aki

cadastre-se aqui
aki
Política
09-12-2016, 9h07

Delação sobre Alckmin embola disputa tucana para 2018

Folha traz relatos de caixa 2 para campanhas do governador
12

KENNEDY ALENCAR
BRASÍLIA

A delação da Odebrecht que aponta caixa 2 para as campanhas de 2010 e 2014 do governador Geraldo Alckmin (SP) tem impacto sobre a disputa interna no PSDB pela candidatura presidencial do partido em 2018. Em resumo, dá uma embolada na guerra tucana para concorrer ao Palácio do Planalto.

Alckmin tem sido visto como nome mais forte do que o senador Aécio Neves e o ministro José Serra (Relações Exteriores) para obter essa indicação. Aécio e Serra já foram citados em delações da Lava Jato.

Hoje, reportagem da “Folha de S.Paulo” traz a informação de executivos da Odebrecht delataram entrega de recursos para pessoas próximas ao governador tucano nas campanhas eleitorais de 2010 e 2014.

Essa informação é grave, porque Alckmin tem feito um discurso duro contra o PT, muito centrado na corrupção. O tema foi bandeira importante do prefeito eleito de São Paulo, João Doria Jr., que é um pupilo do governador.

As informações da Lava Jato sobre corrupção no PT e de caixa 2 para a campanha da então presidente Dilma Rousseff engrossaram o caldo político que levou ao impeachment. É óbvio que Alckmin tem todo o direito de se defender. Mas como ele, Serra e Aécio citados em delações, soa hipócrita o discurso moralista do PSDB. Não pode haver dois pesos e duas medidas na Lava Jato.

Abuso das autoridades

Tudo indica que segue firme no Senado a articulação para enterrar o projeto contra abuso de autoridade. O que era urgente para Renan há uma semana passou agora a ser um assunto dos líderes do Senado, que desejam sepultar a proposta com essa articulação que fala em adiamento para o ano que vem.

Se isso acontecer, ficará feio para o Senado, mas mais feio ainda para o STF. Será a prova do acordo entre Senado, Supremo e Palácio do Planalto para esfriar a crise. Será a prova de uma ação política do Supremo que não poderia ter entrado no jogo do toma lá, dá cá.

O ministro Celso de Mello, decano do Supremo, fez um discurso duríssimo contra políticos e a corrupção na posse da ministra Cármen Lúcia no comando da corte. Até passou do ponto na contundência, mas foi elogiado na época.

Na quarta, de forma inusual, pediu para votar após o relator Marco Aurélio Mello para abrir uma dissidência e usar a autoridade de decano a fim de facilitar a adesão de colegas ao seu voto.

Ou seja, a coisa tem pena de pato, bico de pato e asa de pato, mas não é pato? Ora, o pato somos nós.

Para piorar, fala-se em esfriar o debate sobre supersalários, tema que incomoda o Judiciário e o Ministério Público. Se antes das delações da Odebrecht esses temas não forem adiante, provavelmente serão enterrados quando aparecer todo o arsenal da empreiteira contra boa parte da base de apoio de Temer.

O Supremo, então, terá conseguido atender ao corporativismo do Judiciário e do Ministério Público com a decisão que segurou Renan na cadeira. Nesse episódio, não faltaram abusos das autoridades.

Vida dura

Parece brincadeira, mas não é. Havia uma articulação a fim de nomear o deputado federal do PSDB Antonio Imbassahy para a Secretaria de Governo, que era ocupada por Geddel Vieira Lima e que cuida da articulação política. Mas houve tremenda reação de vários partidos do centrão, grupo de legendas conservadoras que apoia Temer e que foi fundamental para votar o impeachment de Dilma.

É difícil nomear um articulador político que já chegaria implodindo a relação com a base de apoio parlamentar. O centrão viu nessa articulação uma tentativa de agradar ao PSDB e reforçar a candidatura à reeleição à presidência da Câmara de Rodrigo Maia, do DEM.

Para retaliar, disse que inviabilizaria a reforma da Previdência. Temer precisa do centrão para aprovar essa reforma.

O Palácio do Planalto atribui ao PSDB o vazamento de uma negociação que ainda estava em curso a fim de criar um fato consumado. Nem bem terminou a crise de Renan, Temer já tem outra no colo. Ele queria empurrar a decisão com a barriga para a próxima semana, mas será difícil agora nomear Imbassahy.

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
12
  1. Maria Aparecida Ramos Tinhorao disse:

    É… nao sobrou ninguém !
    Melhor mesmo é devolver para os índios e pedir desculpas.
    Quem tiver para onde ir, ótimo ! Eu vou para Aleppo, lá o ambiente é mais calmo !

