    Eu me sinto um idiota em ter votado numa pessoa tão centralizadora e cruel.
    Está querendo destruir toda uma classe de empresários e empregados, quando sugere que para se tirar habilitação não deveria ser obrigatório aulas de legislação e treinos práticos ministrado por instrutores capacitados, supervisionados por um diretor, todos formados em cursos especializados, de acordo com a legislação.
    Eu, como proprietário de um CFC estou aflito com a notícia, pois caso seja implantado o que ele deseja não teremos mais faturamento que possibilite arcar com os custos de prestações dos carros e indenização dos funcionários, Estarei literalmente falido. Terei jogado tudo que lutei durante mais de quarenta anos de trabalho na urna, ao votar nesse megalomaníaco.

  2. Fábio Mendes de Aragão disse:

    Direto e objetivo como sempre.

  3. Jonatas disse:

    Kennedy não é o primeiro crime de responsabilidade de Bolsonaro,vou elencar 8 em 6 meses:
    1-Na visita ao Estados Unidos na sede da Cia ,conspirou para a invasão da Venezuela;
    2-No carnaval enviou no Twitter video pornográfico ,o famoso golden shower;
    3-Demitiu fiscal do Ibama por tê-lo multado pescando em área proibida em Angra dos Reis;
    4-Comemorou o golpe de 64;
    5-Pediu para Onix Lorenzoni para não liberar recrusos para o Estado do Maranhão ,para prejudicar o estado ,porque não gosta do governador;
    6-Chingou os nordestinos de forma pejorativa de “Paraibas”
    7-Discrimou o jornalista Glenn de forma homofóbica e ainda deu voz de prisão para Glenn ,dizendo que seria preso no Brasil;
    7-Atacou covardemente o presidente da OAB

  4. mano disse:

    prezados: eu pensei que o Brasil havia virado a página do autoritarismo, mas as instituições são muito frágeis: Congresso está de joelhos, STF além de ferir a lei penal, perdeu poder no momento em que autorizou a prisão após julgamento em 2ª grau de jurisdição, Juízes e procuradores do MP desviaram função constitucional. Militares participam diretamente do poder executivo e opinam quando acham conveniente. Expoentes (poderia citar nomes) da política que lutaram contra o regime militar e apoiaram a redemocratização estão omissos diante do abuso de poder do presidente da república.

  5. valmir de jesus lima disse:

    crime comum, ele comete todos os dias, esse, é de responsabilidade civil.

Deixe uma resposta para mano Cancel reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2019-12-14 16:17:04