aki

cadastre-se aqui
aki
Política
15-08-2019, 6h40

Bolsonaro recusou pedido de Moro para indicar Dallagnol à PGR

Presidente não confia no coordenador da Lava Jato
3

Kennedy Alencar
RIO DE JANEIRO E BRASÍLIA

O presidente Bolsonaro recusou pedido do ministro Sergio Moro (Justiça) para indicar Dallagnol para procurador-geral da Repúbilca a fim de substituir Raquel Dogde. Após esse bastidor contando com exclusividade no “Jornal da CBN – 2ª Edição, continuei a apuração.

O pedido foi anterior às revelações da “Vaza Jata”, que mostraram a corrupção do sistema judiciário e o modus operandi ilegal das ações de Dallagnol e Moro na força-tarefa da Lava Jato. Ambos comportaram-se como justiceiros e extrapolaram os seus poderes funcionais. Isso está mais do que provado com uma série de reportagens de veículos sérios da imprensa brasileira e jornalistas profissionais que compartiharam o arquivo do “The Intercept Brasil”. Houve uma corrupção do sistema judiciário.

No começo da Vaza Jato, de junho para cá, Moro voltou à carga. Insistiu em Deltan Dallagnol e ouviu um não. Bolsonaro teme, segundo auxiliares, ser vítima de inquérito e denúncia proposto por Dallagnol para tirá-lo do jogo eleitoral de 2002. Apurei essa informação em face de pergunta da jornalista Évelin Argenta. O poder dupla Moro-Dallagnol assustou Bolsonaro e aliados próximos.

*

Humilhação de graça

Perdeu força a possibilidade de Raquel Dodge ser reconduzida à chefia da PGR. Ela conta padrinhos fortes: os presidentes do STF, Câmara e Senado _respectivamente Dias Toffolli, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre.

Dodge procurou criar pontes com a primeira-dama, Michele Bolsanaro. Humilhou-se na percepção de colegas da PGR. Caiu muito a chance de recondução de Dodge por tomado medidas contra Eduardo Bolsonaro.

Hoje, o subprocurador-geral da República, Augusto Aras, é o favorito. Mas Mario Bonságlia, vencedor da lista tríplice da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores do Brasil), teve boa conversa recente com Bolsonaro.

Um ministro brinca que Bolsonaro se reuniu cerca de 10 vezes com Aras, mas pode tirar um nome do bolso do colete. Aras já teve boas relações com o PT. E isso o desgastou apesar das promessas de jogo leal entre PGR e o Palácio do Planaltro.

Mas Bolsonaro pode surpreender. Ele é assim. Já disse que não vai mudar. E adorar qualificar informações de qualidade como se fossem fake news.

Ouça esse comentário a partir dos 2 minutos e 43 segundos no áudio abaixo:

Comentários
3
  1. walter nobre disse:

    este caso ainda não esta sacramentado Kennedy; existe duvidas ao bolsonaro, sobre alcance interno do indicado; quem sabe permaneça a Dodge, por ter sido providencial neste instante; Nada condena o Dallagnol, pode ser que na PGR possa ter maiores dificuldade na condução da Lava jato; de qualquer maneira as espionagens não são influencias negativas ao procurador, já que são ficticias, não existe lógica em usar mentiras forjadas por um hacker…a duvida do presidente é bem maior, quem de fato fará um trabalho isento, sem qualquer descaminho por influencias danosas; pode surpreender sim, já que seus caminhos são heterodoxos, quando propõe nomeações principalmente…

  2. […] de negar publicamente, Moro foi quem interveio nos bastidores a favor de Dallagnol e ouviu a negativa. O ministro da Justiça deu corda à quebra da […]

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2019-09-20 03:20:26