    • walter disse:

      Certamente em Aleppo, as coisas são mais calmas…kkk…cara Maria Aparecida; a grande Luta destes partidos, é vencer a Lava Jato; perceberam que não iria burlar a Lei na mão grande, por isso, estão tentando se compor, neste tabuleiro de xadrez; num salve se que puder; todos já sabem do acordo do Lula com o FHC…todos tem seus interesses, na eliminação de penas no Caixa Dois, e nesta o Temer assumiu não permitir mudanças que beneficie alterações…Caro Kennedy, se o Aécio serra, ou mesmo o Alkimin, sejam beneficiários de recursos irregulares, terão que arcar com o ônus da circunstância; de fato,faltarão candidatos, a sucessão deste jeito; por isso a democracia tem sua magnitude; o “pau que bate em chico”, terão que se compor.

  2. marques disse:

    Kennedy, só um inocente que vai achar que alguém do PSDB vai ser considerado culpado por alguma coisa. nunca foi e nunca será. Se fosse possível fazer do PSDB um filme, sabe qual seria? “Esqueceram de Mim”.

  3. Wellington Alves disse:

    Patos são os que pediram Impeachment. Corrupção não pode com o PT. Com Alckmin não tem problema. Continuaremos a pagar super salários. E que aumentam imposto sobre a classe média. Não pediram impeachment? Paguem a conta agora.

  4. Analista Alpha disse:

    Eu já sabiaaaaa, trá lá lá lá lá !!Eu já sabiaaaaa, trá lá lá lá lá !!Eu já sabiaaaaa, trá lá lá lá lá !!Eu já sabiaaaaa, trá lá lá lá lá !!

    Resta saber até quando o brasileiro será inocente, gritando “Fora PeeeeeeTeeeeee”, quase como torcedores de times de futebol, igualmente iludidos, vendo seus craques beijarem os escudos dos times rivais a cada temporada, por mais grana, mais, mais … e os torcedores se matando ….

    Enquanto isso, os salvadores da pátria encontram suas soluções: Financiamento público dos partidos, Reforma da previdência, lei-se: “Extinção da Aposentadoria”, afrouxamento das leis trabalhistas (perda de direitos dos trabalhadores), etc ….. Tudo em nome de “Arrumar o Brasil”.

    Trocando em miúdos: Paguem a conta torcedores brasileiros, e se matem como torcedores.
    E sob ameaça: “Senão o Brasil vai quebrar”, “Não haverá dinheiro para pagar as aposentadoria”.

    Como somos estúpidos…

  5. João disse:

    E os camisas amarelas ainda não engolem o fato de que o Brasil sofreu um golpe. Aos poucos os fatos vão se desnudando. E o STF ainda acreditava que era possível disfarçar o seu envolvimento no golpe. Política não é conocosco. Nós cuidamos da “constituição”. Sei….

  6. Alberto disse:

    Nada que não possa ficar ainda pior.

  7. tiago disse:

    Vai haver manifestações contra a corrupção do PSDB, com apoio total da mídia, como ocorreu com a Dilma/PT? Claro que não!
    Os “movimentos sociais” (vulgo “massa de manobra”) vão sair nas ruas contra a corrupção escancarada do governo golpista? Claro que não!
    Era só hipocrisia mesmo. Eram eleitores do Aécio/PSDB revoltados porque perderam a eleição e querendo vingança, mas como não podiam admitir isso se vestiram de amarelo e fingiram ser “contra a corrupção”, só para jogar o brasil no abismo da ingovernabilidade.
    E alguém do PSDB será punido por roubar merenda de milhares de crianças? Claro que não!
    Vai ter coerção e prisão preventiva de alguém do PSDB? Claro que não!
    Afinal de contas o Moro pertence ao PSDB.
    Viva o brasil! A mais bananeira de todas as repúblicas bananeiras, e com a população mais manipulada do mundo.

  8. Julio Cesar disse:

    Estava demorando para a sujeira chegar no PSDB, que venha 2017 e mais lava jato para limpar nosso país!

  9. Luiz DePaula disse:

    Pois é…Gilmar Mendes almoça com Aécio, que participa de eventos e jantares com Moro, que vive sorrindo e feliz ao lado de caciques do PSDB, que não tem nenhum problema na Lava Jato, que é coordenada por Deltan, que não aceita o projeto sobre abuso das autoridades, que não é mais prioridade do poderoso Renan, que desafiou Marco Aurélio, que foi duramente criticado por Gilmar Mendes, que almoça com Aécio…kkkkkkkkkkkk

  10. AMALIA disse:

    Não pessoal, não devemos sair do País não. Temos que ficar, tirar esses calhordas, colocar lá pessoas que querem o bem do País, não de si e vigiá-los ardentemente.
    Temos que lutar, não entregar nosso País para esses BANDIDOS!!!!!!
    VAMOS À LUTA COMPANHEIROS!!!! O BRASIL É NOSSO!!!!

  11. Como os próprios delatores relataram, eles nunca estiveram com Alckmin para tratar de doações ou propinas. Ele nunca participou de nenhuma negociação. Todas as contribuições recebidas em campanhas eleitorais disputadas por Alckmin foram devidamente contabilizadas e informadas à Justiça Eleitoral pelos respectivos comitês financeiros cujos membros eram os únicos autorizados a falar em nome do candidato. Definitivamente, não há nada contra Alckmin.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2019-12-07 07:04:45