aki

cadastre-se aqui
aki
Entrevistas
23-05-2014, 12h10

‘Brasileiro cordial virou meio truculento’, diz Barroso

Ministro afirma que as instituições políticas ainda não foram capazes de atender todas demandas sociais
36

Em entrevista ao SBT, o ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso disse que o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, virou uma “obsessão nacional”. Para Barroso, “quando existe ódio na sociedade, é preciso que um juiz independente e corajoso faça o que é certo”. Barroso, que votou para absolver Dirceu e outros sete réus do crime de formação de quadrilha no julgamento dos recursos do mensalão, afirmou que a pena foi “claramente desproporcional”. O ministro criticou o sistema penitenciário brasileiro, que é, na visão dele, “um desastre”. Barroso afirmou ainda que o sistema penal “é duro com os pobres e manso com os ricos”. O ministro defende o fim do foro privilegiado de autoridades _ expediente que tem sido usado para livrar parlamentares de julgamento no STF ou para inviabilizar investigações de instâncias inferiores.

Veja a íntegra da entrevista:

Comentários
36
  1. Fábio de Oliveira Ribeiro disse:

    Brasileiro cordial sempre foi um mito. Os brasileiros despedaçaram índios na boca do canhão, chicotearam e acorrentaram negros-coisas, degolaram miseráreis em quase todas a rebeliões populares ocorridas durante o período colonial e imperial. O regime republicano degolou nordestinos em Canudos e maragatos no Rio Grande do Sul durante a revolta federalista. Brasileiros torturaram prisioneiros políticos na década de 1930 e na de 1960. A cordialidade nunca foi a regra no trato entre brasileiros.

  2. Ronaldo disse:

    Esse mito de sociólogo do passado já foi ridicularizado a décadas e hoje ninguém duvida do brasileiro racista e sanguinário que paga feliz par ver a desgraça alheia e dispensa a visão da felicidade de outrem. O nobre Ministro, considerado um dos grandes juristas da atualidade, já começa, como todos que passam da teoria à prática a titubear na aplicação de princípios que tão bem equacionou em suas obras e até a usar o discurso inocente dos que parecem se surpreender com fatos à décadas consumados, como se a atitude emanada do senso comum, tivesse mais a ver com a mudança de postura da população do que com a atitude muitas vezes incompreendida de quem executa as leis, interpretando-as de maneira a atenuar atos que a leigos aparentam gravidade maior do que a que lhes foi atribuída.

  3. Max disse:

    talvez isso seja porque desde 1500 nunca existiu escola nem educação no brasil, só fachada pra bobo e ignorante se achar melhor do que os outros.

  4. Gilmar brenga disse:

    De tanto ver a corrupção ser tratada como virtude, de tanto ver bandido ter mais valor que o cidadão de bem, de tanto ver o próprio governo roubar os aposentados, de tanto ver a impunidade em relação a menores assassinos, de tanto ver vagabundos ser sustentados por quem trabalha e faz a riqueza do país, de tanto ver o dinheiro dos impostos ser jogado no lixo, de tanto ver que a honestidade não tem valor nenhum e a safadeza é que tem valor, de tanto ver que a meta do governo é formar coitados e não cidadãos com discernimento e formador de opinião, de tanto ver que hoje os três não são mais confiáveis, de tanto ver a falência das instituições públicas o brasileiro deixou de ser cordial e agora exige o retorno dos militares para moralizar o país novamente.

    • Rodnei disse:

      De tanto ouvir bobagem, a gente acaba não prestando atenção nas concluso~es equivocadas. Militares são excelentes naquilo que estão preparados para fazer. Na política é a sociedade que deve se entender e decidir (para o bem ou para o mal). Chega de tentar repassar a nossa responsabilidade para militares ou luminares. A história já mostrou que militares no comando não é opção.

      • Willian disse:

        Justamente a sociedade que tem feito as merdas que estamos vendo??? Qual a opção?

      • Luís Roberto disse:

        Rodnei: “a sociedade que deve se entender e decidir” só funciona nos antigos livros de “ESTUDOS SOCIAIS”… o povo já percebeu que mesmo na tal democracia, somos todos “marionetes” do sistema.. e a VOZ do Povo nunca foi (e pelo jeito nunca será) levada a sério. Elegemos políticos que, quando estão lá, pouco fazem em prol da decisão e do entendimento de quem os elegeu. Quem é “podre” continua no esquema, e quem é limpo nada consegue fazer. Então, está tudo errado SIM e quando é necessária uma limpeza, os Militares são mais do que especialistas. Estamos perdendo o encanto com o sistema político brasileiro. Quem sabe não é hora de voltar a dar a Coroa ao Rei ??????

