aki

cadastre-se aqui
aki
Economia
20-11-2018, 0h03

Bolsonaro limita alcance de privatização da Petrobras

Presidente eleito diz que empresa é "estratégica"
9

KENNEDY ALENCAR
SÃO PAULO

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, deu carta branca para o economista Paulo Guedes formar a equipe econômica de cunho liberal que tanto agrada ao mercado financeiro. Até admitiu privatizar parte da Petrobras.

O economista Roberto Castello Branco, da FGV, foi indicado para comandar a maior estatal do país. O mercado financeiro recebeu bem o nome de Castello Branco porque adora uma privatização, da qual o economista é entusiasta, apesar do cuidado no discurso inicial.

Mas Bolsonaro falou hoje a palavra mágica. A empresa é “estratégica”. Ou seja, não será completamente privatizada. Deverá haver uma queda de braço entre aqueles que desejam privatizar e os que pretendem manter a Petrobras e o setor elétrico sob controle do Estado.

Um nó fundamental: definir o tamanho da fatia que ficará estatal petrolífera e daquela que poderá ser vendida.

*

Previsão furada

O vice-presidente eleito, general da reserva Hamilton Mourão, afirmou que metade dos médicos cubanos deverá permanecer no Brasil. Parece mal-informado.

No governo Temer, há alarme em relação ao programa “Mais Médicos”. Sem os cubanos, cerca de 20 milhões de brasileiros deverão perder assistência médica básica. O Ministério da Saúde lançou edital para tentar contratar 8.500 médicos, mas sempre há resistência de doutores brasileiros a trabalhar nos rincões do país.

*

Questão de justiça

Auxiliares de Temer querem sugerir ao novo governo que cobre uma contrapartida dos beneficiários do Prouni e do Fies. Eles deveriam passar dois anos no interior do Brasil dando assistência médica como retorno à ajuda estatal que obtiveram.

Justo, mas o mesmo deveria valer para todos os estudantes de universidades públicas federais. Ou seja, “Mais Médicos” na mesma dose para todos os doutores.

*

Retrocesso internacional

Bolsonaro sugeriu hoje eventual revisão da nova Lei de Migrantes. O Brasil assinou tratados internacionais recentemente se comprometendo com uma política progressista. Logo, há mais potencial de mais dano externo provocado pela futuro governo.

*

Vergonha federal

Juízes e procuradores voltaram a defender o indefensável. Querem um reajuste de 16% para seus salários num momento de grave crise fiscal. Abocanhar recursos públicos na melhor tradição patrimonialista brasileira é uma forma de corrupção.

Ouça os comentários feitos hoje no “Jornal da CBN – 2ª Edição”:

Comentários
9
  1. BRAGA BH disse:

    A peleja de Bolsonaro com os médicos cubanos foi uma grande barbeiragem. Ele, falastrão como nunca se viu, de maneira tempestuosa e sem conhecer os números do programa falou um monte de asneiras, Cuba mandou que seus funcionários regressassem ao seu país de origem dando uma banana para o presidente eleito. Se fosse inteligente e agisse com comedimento, Bolsonaro após assumir a presidencia poderia questionar o contrato e tentar um acordo com Cuba. Da forma que vez só podia dar merda mesmo! Agora, colocar recém formandos no atendimento em lugar dos médicos cubanos é mudar a regra do jogo com a partida já iniciada. Se os próximos profissionais forem apresentados a esta condição quando iniciam seus estudos, nada mais justo! Mas no final já é sacanagem!

  2. Caio Teixeira de Freitas Junior disse:

    “Retrocesso internacional”
    Relembrando algo importante e fundamental: Bolsonaro foi eleito com a maioria (54%) dos votos válidos, que é a norma constitucional. Logo, sua política externa foi aprovada pela maioria dos eleitores e ele tem sim legitimidade para promover alterações na política externa atual.
    A ditadura venezuelana instalada em várias etapas com complacência e colaboração do Brasil, o entreguismo de propriedades brasileiras a países bolivarianos e investimentos em países africanos que não tinham capacidade de honrar os empréstimos de nossos escassos recursos indicam que a política externa adotada até aqui não é imune a críticas.
    Aliás, sua falta de espírito crítico em todo este tempo,, enunciadas em programas como “A Política Como Ela É” foi o que levou à eleição de um ser como Bolsonaro

    • walter disse:

