aki

cadastre-se aqui
aki
Geral
25-07-2019, 11h28

Como Napoleão, Boris Johnson terá seu governo de 100 dias

Premiê promete tirar Reino Unido da União Europeia até outubro
1

Kennedy Alencar
BRASÍLIA

A exemplo de Napoleão Bonaparte, Boris Johnson terá seu “governo de 100 dias” para entregar o que a antecessora, Theresa May, não conseguiu em quase três anos no poder.

O novo primeiro-ministro disse ontem, quando assumiu o cargo, que terá 99 dias para implementar o Brexit _processo de saída do Reino Unido da União Europeia. O prazo é 31 de outubro.

Daí os 99 dias mencionados ontem por Boris Johnson, que afirmou que o país deve estar preparado para uma saída sem acordo, apesar da ressalva de que ele tentará um novo entendimento com a União Europeia. A data de 31 de outubro será a Batalha de Waterloo do novo primeiro-ministro britânico. Vamos ver se ele terá melhor sorte do que o imperador francês.

Johnson é um populista que tende a dividir o Reino Unido ainda mais. Com ele no poder, aumentou a chance de uma saída sem acordo da União Europeia. Nos próximos três meses, haverá uma batalha de vida ou morte no Parlamento britânico. Parcela do Partido Conservador discorda da estratégia política de Boris Johnson. E o seu estilo agressivo tende unir o Partido Trabalhista e acirrar ainda mais as discordâncias com a oposição.

O que há de concreto é que o Reino Unido promete sair da União Europeia até o dia 31 de outubro, com ou sem acordo. Para o parlamento evitar o segundo cenário, alguém tem que fazer alguma coisa, e não está nada claro quem poderia fazer o quê.

Pode não haver acordo sobre nada. Theresa May fracassou três vezes ao tentar aprovar um plano de saída da União Europeia no Parlamento britânico. Se ocorrer o chamado “no deal” (saída sem acordo), alguns economistas preveem queda no PIB (Produto Interno Bruto) britânico de até 10 pontos percentuais.

O parlamento poderá tentar vetar uma saída sem acordo, mas esse mecanismo não está claro. Uma opção seria tentar derrubar o governo. Isso poderia ser feito, mas é arriscado, porque haveria eleições gerais antecipadas.

Atualmente, as eleições, que ocorrem a cada cinco anos, estão previstas para 2022. Uma campanha eleitoral em breve poderia levar muitos membros do parlamento a perder os seus mandatos. Houve uma onda populista, verde e de liberais-democratas na eleição para o Parlamento Europeu no final de maio. Antecipar eleições agora seria arriscado para conservadores e até trabalhistas.

Boris Jonhson está dizendo que tentará renegociar com a União Europeia, que não está disposta a fazer concessões já dadas a Thereza May. Boris Johnson pode resolver fazer nada. Ele até já falou em fechar o Parlamento para que os legisladores não possam derrubar o chamado “no deal”, mas na semana passada houve uma votação que deixou isso mais dificil para ele. No entanto, não é impossível. Existe espaço para debate jurídico-político.

O plebiscito de 23 de junho de 2016 que decidiu pela saída do Reino Unido não é obrigatório, mas Johnson e políticos em geral dizem que a vontade popular deve ser respeitada. Há quem lute por um novo plebiscito ou simplesmente pela rejeição do “hard Brexit”, que seria sair sem acordo ou com um acerto muito severo para a economia britânica.

*

Escócia e Irlandas

Há ainda efeitos sobre a Escócia, que deseja continuar na União Europeia. Isso pode reacender o nacionalismo escocês, levando à luta por um plebiscito para abandonar o Reino Unido.

A situação sobre a fronteira entre a Irlanda e a Irlanda do Norte poderá voltar a ficar tensa. Hoje não há uma existe uma fronteira física, com postos de controle, porque ambos os países fazem parte da União Europeia. A depender dos desdobramentos, um sentimento de união das Irlandas poderá ressurgir.

O Reino Unido é formado pela Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte.

*

Efeito para o Brasil 

Para o Brasil, interessa o efeito prático sobre a comunidade brasileira (cerca de 120 mil pessoas vivendo no Reino Unido) e sobre acordos feitos com a União Europeia. A princípio, nada muda muito. Podem ser replicados os acordos já firmados entre Brasil e União Europeia em termos de migração e comércio, por exemplo.

Se o Reino Unido deixar mesmo a União Europeia, o Mercosul poderá tentar negociar um acordo de livre comércio com os britânicos, mas isso leva tempo. O acordo entre o Mercosul e a União Europeia demorou 20 anos para sair e ainda tem de ser implementado.

No ano passado, o comércio bilateral entre o Brasil e o Reino Unido foi modesto _apenas U$ 5 bilhões de dólares. Foram US$ 700 milhões de superávit para o Brasil, que exportou ouro, celulose, minério de ferro, café e carne. Importou carros, produtos médicos e helicópteros, por exemplo.

O Reino Unido importa metade de tudo aquilo que os britânicos bebem e consomem _60% comprados diretamente da União Europeia. Mas há potencial para crescimento no comércio entre Brasília e Londres, porque o Reino Unido é hoje o 17º parceiro comercial brasileiro _menos de 0,5% das importações britânicas vêm do Brasil.

Além de um acordo de livre comércio não ser algo que se faz da noite para o dia, os Estados Unidos e a Austrália são competidores do Brasil na produção de alimentos e bebidas.

Ouça a partir dos 6 minutos no áudio abaixo o comentário feito sobre o Brexit no “Jornal da CBN – 2ª Edição”. E veja minissérie especial na RedeTV! clicando aqui.

Comentários
1
  1. walter nobre disse:

    Caro Kennedy, o premiê escolhido, não foi por acaso; por ser trapalhão confuso, uma marca do parlamento inglês, onde todos tem humor mórbido…o Boris, vai imitar rinoceronte, nada tem a comunicar, que seja novidade; informará o que fará, até por não ter outra saída, isto a Tereza May deixou transparente…a UE não quer saber de nada, quem sabe um pouco mais de tempo, o que custa cada vez mais caro…a situação inglesa é péssima, terá que ceder diante do reino unido, ainda mais…com o parlamento deles, não precisam de inimigos…vai dividir sim, para resolver, é a máxima que podemos ver…Para o brasil, o comercio bilateral, pode melhorar certamente; devemos acredita, nossas possibilidades diante dos desacertos, serão ótimas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2019-08-20 09:41:54