    • Helio dos Santos disse:

      Exatamente. Isto é a realidade.

  5. Jose maria disse:

    Todos os países tiveram seus momentos de barbáries. Entretanto, com o passar do tempo, alguns, do primeiro mundo, principalmente, com esmerado incentivo a educação são hoje países de população pacífica. Tudo depende da eficiência governamental, e isso, nós não temos. Dai…

  6. Ronaldo Silva disse:

    Boa tarde.
    Esse mito é o que é: um mito. O brasileiro sempre foi, isso sim, relaxado em suas relações. Não há cordialidade quando uma pessoa fura uma fila ou quando invade a faixa de pedestre. O brasileiro nunca foi cordial, mas sim, despreocupado com a demonstração de comportamentos corretos. Para que pedir licença, dizer obrigado, dar o lugar. As elites sociais e econômicas são distantes e egoístas, o povo é deseducado e grosseiro. Há exceções, obviamente, mas em regra geral, precisamos melhorar muito para termos relações cordiais entre nós.
    Tudo de bom.

  7. Rose disse:

    Brasileiro cordial! Isto foi em 1500, com os índios.

  8. Amaury disse:

    Sem o PT, o Brasil é uma atraso contínuo.
    Só o PT pode avançar o Brasil a trancos e barrancos…

    • Denise disse:

      Meu caro Amaury, o PT é a razão de toda a desgraça que acontece neste país no momento em questão. Nunca foi tão atual o pensamento de Ruy Barbosa:”De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.”

      • José Francisco disse:

        Denise excelente seu comentário fazendo alusão a frase de um dos
        maiores juristas brasileiros. Concordo com você em
        gênero, numero e grau. Parabéns!

    • Expedito Salomão Filho disse:

      A trancos e barrancos, não !!! A trancos e Barrosos !!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  9. Danton Robespierre Machiavelli Mirabeau disse:

    Ministro “morde e assopra”. Virou moda, de uns tempos para adiante, suas excelências formalizarem uma atitude nos suntuosos gabinetes refrigerados de Shangri-Lá, quando atuam em colegiado; agora, quando a “batata tá assando”, vêm com essa dúbia explicação sobre a cordialidade do brasileiro. Ou se é jurista ou se é sociólogo. Magistrado é para aplicar a Lei. O brasileiro é cordial sim! Todas as exacerbações acima fugiram ao controlo, incluso o texto. Pelo menos a minha geração foi cordial. Bossa Nova, Hi-Fi, “cuba-libre”, “jovem-guarda”, “Pato Donald”, “Dois na Bossa”, “Noites de Gala”, chica-bom, jogos da Primavera, Paquetá, Quinta. Etc. A partida entre as seleções do Brasil e do Paraguai, em 1969, lotou o Maraca com 200.000 expectadores, dando-se o mesmo com o Fla-Flu, de 1963, isso para não falar do maracanaço, de 1950. Brigas? Talvez umas poucas. Como se forjar um comportamento cordial para o adulto, se a infância se desperdiça diante da TV, onde abunda a violência e isso em Inglês. Jovem ainda, estudante, fazia bicos nos férias, quando embarcava na Central do Brasil, uma ou duas horas da madrugada, sem traumas. Hoje, o último trem sai às 22 horas, com todos tremendo de medo. Alguém aí em cima disse que os europeus tornaram-se cordiais. Sabe nada, inocente! Não vê que o Putin incorporou o cabôco teuto-germânico, e vamos que vamos. A Polônia da vez é a Ucrânia. FEB, ressurja das cinzas, qual PHOENIX, e prepara os teus bravos Pracinhas, agora adequadamente!

  10. Luiz disse:

    Que vergonha de gente deste tipo!!!

  11. João Alberto Afonso disse:

    O amigo, truculento é esse cidadão atuando do STF para absolver os mensaleiros.