      Caro caio, concordo contigo; esta eleição tem a satisfação explicita dos brasileiros, cansados de sofrer, e de serem enganados; em maioria, votamos no Bolsonaro, por falta das verdades, principalmente na esquerda; além de nada ter feito pelo País, permitiu desvios Bilionários, ao longo de 15 anos…não há magica, teremos novos tempos sim; ouvia dizer em muitos governos, que o remédio seria amargo, como foi sempre; não avisaram que seria purgante…jamais conseguiram nos últimos anos, colocar o Brasil, a crescer; não há argumentos para criticas, teremos que permitir, as mudanças, que há principio são coerentes…costumo afirmar: “se este governo novo, fizer 50% do que se propõe, estaremos bem encaminhados”…tentar criar obstáculos, sem se quer tomar posse o novo presidente, é no minimo um golpe baixo…Deus é brasileiro, as coisas em nosso País, só acontecem por acaso…

    • Alberto disse:

      Corretíssimo caro sr Caio Teixeira de Freitas Junior.Cumprimentos.

  3. jose disse:

    O presidente do STF quer protagonizar um pacto considerando que tudo o que ocorreu nos últimos dois anos foi constitucional, tais como grampo telefônico à presidente da república, condenação sem prova, trabalho análogo à escravidão, senador pego pedindo propina e a propina sendo entregue e continua solto. Mais uma vem o STF quer se meter onde não é a sua função e não faz a sua obrigação de defender o cumprimento da cosntituição. E ainda faltam assumir a presidência, o careca do Temer e o que mata a bola no peito, aquele que Dirceu chamou de charlatão de toga. Quem acha que já viu tudo vindo desse judiciário, espere pra ver ao longo desses quatro anos de chumbo grosso. O moleque já disse como pode fazer pra colocar um cadeado na porta do STF. Fará falta? Pelos sobrarão meio bilhão de reais do orçamento incluindo sala vip, garçons, aliás, essa repartição pública tem mais garçon do que muitos restaurantes em Brasília.

  4. […] Fonte: Bolsonaro limita alcance de privatização da Petrobras […]

  5. J K disse:

    Meu critério de desempate é o número de vagas de emprego abertas. E nesse tema, a BR pode ter papel importante. Inegável que a causa maior dos problemas hoje é a falta de salário. De tal forma que RETOMAR as obras do Comperj até sua conclusão pode ser um ponto de partida muito importante para a economia fluminense. No NE se dá o mesmo. Refinaria esperando conclusão da obra.

    Espero que se empenhem em transformar esses elefantes brancos em elefantes -da-Savana. Se a BR é tida como empresa estratégica para a Segurança Nacional urge atacar os cercosdefavelas que às suas bases tem sido empreendidos..

    Resolverão vários problemas ao mesmo tempo.

  6. J K disse:

    Mais médicos: eu não li o edital mas concursos públicos normalmente indicam o número de vagas em cada localidade. Não seria o caso de, no ato de inscrição o candidato escolher 2 ou até 3 locais onde aceitaria trabalhar? Constar também no chamamento público a obrigação de permanecer 5 anos no local, sem possibilidade de pedir transferência e no caso de abandono ser exonerado e não poder concorrer a outro cargo,público nos próximos 10 anos. Estaria em linha com o pensamento do novo governo, de não permitir que “espertos” usem do p.p. como trampolim

  7. walter disse:

    Kennedy, o Bolsonaro esta fazendo a lição de casa com cuidado; é evidente que existem gargalos na Petrobras; devem sim ser privatizados, mesmo sendo uma empresa estratégica; O Economista Roberto castelo Branco, é uma ótima escolha, terá que seguir o presidente, mas terá carta branca, para avaliar, o que de fato vale a pena manter na ali…Quanto ao mais médico, deverá ser conduzido, com a forma determinada por Cuba, desmerecendo o País em que estão; quem quiser sair, deverá seguir, teremos estes espaços ocupado rapidamente; devemos agradecer o governo temer, que não perdeu tempo…o presidente, não cansa de afirmar, não assumiu, mas fará mudanças, e qualquer questão, que fragilize nossa soberania; bem como, qualquer outras medidas que forem necessárias…esta questão dos ajustes, foi provocada, pelo STF através, do sr Toffoli, com isso, todos os poderes vão se assanhar; estamos nas mãos do Temer; quem sabe o presidente novo, tenha outro caminho, após a posse, para vetar estes aumentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2018-12-18 23:02:28