aki

cadastre-se aqui
aki
Política
07-12-2015, 21h26

Cunha atrapalha governo, mas liga imagem à oposição

Presidente da Câmara quebra acordo de líderes para formar comissão
11

KENNEDY ALENCAR
BRASÍLIA

A ruptura do acordo do colégio de líderes para indicar os membros da comissão especial do impeachment atrapalha a estratégia do governo de escolher aliados mais fiéis. No entanto, o Palácio do Planalto avalia que há um lado positivo para o governo na aliança do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, com a oposição para bater chapa nas bancadas em que há divergência sobre as indicações para compor a comissão.

Cunha liga sua imagem à oposição, o que permite ao governo fazer um discurso acusando essa articulação de uma manobra política a favor do impeachment. Duelar com o presidente da Câmara tem sido uma estratégia política do governo.

Ao longo do dia, Cunha, a ala rebelde da bancada do PMDB e a oposição viram que os líderes governistas estavam indicando deputados mais afinados com o governo. Com maioria governista na comissão, a tendência seria de parecer contra o impeachment.

O plenário da Câmara precisará votar qualquer parecer, contra ou a favor do impeachment, mas uma reprovação daria mais força ao governo.

De quebra, Cunha vai tentando adiar a análise do processo de cassação no Conselho de Ética da Câmara. Essa discussão sobre a formação da comissão que vai dar o parecer sobre o pedido de abertura de impeachment deverá tomar conta do Congresso e deixar em segundo plano o debate de outros temas.

*

Afastar isolamento

A estratégia do governo em relação ao impeachment pode ser lida assim: continuar na ofensiva.

A reunião de hoje com juristas e a de amanhã com governadores são formas do Palácio do Planalto de mostrar apoio político e jurídico. Dilma quer sinalizar que não está isolada.

Em relação ao vice Temer, haverá um jogo de cena de parte a parte. De público, palavras de confiança. Nos bastidores, uma batalha já em curso entre a presidente e o vice pelo poder. Há tensão entre Dilma e Temer, que antecipou a volta a Brasília para hoje à noite.

Assista aos temas de hoje no “SBT Brasil”:

Comentários
11
  1. Antenor disse:

    Sobre tudo isto que vem acontecendo, com relação ao impeachment, uma pergunta se faz: Com base em que podemos afirmar que “se o impeachment não passar, a presidente ganhará força”?
    Com o congresso dividido, com o vice na oposição, com 90% da população desaprovando o governo, com índices econômicos os mais deploráveis da história! Como acreditar nessa cantilena de que esse governo, ao se livrar do processo de impeachment, vai ter qualquer credibilidade? Não adianta esse desespero todo dos governistas (inclusive os dá imprensa, que tentam defender a Dilma)se a grande e absoluta maioria da população já não acredita mais nela e nem no seu partido.
    O defunto já cheira mau….. enterrem-no logo pois o país precisa seguir sua vida e seu rumo e não ficar esperando o final do velório que não acaba nunca.

    • Hatred disse:

      E com que base pode afirmar que se o impeachment acontecer, o país ganhará força? Nenhuma. As agências de rating já avisaram que o impeachment é o rebaixamento do Brasil com certeza absoluta.
      Está na hora da população ver a diferença entre um governo ruim e um governo golpista, disposto a tudo. Basta analisar os estados por onde essas pessoas que querem o poder passaram. Veja os cargos públicos que eles ocuparam e diga pra gente qual desses caras vai fazer serviço menos pior do que o que foi feito. Tem que pressionar o governo a agir. Não dá pra ir pra rua só quando a oposição convoca pra “limpar a corrupção” (ahan).
      Tem razão, tem um cheiro ruim no ar. Deve ser o putrefato Cunha se aliando com o cadavérico Temer. Problema é que Aécio quer esse lugar, Temer que se cuide.

    • orlando costa disse:

      E o que pensas, óh, Antenor, para o porvir da Nação?

  2. NETO DE PRESO POLÍTICO disse:

    A discussão entre o governo e a oposição não é pelo impeachment.
    Pelo governo é a necessidade de continuar a espoliação do país, e pela a oposição é a possibilidade de voltar a espoliar o país.
    Observem os atores dessa trama: Lula, Dilma, Aécio, Moreira, Cunha, Renan, Picciani, Serra…
    Que tal nas próximas eleições não votarmos em: palhaço analfabeto, jogador de futebol com conta na Suíça, banqueiro do bicho, traficante, miliciano, político ficha suja, corrupto inescrupuloso, torturador, analfabeto, seringueira latifundiária e outros candidatos impostores?
    Pelo voto pensado!
    Pela Lei da Ficha Limpa!

