aki

cadastre-se aqui
aki
Economia
10-02-2015, 9h21

Credibilidade de Levy depende de negociação com Cunha

21

Postado por: Daniela Martins

Uma eventual desfiguração no pacote de ajustes em benefícios trabalhistas e previdenciários proposto pelo governo poderia minar a credibilidade da política econômica e do ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Com a pressão do Congresso por mudanças no plano, o governo pode não conseguir cumprir a meta de superávit primário de 1,2% do PIB (Produto Interno Bruto). De certa forma, a credibilidade de Levy e da política fiscal dependerá do apoio de Eduardo Cunha.

A meta de 1,2% de superávit primário (economia do setor público para manter a sua dívida sob controle) é a principal medida para tentar resgatar a credibilidade fiscal. Com as propostas que incluem modificações no seguro-desemprego, no abono salarial, na pensão por morte e no seguro para pescadores artesanais que interrompem suas atividades, o governo espera arrecadar R$ 18 bilhões neste ano.

Evitar que esse pacote seja desfigurado é a prioridade número 1 do governo no Congresso. Já havia disposição de fazer algum tipo de negociação com o Congresso. O governo admite, por exemplo, reduzir o tempo mínimo de 18 meses proposto para a concessão do seguro-desemprego. Poderia também, por exemplo, estabelecer uma nova regra: cumprido um terço do prazo mínimo, haveria um benefício equivalente a um terço da regra atual.

Mas, com a queda de popularidade da presidente Dilma Rousseff, setores da base do governo e até do PT já falam em modificações mais profundas. Esse é o problema, porque se trata de uma conta de chegada. Uma coisa é uma redução do pacote de R$ 18 bilhões para R$ 15 bilhões. Outra é desmanchá-lo, reduzindo muito o valor pretendido.

Está em questão o fechamento das contas públicas em 2015. E há argumentos que justificam os ajustes. Tem havido abuso na obtenção desses benefícios. Não faz sentido, por exemplo, a taxa de desemprego cair e explodir o gasto com o seguro-desemprego. Há um problema aí.

Vencer esta batalha pode ser difícil para o governo. Mas não é impossível. O principal fator é estabelecer uma negociação com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para que ele também seja cobrado como um fiador da credibilidade da política econômica. O Congresso tem de ter responsabilidade com as contas públicas.

É preciso fazer uma negociação no atacado com Cunha, que controla a pauta de votação, o PMDB e boa parte da base de apoio ao governo.

No varejo, a saída serão os cargos de segundo escalão que estão sendo negociados pela Casa Civil. Para acalmar setores do PT e da esquerda, o governo pretende anunciar algumas medidas para compensar o pacote de ajustes em benefícios trabalhistas e previdenciários.

Ontem, na reunião para discutir uma agenda positiva para Dilma, foi decidido que serão anunciadas medidas de apelo popular: terceira fase do “Minha Casa, Minha Vida”; o programa de saúde “Mais Especialidades”; o pacote de regras de combate à corrupção, e apoio a leis contra a homofobia e sobre os chamados autos de resistência (que são registros que indicam morte que acontecem devido a supostas reações ao trabalho da polícia).

A presidente e os ministros deverão dar mais entrevistas e fazer discursos em defesa das medidas de ajuste econômico. Por ora, foi engavetada a possibilidade, sugerida pelo ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, de um pronunciamento presidencial em cadeia de rádio e TV. Poderia parecer desespero diante da queda de popularidade apontada pelo Datafolha. Dilma preferiu pensar a respeito. Vai conversar antes com o ex-presidente Lula e com o marqueteiro João Santana.

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
21
  1. John Marcos disse:

    Acho que o Sr Levy (bradesquiano) não ficará por muito tempo como Ministro da Fazenda, visto a situação atual de dona Dilma.
    Fora Dilma e corja de ladrões.

    • walter.nobre disse:

      FALTA AO LEVY, COMO AO RESTO DO GOVERNO FÉ, E LIBERDADE DE AÇÃO; ISSO ELE NÃO VÃO TER JAMAIS, A DILMA NÃO TEM…
      NÃO ACHO QUE O EDUARDO CUNHA, TENHA NADA COM ISSO, O GOVERNO PRECISA APRENDER A CUMPRIR METAS, PRINCIPALMENTE, OS CORTES DE GASTOS, QUE NUNCA O FIZERAM, A DILMA GASTA COM O CABELO, PELO MENOS UNS 50 MIL POR MÊS, É UMA PIADA.
      ESTE GOVERNO KENNEDY, NÃO TEM MAIS JEITO, OU MELHOR, NUNCA TEVE JEITO ALGUM, ABUSARAM DO DIREITO, GASTARAM MUITO.
      A DILMA ESTA ESNUCADA,NÃO TEM NEM UM PLANO MIRABOLANTE, A NÃO SER ARROCHAR E AUMENTAR OS IMPOSTOS.
      NENHUMA NOVIDADE NO FRONT, A DILMA VAI EMPURRAR COM A BARRIGA, FUGIR E MENTIR MUITO, EM COMPANHIA DO LULA.