  12. BRASILEIRO CONTINUA " CORDIAL " ... NÃO, IDIOTA, IMBECIL, TROUXA, BABACA!!! disse:

    O brasileiro não está deixando de ser cordial, apenas está deixando de ser idiota, imbecil, trouxa, babaca.
    Assistir a uma tropa de choque montada para defender condenado ” Padrão Fifa ” do nojento escândalo do Mensalão;
    assistir a um Congresso Nacional quase que totalmente corrupto, que legisla em causa própria e em favor de ” ladrão Padrão Fifa “;
    assistir à maioria dos membros do Congresso Nacional empenhada em ” embaçar ” investigações sobre supostas irregularidades envolvendo bilhões de reais dos cofres públicos ( como o caso Petrobras e muitos outros ), para proteger ladrões e ( ou ) incompetentes;
    assistir à maioria dos membros do Congresso Nacional sempre empenhada em proteger seus membros da cadeia e da perda de mandato, quando todos os fatos demonstram que o tal é corrupto, ladrão, desonesto;
    assistir a um genocídio de brasileiros pela ineficiência do SUS, sabendo que os brasileiros trabalham 5 meses do ano só para pagar impostos;
    assistir a um bando de incompetentes patrocinando uma copa de futebol onde milhões de reais são gastos, havendo tanta carência nas áreas de Saúde, Educação, Segurança Pública, Saneamento Básico, só para citar algumas.
    Isso tudo sem falar nas absurdas desproporções salariais no país, tipo:
    Um político em cargo eletivo ou nomeado, um juiz, um promotor, em relação a um professor, a um médico, a um gari.
    Com tanto absurdo, dá para continuar sendo ” cordial “, mas não idiota, imbecil, trouxa, babaca!

  13. Alex B disse:

    Acho temerário o que vem acontecendo nesse país, existe uma campanha diuturna do governo e facções esquerdistas em desmoralizar o judiciário, esse monte de ministro petista dentro do STF é parte desse plano, essa proximidade dos ministros com a mídia é prova disso, dizer criticando que a “decisão foi desproporcional” só mostra essa tentativa em desmoralizar o STF, é uma pena que isso esteja acontecendo, só o que nos separa de uma ditadura aberta é o judiciário e se este estiver fraco e corrompido por dentro aí só Deus sabe o que pode surgir. Esse papo de Dirceu pra lá Dirceu pra cá já encheu o saco, parece técnica de distração de massas, enquanto se fica perdendo tempo com esse besteirol, fatos e decisões importantes vem sendo tomadas: lei das palmadas, greves, liberação de maconha e muitas outras coisas que são apenas citadas na mídia; o povo fica entorpecido por essas técnicas de jogar fumaça e esconder o peixe, tudo que surge tem que ser visto com um olhar crítico, pois tudo nos dias de hoje tem objetivos camuflados que só pessoas perspicazes e atentas conseguem identificar.

  14. Raymundo disse:

    O brasileiro, na minha humilde opinião, não se tornou truculento. Mostra-se truculento, devido às respostas às provocações surgidas com os atos desmedidos do governo, nos gastos do erário, com projetos bilionários, enquanto o povo precisa de saúde, educação e serviços sociais com qualidade. As instituições estão voltadas para os interesses dos políticos e empresários. Na justiça, estes têm os benefícios da lei, que nunca leva um colarinho branco para ser trancafiado numa falida penitenciária, o mesmo ocorrendo com os políticos ladrões que existem no parlamento. Nem mesmo no TSE, estes políticos recebem tratamentos punitivos que possam interferir na continuidade de suas candidaturas para uma próxima legislatura. Como os brasileiros poderiam ficar de braços cruzados e não expor seus sentimentos em relação a todas estas mazelas?

  15. Pixinga disse:

    As classes dominantes no Brasil são autoritárias. O cordialismo esconde um paternalismo apoiado na violência das polícias. A mensagem é: faça o que eu mando e serei bonzinho com você. Fique contente com seu pouco que eu fico com o meu muito. Do contrário é tiro, exclusão, linchamento. Não entendo esse clamor pela volta da ditadura se a polícia ainda é militar! E é ela que que exerce a violência simbólica e de fato sendo muito bem paga pelas classes dominantes. No dia em que se começar a punir os corruptos em todos os níveis, inclusive nas polícias, aí a coisa vai começar a mudar e o cidadão comum vai poder acreditar em leis.

    • Gilmar brenga disse:

      Sr. pixinga, duvido muito que esse seja seu nome, mas vamos ao que interessa, o sr.esta errado quando diz que policia militar é o mesmo que Forças Armadas, para o seu saber, a própria p.m. tem medo que as Forças Armadas [ exercito, marinha e aeronáutica ] comandem o Brasil, porque sabem que vai acabar essa farra de corrupção na policia militar, o cidadão de bem nunca precisa temer os militares no comando, já os bandidos,ladrões, anarquistas, comunistas, sindicalistas e os espertalhões tem que ficar espertos, senão é cadeia mesmo.

