aki

cadastre-se aqui
aki
Política
06-01-2015, 9h24

Dilma terá mais dificuldade de enquadrar Levy e Kátia Abreu

Alguns ministros têm mais peso político; Levy foi cuidadoso
28

KENNEDY ALENCAR
Brasília

A nova equipe da presidente Dilma Rousseff tem ministros com mais peso político do que o time do primeiro mandato. Não são auxiliares que aceitarão facilmente as enquadradas públicas que Dilma costuma aplicar.

No sábado, Dilma levou o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, a recuar da ideia de mudar a regra de reajuste real do salário mínimo.

Joaquim Levy (Fazenda) e Kátia Abreu (Agricultura) deram declarações, cada um no seu estilo, e não deverão receber admoestações.

Em primeiro lugar, são situações diferentes. Nos bastidores, o próprio Barbosa reconhece que falou demais, antes da hora e sem combinar com Dilma. O ruim nem foi o recuo, porque é normal em governos, e a presidente acertou ao manter a atual fórmula de correção.

O ruim foi tornar público que o ministro recebeu bronca, porque isso o enfraquece politicamente. Já Levy tomou cuidado para não entrar em choque com a presidente. Seu discurso está em sintonia com o que ele vem conversando com a chefe nos bastidores.

Há também uma diferença de peso político. Barbosa queria ser ministro. Estava na órbita do PT e do governo. Levy se encontrava no Bradesco. Foram atrás dele para convidá-lo a assumir um abacaxi. Veio resolver problema.

A indicação do Levy também vai além das medidas concretas que ele pretende tomar. Tem importância para agir sobre as expectativas econômicas. Desautorizá-lo é mais complicado.

O segundo ministério de Dilma possui personagens mais fortes do que a equipe anterior. O Brasil não tem só uma política econômica nova. Passou a ter ministro da Fazenda de verdade, o que não acontecia desde a saída do Antonio Palocci Filho do governo em 2006. Na segunda-feira, houve uma entrevista desastrosa da nova ministra da Agricultura, Kátia Abreu, dizendo que o Brasil não tem mais latifúndio e que os índios deixaram a floresta e vieram para áreas de produção.

Ora, o Brasil é um país cheio de latifúndios. A reforma agrária não foi bem realizada. E os índios são vítimas de injustiças históricas e não causas dos conflitos com as áreas de produção.

A presidente Dilma ainda não desautorizou Kátia Abreu. Afinal, ela é senadora. Tem mandato. É presidente licenciada da Confederação Nacional da Agricultura. A presidente, portanto, compôs um ministério com figuras mais fortes, que, ao contrário de alguns outros, não vão aceitar broncas públicas.

*

Com a entrevista e o discurso de posse de Joaquim Levy, ficou evidente que o Brasil tem uma nova política econômica. Levy deu recados claros. A política econômica aplicada no primeiro mandato da presidente Dilma sofrerá uma guinada e tanto.

Levy sinalizou o fim das desonerações, que foram reduções de impostos para setores específicos da economia. Certamente, não vai revogar todas as reduções, mas deverá rever algumas.

O governo adotou essa medida dizendo que procurava reduzir o custo das empresas, estimular a produção e evitar o desemprego. Os críticos da medida afirmavam que ela beneficiava quem fazia melhor lobby, que tirava arrecadação do governo e que as contrapartidas sociais foram abandonadas em muitos casos.

É fato que a presidente Dilma abriu mão de bilhões de receita e continuou a deixar os empresários insatisfeitos, tanto que eles não a apoiaram na eleição. Pelas palavras do Levy, o Tesouro não vai bancar esse tipo de desoneração.

O governo também pretende acabar com essa história de segurar os preços para reduzir a inflação, como já está acontecendo no caso das tarifas de energia.

O BNDES deverá parar de financiar a juros camaradas os amigos do poder, que são empresas que têm acesso político ao PT e ao governo. O chamado clube de amigos do BNDES: empresas que obtém empréstimos bilionários e que são grandes financiadoras de campanha, uma combinação mortal para a política.

Levy disse algo importante: o Brasil terá a chance de fazer as correções antes de a crise se instalar. Ou seja, há problemas na economia, são necessárias correções, mas não estamos perto do fim do mundo.

De acordo com o ministro da Fazenda, a economia brasileira é forte e tem capacidade de reação rápida. Tem razão. É uma boa notícia a mudança da política econômica do governo Dilma.

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
28
  1. Paulo F M Souza disse:

    Rapaz, isso é a coisa mais fácil de resolver. Se não conseguir enquadrar ou caso eles não queiram se enquadrar, é só substituí-los.