    • JEFFERSON NERY DE ALMEIDA disse:

      A voz da oposição torna-se incapaz diante de uma ausência de equilíbrio psicológico e ausência de racionalidade

    • P/ John Marcos: ONDE FOI PARAR A VERGONHA NA CARA, NESTE PAÍS? disse:

      APÓS A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA FRASE “EU NÃO SABIA DE NADA”, NO PAÍS, ELA SE TORNOU A FRASE COMUM, TODAS AS VEZES EM QUE SE INQUIRE BANDIDO, DE NORTE AO SUL DO PAÍS.
      HOJE, NUMA DELEGACIA DE POLÍCIA O LADRÃO “PÉ DE CHINELO” DIZ: “EU NÃO SABIA DE NADA”!
      NA POLÍCIA FEDERAL OS LADRÕES “PADRÃO FIFA” EMPRESÁRIOS, FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DA PETROBRAS, POLÍTICOS DIZEM: “EU NÃO SABIA DE NADA”!
      NAS PRIMEIRAS INSTÂNCIAS DO JUDICIÁRIO TANTO OS LADRÕES “PÉ DE CHINELO” QUANTO OS LADRÕES “PADRÃO FIFA” DIZEM: “EU NÃO SABIA DE NADA”!
      NO STF OS LADRÕES “PADRÃO FIFA EXCEPCIONAIS” ( QUEM SABE TÊM DOIS, OU ATÉ TRÊS CULHÕES ?) NÃO FOGEM À REGRA E DIZEM: “EU NÃO SABIA DE NADA”!
      NO SENADO E NA CÂMARA FEDERAL, SENADORES E DEPUTADOS FEDERAIS ALIADOS DO GOVERNO DEFENDEM A LADROAGEM DA PETROBRAS, DIZENDO: “ FULANO, BELTRANO, NEM O LULA, DILMA, GRAÇA FOSTER, VACARI, NADA TÊM A VER COM ISSO, “ELES NÃO SABIAM DE NADA”!
      EM ENTREVISTAS À IMPRENSA AS GRANDES ESTRELAS DA ADVOCACIA CRIMINAL DIZEM, CADA UM SOBRE SEU CLIENTE: “MEU CLIENTE NÃO SABIA DE NADA”!
      E AÍ?
      QUEM É CULPADO DESSA ROUBALHEIRA TODA DA PETROBRAS, CADÊ O DINHEIRO, QUEM VAI PARA A CADEIA, QUEM É RESPONSÁVEL POR TUDO ISSO?
      SE NINGUÉM SABIA DE NADA, QUEM ROUBOU OS BILHÕES?
      SERÁ QUE FOI O POVO? É CLARO QUE NÃO FOI O POVO! O POVO ANDA É MORRENDO ÀS BATELADAS, NAS FILAS DO SUS, NAS MACAS PELOS CORREDORES DOS HOSPITAIS, NAS FILAS POR CONSULTAS ETC.
      O POVO ANDA É MORRENDO POR FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO, POR FALTA DE SEGURANÇA PÚBLICA ETC.
      MAS SE NÃO FOI O POVO, POR QUE A PRESIDENTE QUER QUE O POVO PAGUE O PREJUÍZO?
      QUEM DEVE PAGAR O PREJUÍZO, QUEM DEVE IR PARA A CADEIA, QUEM DEVE PERDER O CARGO?
      PELO ANDAR DA CARRUAGEM PARECE QUE ESSE GOVERNO QUER CONTINUAR MESMO TENTANDO ENGANAR O POVO (QUER DIZER, A “PARCELA” DO POVO QUE FOI ENGANADA NA ÚLTIMA ELEIÇÃO PELAS MENTIRAS DA CANDIDATA).
      SÓ QUE PARECE QUE ELES NÃO ESTÃO ACREDITANDO QUE A ÚLTIMA PESQUISA EM QUE A PRESIDENTE DESPENCOU DE 50% DE APROVAÇÃO “ÓTIMO OU BOM”, PARA 23% – E ISSO ENTRE BRASILEIROS QUE GANHAM ATÉ 2 SALÁRIOS MÍNIMOS, É UM CLARO SINAL DE QUE MUITA GENTE SE ARREPENDEU DE TER VOTADO NELA – DOIS MESES APÓS O INÍCIO DO 2º MANDATO!
      NÃO É PRECISO SER ESPECIALISTA PARA ENXERGAR QUE O IMPEACHMENT É BEM PROVÁVEL, PRINCIPALMENTE QUANDO O CERCO FOR FECHADO, COM AS INVESTIGAÇÕES DA OPERAÇÃO LAVA JATO- PETROBRAS!