  16. Lia Silva de Castilho disse:

    Penso que os réus deveriam trabalhar sim. O início das suas atividades laborais é que, no meu entendimento, deveria começar depois da Copa do Mundo… Além disso este benefício deveria ser estendido a todos os presos no Brasil. Inclusive para aquele coitado que está preso a 6 anos numa cadeia de Porto Alegre por ter roubado um chinelo (reportagem do SBT).

  17. fabio neri barros disse:

    O Sr. Luis Roberto Barroso, é um advogado que virou Ministro do STF. Trocou de carteirinha, de lado e de percepção. Hoje é um eminente ministro da política da Suprema Corte. E só!

  18. Katia disse:

    Nem vou comentar nada sobre esse senhor, pois corro o risco de vir a ser processada e presa, já que, como ele disse, a justiça penal é dura com os pobres e mansa com os ricos.

  19. Marcus wagner disse:

    Bom dia a todos estes nobres comentaristas.vejo tanta truculência no Brasil e me pergunto ,porque será, a copa ou politicagens da grande mídia brasileira que tentam de todas as forma cruéis destruir Image do brasil perante a todos os visitantes que gostam do nosso povo e brasil.Vamos imaginar que o brasil é nossa casa e vamos receber pessoas que a anos gostaríamos de receber, como receberemos estes nobres,(01) com falta de educação(2) com brigas sem fundamentos(3) com respeito e cordialidade,Claro que e com respeito e cordial idade, pois estes bem recebido virão e trará mais visitantes a nossa casa e assim seremos um povo aptos a receber mais e mais visitas e visitas, Estamos aí com esta mídia maldita que não ama nosso povo e sim seu próprio ego. O brasil não é este,o Brasil muita coisa boa para ser mostrada, o brasil tem muita gente boa, o brasil é lindo de ponta a ponta. Porque esta grande mídia não deixa o nosso brasil em PAZ.

  20. Luiz Mattos disse:

    O ano passado o governo do PT ficou surpreso com as manifestações nas ruas, hoje não mudou sua percepção dos fatos e ações, o brasileiro é cordial mas quando a carestia bate a sua porta o deixa de ser, para ser aquele que exige seus direitos conforme as próprias leis escritas na Constituição e que o Estado negligencia e omite.
    Direito iguais é pura balela.
    Acorda Brasil……..

  21. Luiz Carlos disse:

    Excelente a entrevista! Assisti a entrevista do Ministro Barroso também com o Mário Sérgio Conte.
    Parabenizo o Exmo. Juiz Barroso, por sua serenidade, por sua postura, e por sua independência.
    Quisera que alguns membros do STF tivessem também a mesma postura republicana de independência!
    A reforma política é como dizem; ” a mãe de todas as reformas” Já que a época de reivindicações, que tal cobrarmos dos candidatos à Presidência da República e ao Congresso Nacional uma reforma política urgente ?

  22. Eduardo Pereira disse:

    Respeito o ponto de vista alheio. Entendo que a palavra ¨cordialidade¨ foi confundida. Vivo fora do Brasil e a realmente somos muito diferentes. Brasileiro é sim cordial. (No significado simples da palavra)

