aki

cadastre-se aqui
aki
Política
17-05-2019, 7h23

Bolsonaro é um líder que só desqualifica debate público

Presidente ofende jornalista; ele costuma atacar mulheres
5

Kennedy Alencar
LONDRES

Se uma liderança importante desqualifica o debate público, obviamente nivela a discussão por baixo. É exatamente o que vem fazendo o presidente Jair Bolsonaro, que se revela um líder desqualificado que só faz desqualificar qualquer debate sério que a sociedade brasileira queira fazer.

O último exemplo foi mais um ataque à imprensa feito ontem de forma geral e particular. Bolsonaro disse que a mídia tem interesse em chegar a ele por meio da investigação do caso Fabrício Queiroz.

Contrariando o discurso de campanha, o presidente também bateu no Ministério Público do Rio de Janeiro. Ora, com a plataforma eleitoral que apresentou no ano passado, Bolsonaro deveria apoiar a investigação, que, aliás, está longe do padrão de velocidade da Lava Jato.

Mas o pior do dia foi atacar a jornalista Marina Dias, da “Folha de S.Paulo”, que fez pergunta pertinente sobre cortes na educação. Leia aqui a reportagem de Marina sobre o episódio, mais um no qual o presidente agride uma mulher. Aliás, ofender mulheres é uma constante na carreira política de Bolsonaro.

*

Cadê a TED?

Bolsonaro disse que ontem poderia até abrir o seu sigilo bancário. Ora, ele deve resposta a uma única pergunta: como emprestou R$ 40 mil para Fabrício Queiroz? Teve TED, DOC ou foi em dinheiro vivo mesmo?

Como indagou Ciro Gomes, cadê a TED?

*

Ficha caiu

O mercado financeiro finalmente se deu conta da enrascada em que se meteu. Bolsonaro é uma aventura na política brasileira. Isso era claro e sabido desde o ano passado, mas agora a ficha caiu: dólar acima de R$ 4,00 e Bolsa no patamar dos 90 mil pontos.

*

Lua de mel jogada fora

A alta do desemprego é resultado direto da piora das expectativas econômicas, o que é obra direta de Bolsonaro. Em menos de cinco meses, o governo conseguiu transformar otimismo em pessimismo.

*

Missão dura

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que o Congresso aprovará a reforma da Previdência mesmo com o governo jogando contra. Maia cumpre um papel de “primeiro-ministro” sensato. Mas a realidade é dura: o governo pode atrapalhar muito, exatamente como vem fazendo com sua desarticulação política.

Ouça o comentário feito ontem no “Jornal da CBN – 2ª Edição”:

Comentários
5
  1. Ricardo Lucarelli disse:

    Com todo o respeito mas já era previsto estes desgoverno. Somente ver a trajetória do Bolsonaro, desde os tempos do exército, onde foi insubordinado e não foi expulso por intervenção do Gen Villa Boas e sua atividade na câmara aos longos dos 27 anos. Nunca fez nada e ainda colocou a família toda na política. Ficou 27 anos e não aprendeu nada, economia, cultura, civilidade, meio ambiente, etc. Agora temos este ser medíocre como presidente.

  2. CID disse:

    Interessante reflexão Kennedy, adoro o seu trabalho!

  3. wellington ricardo alves disse:

    Precisamos de pelo menos 500 mil Kennedys… Para com simplicidade os quadrúpedes bolsonaristas entenderem como foram cair no golpe político mais conhecido: o estelionato!!!!

  4. José de Arimateas Sousa Nunes disse:

    Certo estava e está o Nordeste brasileiro ao não apoiar Bolsonaro. Quero ver agora a cara daqueles que disseram que o Nordeste “não sabia votar” e que nós éramos um “bando de burro”. E agora?Agradeçam a Deus nós sermos o reduto da resistência, camaradas… KKKKKKK #soumaisnordeste

  5. walter disse:

    Kennedy, fui reprovado, espero sua aprovação; seria razoável qualquer critica ao Bolsonaro, sem incluir problemas herdados; desde o primeiro dia, não tem cacoete para tolerar perguntas retóricas; tentam desqualifica lo, distorcendo fatos; basta ver as notícias, nos inúmeros meios de comunicação; chegam a mentir, sugerindo pauta, para difama lo…sobre a FOLHA, sempre o atacou sem dó, desde a campanha; com exceção as provocações, da Maria do Rosário…trata se de um ser humano, fazer perguntas descabida causa; vc é um jornalista de primeira, lembro me na sua entrevista a dilma; segurou a onda, depois de tantas abobrinhas, á época…a questão Queiroz, não se pode queimar etapas, se o Flavio tem dividas, a justiça deve cobra lo; a crise fora, eleva o Dólar, e desemprego, causando a reforma, em pauta; O Maia vai aprovar a previdência, por não ter saída, vai trabalhar sem barganha. Já repassei recursos maiores em dinheiro; não há lei que obrigue a fazer transferência, todos sabe disso.

Deixe uma resposta para walter Cancel reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2019-09-19 05:29:23