  2. Eduardo disse:

    Ou seja, lotear o setor público com fisiológicos e incompetentes para reduzir os direitos dos desempregados, pescadores e pensionistas. Cartel de partidos saqueia a Petrobras, destrói a confiança na economia e quem paga a conta é o andar de baixo.

  3. Jackson disse:

    Até agora só falaram em penalizar o pobre do trabalhador para ajuste em suas despesas, mas em nenhum momento se fala em cortar os supersalários desta corja que está no poder, porque não corta toda esta mordomia que eles estão usufruindo, é auxílio moradia para juízes, é auxílio isto, aquilo, só no rabo do trabalhador e do empresário que sustenta toda esta corja, porque tanto ministério?

  4. Carlos Macieira disse:

    Joaquim Levy é pau mandado!!! O problema está com a vaca que passou a tossir.

  5. Galego disse:

    Pela primeira vez no seu mandato a dona Dillma tomou medidas sensatas em reduzir regalias no seguro desemprego e no seguro de pescadores artesanais. Realmente alguém tem que explicar a mágica da taxa de desemprego em queda e o gasto com seguro desemprego em alta vertiginosa. O triste é saber que a presidentA vai consultar o sr Lulla e o seu marqueteiro para tomar uma decisão que afeta a maioria dos brasileiros, ou seja, ela só está preocupada com a sua imagem e com a eleição de 2018. País rico é país sem analfabeto funcional.!!

    • John Marcos disse:

      Concordo. No entanto, eles próprios não tomam ação nenhuma para cortar seus gastos. Gastos estes como ajuda combustível, ajuda paleto, ajuda alimentação, ajuda viagem, ajuda papel higiênico….Faça-me o favor, e ainda mentem a mão no dinheiro público que é do cidadão.

  6. Santos disse:

    Eu gostaria de saber quando o governo vai começar a economizar nos seus gastos tipo cartões corporativos, mordomias e coisitas do gênero, pois até agora, só a população si fu com esse descalabro administrativo, que por sinal não é exclusividade do PT. Na realidade, praticamente TODA a administração pública é uma me#da.Fazem o que querem, mentem descaradamente, jogam bilhões no lixo com obras mal feitas e super faturadas, pagam mal os funcionários públicos, falta tudo na educação e na saúde, enfim um caos total e ninguém é punido por isso. Alias, a população é punida.

  7. Ely Santos disse:

    Caro Kennedy, respeito seu jornalismo e o profissional que se apresenta, mas a imprensa não vai direto ao ponto. Sabemos que este governo é um fracasso total, a PRESIDENTA já está na linha do Impeachiment e daí noticiam: pacotes de ajustes em benefícios trabalhistas – pacote Desfiguarador – fiador da política econômica – negociação com os cargos de 2º escalão – medidas de apelo popular – pacotes de regras de combateà corrupção (que pacote é esse, meu amigo? se a corrupção habita neste governo. O país não tem credibilidade nem com o vizinho PARAGUAI. A solução é complicada, mas precisa fechar Brasília e começar do ZERO: na política, educação, saúde e segurança. temas utilizados na campanha de 2014 de Dilma, Aécio e outros bem intencionados (tudo para seu bolso).

    • Sucaneiro disse:

      Pois é. É muito fácil falar mal do governo, o difícil é acertar. Porem eu tenho a solução. É só taxar as grandes fortunas como é feito nos EUA e na nos países do primeiro mundo, bem como as heranças e os super salários da TV, radio, jornalismo, escolas particulares e etc. Tenho certeza de que o tão decantado déficit desaparecerá por completo.

      • Flávio disse:

        Sucaneiro, tenho outra sugestão. Além de taxar as grandes fortunas ( boa idéia ), seria legal também acabar com a cambada de vagabundo do PT encostado no governo e mamando nas tetas do mesmo. Só em Brasília são mais de 30.000 cargos de confiança. A cumpanheirada podia cortar na própria carne. O que acha?

  8. José Carlos Damaceno disse:

    AQUI NESTE ESPAÇO TEM COMENTARISTAS QUE SÃO SEMPRE OS MESMOS E FAZEM OPOSIÇÃO SISTEMÁTICA OU SEJA QUALQUER MEDIDA TOMADA POR ESTE GOVERNO ELES SÃO CONTRA NÃO SABEM OU NÃO QUEREM SABER DAS MEDIDAS ACERTADAS SÓ ENXERGAM O LADO RUIM ENTÃO KENNEDY VOCE PODE COLOCAR JESUS CRISTO EM QUALQUER MINISTÉRIO QUE ELES SERÃO CONTRA LEVE ISSO EM CONTA QUANDO FOR LER OS COMENTÁRIOS.