  23. Marcelo disse:

    Parece-me ao ler as dezenas de comentários que todos tem sua razão, mas o centro da discussão é o de um “efeito” a truculência atual do brasileiro. Sim, atual, e portanto uma consequência a tudo que foi descrito das mazelas que hoje temos acesso. Acesso graças as diversas mídias. Vivam as mídias livres. Só com a imprensa livre e diversa, sem monopólios na comunicação tivemos condições de sabe das podridões estatais nunca dantes imaginadas. Então, as causas a olhos vistos, só mesmo poderiam desembocar no comportamento do “já deu…”, essa truculência é na verdade intolerância à injustiças todas. Todas as que foram aqui descritas pelos leitores. Intolerantes todos estamos ao sentir na pele o “custo Brasil” e sem o retorno mínimo. Pagamos não só tributos, pagamos com o estresse, pagamos com o medo de ficar doentes, de sair de casa para os afazeres, medo da injustiças da Justiça a qual realmente é só para ricos. Enfim as pessoas comuns, 98% da população está SOFRENDO. Está ficando doente. E antes da fase terminal sempre há uma reação do paciente, a reação é intolerância. Estamos intolerantes às autoridades e aos administradores públicos, intolerantes a tanta injustiça, intolerantes a incompetência pelo amadorismo de agentes políticos. A esperança terminou com Lula. Creio que foi o último herói, que agora depois de tantos escândalos, que se julgam como “não tem-se como provar a incompetência ou desonestidade ou crimes”, o que esperam como efeito ? Ora, intolerância acumulada, represada. Agora o represamento parece estar transbordando. E apesar de querer sempre acreditar que o Brasil vai ser um país melhor pra se viver, vemos dia a dia que só melhorou mesmo foi algum conforto material, o consumo, nada mais do que circo e pão. Tivemos tempos melhores. O aumento populacional em 100% em 30 anos leva agora o país ao caos que não tem como atender todos. E estamos agora vendo surgir um novo cenário: a iniciativa privada começa a mostrar o mesmo desprezo ao consumidor, como o Estado demonstrou. As empresas privadas não atendem as necessidades contratadas com seus consumidores. É um modelo cruel : Direito do Consumidor… Ah busquem seus direitos. Como assim ? Buscar direitos no Judiciário ? Isso tornou-se comum. Esconder-se atrás da Justiça lenta e para poucos. Não acredito em Brasil melhor. Pois vivemos um Brasil pior a cada novo dia.
    Brasileiros vamos nos respeitar. É o mínimo para não voltarmos à barbárie do olho por olho…

  24. O OBSERVADO disse:

    O que eu tenho visto e justiça para PPPP e impunidade para os outros.Ex. Azeredo sera julgado ate 2099 la em minas,aurruda numa boa,roubalheira nos trens só alegria,falta de água tem que engolir,TCE um corrupto la dentro trabalhando numa boa e 70 CPI arquivada, cacheira e seu pessoal numa boa e agora vem falar de justiça, justiça só para este pessoal ate exceção.

  25. Danton Robespierre Machiavelli Mirabeau disse:

    Escrevo, sim, sob pseudônimo, não que eu vá atentar contra a Ordem estabelecida, o que, verdadeiramente, não é e jamais foi do meu feitio. Os nomes componentes do aduzido pseudônimo fora m pinçados da História. Sobre Machiavelli, descobri a sua importância, sumamente intelectual, para a Humanidade no curso de Direito. Dado o meu acendrado entusiasmo em tentar assimilar fatos já transcorridos, mais precisamente o fascínio provocador da Revolução Francesa sobre um adolescente descobrindo o mundo, o que não se esvaiu com o peso dos anos, conduziram-me a essa atitude. Sobre o que afirmo adiante parecerá contraditório para muitos, qual seja o meu parecer favorável à restauração da Monarquia, porquanto aqueles quatro nomes foram determinantes para a derrubada de governo monárquicos, local e além-fronteiras. Não me considero inocente, e bem assim não acho inadequado a restauração monárquica. Sou livre para pensar nos limites, como livres sãos os que atentam contra o regime democrático propagando um Estado proletário, socialista/comunista, totalitário, ditatorial, etc. Pela profusão de nomes que se dá a um Estado de exceção, está a se ver que tal conjuntura não deu (sem o emprego de força e opressão contra os “súditos”) e jamais dará certo. Eis, então, sob a minha humilde ótica, que as nossas mazelas datam desde a substituição da Monarquia pela República. Ciclicamente, sendo bom ou não bom um Governo republicano, determinados grupos à margem dele logo o desestabilizam. Todavia, o mesmo se dá ainda que o Governo da vez não tenha um viés republicano/democrático. A partir do momento em que a Nação brasileira pactuar a sua verdadeira essência ideológica, de que viés for, em vez de ficar andando em círculos, caminhará reto para uma sonhada hegemonia no cenário mundial, o que não é nenhum favor, haja vista as suas potencialidades materiais e humanas.-