  3. Djalma Camacam Bomfim disse:

    Caro Kennedy,
    “Há algo de podre no Reino da Dinamarca”, num inglês mais original, seria:”Something is rotten in the country of Denmark”; um cearense “arretado” disse que a Câmara dos Deputados, no Brasil, está cheia de achacadores. Parece que a falta de importância com a Ética, faz de nós órfãos da virtude.
    Temos duas observações a fazer, as peças de ficção espelham a realidade do mundo desde 1579, quando William Shakespeare, dedicou-se a escrever Hamlet. De lá para cá, nada mudou; para galgarem o poder, vale tudo. Os aspirantes ao trono, são capazes de suicidar o irmão, matar a própria mãe, prender e apreender os recursos dos amigos, transformá-los de um dia para o outro em desafetos para se manterem o se apoderarem da “viuva”. Assim, há algo de podre na República Federativa do Brasil. Combater o lamaçal, é preciso.

  4. Benedito P. disse:

    Cunha é um assunto secundário. É a incapacidade do governo Dilma de lidar c/ ele ou c/ qualquer assunto que estarrece o Brasil. Após a carta contundente do Temer, o que resta a Dilma é um gesto p/ resgatar os fiapos de sua biografia porque é urgente se inicie o longo processo de reconstrução economica desse país.

  5. O Insone disse:

    Pelos fatos percebemos nitidamente que a política em Brasília tem fins voltados para si própria. Em nenhum momento o país, a crise, o povo ou a democracia são uma preocupação de membros do executivo ou dos parlamentares. Quando ouvi à respeito de uma carta bomba que teria sido escrita por Temer, fiquei com níveis de elevada expectativa. Quando li o documento fiquei decepcionado. Parece mais a queixa formal de uma diva, que reclama do conforto de seu camarim. Teatral, fofo, muito fofo, quase andrógino. Só fala de si e de seus queixumes. Que aproveite para o momento e para o país? Nada! E mesmo assim nem teve coragem de encarar a presidente para dizer o que sentia na base do “bigode à metro”. Quase posso vê-lo fazendo beicinho enquanto escrevia. Deve ter arrancado gargalhadas dos petistas, principalmente de Dilma, que provavelmente vai mandar lhe entregar flores. Que país… que política… estamos fritos!

  6. Gustavo disse:

    Caro Kennedy,
    quanto à contenda entre presidente e vice, isso é briga de cachorro grande, do mesmo canil. Acho que ninguém deveria se meter. É aliado, cumpanheiro de jornada, faz muito tempo que estão casados, sendo que compartilham a mesma cama faz muito tempo. São os dois socialistas, compartilham do mesmo caso romantico com essa porcaria de esquerda, tem o mesmo sabor pela corrupção e tem em seu poder o mesmo exercito de alienados em falar mal de outros partidos da propria esquerda. Deixe que se peguem. Nesse divorcio à vista, a disputa pelos filhos está grande. Até filhos adotivos entram no litígio. Sou brasileiro. Não entro nessa briga, pois não faço parte desta família.

  7. Francisco Miranda disse:

    Bom dia. Como pode um bandido presidente da Cãmara ser tão poderoso? Quem está sob seu comando só pode ser bandido também. Deus nos acuda, pois a que ponto chegamos. Não existe lei para destroná-lo ? Nosso (des)governo já morreu e procura onde cair. Não tem mais o que fazer. E o pior, entregá-lo a quem ?? Falta um líder,um estadista confiável. Em breve a Venezuela vai passar na nossa frente em tudo. Que vergonha. Será quando vamos ver uma luz no fim do túnel ??
    Realmente a imprensa tem muita culpa. Fica na demagogia induzindo a população votar em um candidato honesto, mas não diz quem. O eleitor já não sabe mais se existe.

  8. Mauro disse:

    O apego ao poder a qualquer preço e manipulaçao de incautos, é uma estratégia muito antiga e conhecida de ditadores e ditaduras esquerdistas notadamente na América Latina.
    O PT moverá montanhas e pagará qualquer preço para chegar ao final do mandato da nefasta presidenta e como tem sido usual fará todas as alianças que achar necessárias para concretizar isso.
    O minimo que deveria acontecer nesse momento, de bom para a nação, se houvesse decência e escrúpulo dos “trabalhadores”, seria a renuncia de Dilma Roussef, mas não se pode pedir bom senso de quem apoiou e apoia espoliadores como José Dirceu, Vaccari e tantos outros. O Brasil está ferido, mas a senhora presidenta age como uma Maria Antonieta dos trópicos e encastela-se
    virando as costas para os interesses maiores do pais. Que triste!

  9. Getulio disse:

    Argentina decidiu ir pelo caminho das urnas a Venezuela tambem e a oposição desses paises parece ter se saido vitoriosa diferente do pessoal oposicionista daqui encabeçados por Aecios , Cunhas , Serra, Termers, esses preferem um caminho bem diferente preferem um afastamento de uma presidente eleita democraticamente a ter que disputar o resultado das urnas…

Deixe uma resposta para Mauro Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-10-29 19:07:04