  9. ARTA disse:

    Sempre quem paga é o contribuinte. O governo precisa entender que só conseguirá um superávit se deixar de ser perdulário, eliminar o fisiologismo e planejar de maneira eficiente, com gestão.
    Sra. Dilma reduza o número de ministérios, corte as vantagens dos cartões corporativos, reduza os cargos comissionados e o aparelhamento do estado. O País perdeu a oportunidade e já passa da hora de se discutir a reforma tributária, o pacto federativo, as reformas estruturantes.
    Acorda pra realidade, as mentiras só serviram para ganhar as eleições, o tempo vem cobrar e mostrar a realidade.

  10. Closeaux disse:

    Voce tbm é daquele tempo em que ministros como o Dr Sardinha e o Zé Pinguinha (Simonsen) definiam política econômica por decreto lei? Agora não é mais assim. Ministros, sejam eles ortodoxos, heterodoxos, ou da escola da PUC ou da USP, isso já pouco importa. Os chamados planos econômicos agora tem que passar pelos parlamentares.

    E não é nem o Cunha que decide isto.

    Para ter aprovação nas ideias de Levy e fazer valer as medidas estas terão de ser aprovadas. Dilma não é rainha e nem imperatriz. Mentiu na campanha. Aécio tinha razão, o governo estava mesmo quebrado.

    Não vai ser com um “façam o que eu mandei” e nem com retórica vazia que Dilma se safa dessa. Vai ter que dar o braço a torcer, terá de confessar que seu modelo de governo, assistencialista, não funciona mais. Precisará vir a público e assumir que drenar a classe média sulista através de impostos em favor do desenvolvimento do nordeste é um projeto que esgota recursos e só faz aumentar população de baixa renda.

    Aí está, por exemplo, um dos motivos da falta de água, depois do clima. Para evitar este cenário teria sido necessário realizar obras, que não foram realizadas porque são caríssimas e a maior parte do dinheiro arrecadado por impostos em São Paulo vai para o Distrito Federal, que redistribui e repassa valores. Nesta redistribuição ficamos com pouco, menos do que o necessário para desenvolvimento de infra estrutura.

    Políticas como a da regulação de preço do etanol está quebrando usineiros, reduções artificiais nos preços da eletricidade impediram investimentos, faltará energia.

    O PT é em essência um exemplo de como não deve ser administrado um país. Não sabem gerir, apegam-se a esta troca de mazela por voto que os sustentou até agora no poder.

    Dilma não precisa, e nem deve, vir para falar ao povo. Estamos cheios de papo furado. Queremos água, energia, indústria competitiva. Chega de bolsa isto, bolsa aquilo, pró isso, pró aquilo, minha casa minha favela. Chega de vampirizar a classe média sulista. Essa gente está transformando riquezas em bosta.

    Querem ajudar o pobre, deem-lhe uma vida digna e decente. O pobre é povo e não mendigo de luxo.

  11. Cleber Costa disse:

    Boa tarde Kennedy! A situação do Brasil tende a piorar cada dia mais. O pior de tudo é que sempre desaba em cima do trabalhador. Os roubos, as falcatruas, corrupções etc, e no fim das contas ninguém vai preso, exceto alguns mensaleiros, mas de fato mesmo, tudo acaba em pizza. Vejo um quadro terrível para economia brasileira, e não vejo alternativa com esse governo que está aí, que a bem da verdade só pensa no seu umbigo. Sinto, todavia, que não há nenhuma previsão de melhora e que esse governo não conseguirá levar o Brasil ao rumo do crescimento. Outra coisa, se o nosso País fosse governado por pessoas sérias, nada disso teria acontecido, talvez algo em menor proporção, mas o que se vê é um País decadente e sem rumo. A roubalheira foi muito grande, e no fim, quero ver quem vai pagar a conta.

  12. Renato Kurosaka disse:

    Já seria uma boa medida de economia desse governo, a redução do número de ministérios. Tem que dar o exemplo, cortando na própria carne!

  13. ronaldo do prado disse:

    Eu votei para presidente de republica na sra. Dilma , não aceito este Cunha Governar.

  14. J K disse:

    Não adianta : a farra do mômo já começou e só acaba nas cinzas da 4a f , quando tudo já tiver sido esquecido. Suspendam os blá-blá-blá até depois de 23/02, talvez a audiência do povo pelo assunto sub uns 2 pontos percentuais. Vou frequentar uns botecos em Sampaio no FDS pra ver se escuto alguém discutindo politica

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-10-21 08:11:12