  26. Vinício Carrilho Martinez disse:

    Concordo plenamente com o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), ao afirmar que o brasileiro passou de homem cordial a um ser social truculento. Devemos pensar na série infindável de justiciamentos, grupos de extermínio e de linchamentos, com a justiça pública transformada em vingança privada. Na verdade esse negócio de homem cordial sempre foi muito mal compreendido no país, na academia e junto ao senso comum. O homo cordialis – na criação do tipo ideal do clássico pensamento da década de 1930 – nunca foi cordial no sentido tradicional da expressão e nem como quer acreditar a maioria – e nisto se inclui o nobre ministro e os demais críticos. Cordial vem de “cordis” e tudo acaba em coração, mas no Brasil sempre tivemos outro batimento.
    Para seu criador – o historiador Sérgio Buarque de Holanda, em Raízes do Brasil, na publicação de 1936: “Nossa forma ordinária de convívio social é, no fundo, justamente o contrário da polidez” (p. 147). Portanto, é uma máscara, uma defesa ante o social, uma armadura espiritual, cultural, ideológica e que se torna aparente diante das necessidades sociais. A cordialidade serve-nos de carapuça para escapar da escaramuça social. Esta aparente polidez é uma arma, um meio ou recurso de sobrevivência voltada ao agressor externo (social) e que pode ser a formalidade burocrática do Estado – se esta for entendida como perigosa à segurança das relações pessoais. Ante a formalidade ameaçadora, utilizamo-nos do laivo do jeitinho brasileiro e que é, em suma, uma forma gentil de burlar as regras e tratar as convenções de acordo com o jogo de forças pessoais que se apresentarem úteis naquele determinado momento.
    A tendência é de que haja um folguedo com a formalidade. Nossa identidade acabou avessa ao ritual-institucional (o traficante chama o policial de otário). Por isso, o público é meio-extensão do privado. A informalidade – muitas vezes benéfica – acaba reduzida à flexibilidade da moralidade pública. A corrupção e a desonestidade só agravam as condições de precariedade do povo como um todo. A corrupção, portanto, só reforça o elitismo e acirra o preconceito social (e racial, pois a maior parte da população pobre é mestiça e negra). A corrupção só reforça o velho tom senhorial. A corrupção do público seria o modelo aplicado desde a criação da indústria da pobreza. O povo não participa da construção do formal, pois só é convidado para ser coadjuvante da festa. Mesmo sabedor de que a modernidade traz mudanças sociais benéficas, o povo observa indiferente ao cortejo público.
    O entorno antropológico revela que primeiro contabilizamos o legado da escravidão e os quilombos fomentaram a miscigenação, formando mulato, o cafuzo e o mameluco (Norte/Nordeste); depois, o êxodo rural nordestino praticamente concluiu esse processo. Há muito de nordestino em cada um dos brasileiros. Na alma do Povo Brasileiro, infelizmente, há os que se creem colonizadores/superiores e os que são submetidos à condição cultural, social, econômica de colonizados, inferiorizados. Como se se quisesse que o povo viesse a se conformar e a acreditar que realmente é inferior em toda a ordem da vida social. Assim, se a República e a democracia são meras ficções, se o que temos é uma situação de total injustiça, então, o Estado de Direito no Brasil seria revolucionário. Pois, não temos nem mesmo o grau elementar da igualdade perante a lei – ainda é uma prática social e antijurídica a velha expressão: “— sabe com quem está falando?”. Com esta locução, o indivíduo quer afastar justamente a igualdade formal, porque se ele é mais do que os demais, então, supõe-se estar acima da lei. A negação do formal é a principal característica de quem nega o Direito ou seguem apenas as leis criadas por si e para si. O brasileiro deixou de ser cordial, como polidez armada para negociar a troca de favores com o capital, por várias razões: da luta pelo direito, para saiar da miséria social em que sempre estivera inserido, ao aumento da criminalidade que expropria a sociedade civil de seus direitos. Neste cadinho de revogação das vontades coletivas, a cordialidade pode ser resumida como um tipo de conscrição cultural, um trecho da colonização que se apropriou das perspectivas do processo civilizatório, com uma cultura e um povo que ora se rebelavam, revoltando-se, ora amargavam do cinismo e das trocas entre o capital e a dignidade.

  27. Ana Maria Firmino disse:

    Vi a entrevista e li quase todos os comentários e,o que descobri,foi que cada um tem uma opinião. Desde o mais intelectualizado,ate o mais simples… Desde o apaixonado pelo PT e a Copa ate o mais avesso aos dois.Acabei chegando a conclusão que na verdade o que precisamos e,li esta opinião de alguém,é que precisamos nos informar muito melhor sobre tudo,principalmente sobre política e políticos,dando educação e consequentemente discernimento aos nossos pra que,no futuro,conquistemos um Brasil decente e com pessoas respeitadoras e respeitáveis verdadeiramente cordiais… Isto é,o Brasil,lugar,que a gente quer. Como pessoas do bem,sermos justos e merecedores disto! Muita Paz!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-09-29 08:56:54