    • Bruno disse:

      Se a Dilma substituir qualquer um dos dois, a crise se instala no governo. Ela pode até ser truculenta, mas tem consciência das suas limitações. Se não fosse assim, não teria convidado nem o Levy nem a Kátia

    • walter.nobre disse:

      MANDAR SOZINHA, NÃO DÁ MAIS, E NO PT, SÓ TEM INCOMPETENTES CARO; O LEVY E A KATIA, SÃO IMPOSIÇÕES DO MERCADO…
      ELA PRECISA REGER A ORQUESTRA; SE TENTAR ENGANAR, VAI SE DAR MAL…ESTES MINISTRO, PEDEM PARA SAIR, E NO PT NÃO TEM PERFIL DE MERCADO E NEM TÉCNICOS A ALTURA, PARA CONDUZIR NADA…
      A DILMA ESTA A BEIRA DO PRECIPÍCIO…ISTO É FATO; TODOS OS ÍNDICES DO PAÍS, QUE IMPORTAM, ESTÃO EM BAIXA; E AGORA!!!
      A COISA É TÃO FEIA, QUE NEM A OPOSIÇÃO, FAZ MUITA QUESTÃO DE PEGAR O ABACAXI…FORA OS ESCÂNDALOS, MARCA REGISTRADA DELA; APERTAR O CINTO, MAIS AINDA; VAI TRAZER UM DESCOMPASSO PRODUTIVO E DE CONCORRÊNCIA;DIMINUINDO ASSIM, A COMPETITIVIDADE DO PAÍS…NÃO BASTA APENAS TROCAR AS MOSCAS…PLANO SÉRIO E AUSTERO, SERÁ NECESSÁRIO; DUVIDO QUE ELA CONSIGA CONDUZIR, ALGO SÉRIO!!!

      • SÉRGIO CARLOS FRANCISCO disse:

        ABACAXI?! Não fazem questão… Depois de tudo q o psdb/aético e certos setores da mídia amiga fizeram na campanha passada (sobretudo, a revista veja na sexta,véspera do segundo turno…), tá brincando?! Ou seria lembrança seletiva de fatos?!

      • Chico disse:

        Então deveria chamar vc, para economia ? Ou para gritaria???

    • jorge albuquerque disse:

      É, né, Paulo ?? as coisas vão mudar quer queiram quer não o partido dos trabalhadores (?) trabalhadores ???

  2. Everson Reis disse:

    Engraçado, durante a campanha Marina foi criticada pela presidentA ter uma banqueira, Neca Setubal – Itaú e em seu governo empossa Joaquim Levy – Bradesco!!! Kennedy, é chefA!!!

  3. Eduardo disse:

    Gosto muito das tuas análises, Kennedy. Mas, a tua implicância com o Guido Mantega é bastante injusta. Graças a política econômica adotada por ele, o Brasil não afundou em 2009. Várias políticas desenvolvimentistas apoiadas por ele, como o PAC, contribuíram para o crescimento do país. Se o tripé foi deteriorado nos últimos anos, foi com o objetivo de manter a taxa de desemprego baixa, incentivar o investimento (que não veio, é verdade), e no último ano, garantir a reeleição da Dilma.

    • Bruno disse:

      Eduardo, acho que o que o Kennedy falou quando disse que não tínhamos Ministro da Fazenda, sginifica dizer que tínhamos um ministro muito fraco politicamente, facilmente manipulável pela presidente e pelos subordinados. Uma coisa é adotar políticas anticílcicas. Outra é permitir desmandos no Tesouro “as tais pedaladas, no jargão do Armínio Fraga”, tomar decisões e logo em seguida voltar atrás, dar declarações estapafúrdias etc. Isso tudo ajudou a minar a credibilidade da economia e afastou os investimentos, que já estavam sendo reduzidos em função da crise.

  4. David Dias disse:

    É o erro esta nesses técnicos que não partilham da ideia de jerico do pessoal que faz parte do sapo barbudo, PT e dona Dilma a aceitarem os cargos. Estão se metendo com pessoas que gostam de estragar e não arrumar, colher e não plantar e para conseguir o que querem unem se ate com corruptos, ganhariam bem mais se ficassem de fora .Irão sair maculados. Estes pessoal querem igualar a tudo e à todos pois não aceitam a vontade de Deus que é o criador de tudo e tudo fez diferente para que possam evoluir veja se tudo o que tem o bem tem o mal, a terra, o sol, a água, o vento, os alimentos, a escuridão, os cabeludos, claridade, carecas e calvos e etc. Se não existirem os ricos e os trabalhadores os necessitados e os chupins não existirão. Devemos aceitar tudo o que Deus criou e como os criou e apenas ajudar em suas evoluções e, um dia, bem mais a frente serão todos melhores mas nunca igualados. Somos e seremos sempre individuais, o primeiro e o único.
    E, salve se o que puder.

  5. Pasquale disse:

    No País que nada funciona,pergunto pra que 39 ministérios?
    Só o fato, já demonstra o atraso na mentalidade.
    Mudanças? Que mudanças?
    Já sei,eram apenas para os benefícios do trabalhador ou quem sabe mais aumento de imposto,no País campeão do imposto em cascata.
    O resto deixa assim mesmo,que o povo paga.

  6. Claudia Malavasi disse:

    Já enquadrou!

  7. Eber Tardelli disse:

    Pelo q se diz nos bastidores, o ex ministro Mantega, não tinha autonomia para tomar decisões, Dilma, possui um perfil de centralizadora, muitos ministros tinham dificuldades de diálogo com a presidente, desqualificar o Mantega acho q não seria algo a dizer, ou até mesmo dizer q o Kennedy, tem implicância com ele também é algo um pouco exagerado. Mas como citado anteriormente, Mantega trabalhava com a mente de Dilma.

  8. Carlos disse:

    kennedy é imparcial.

  9. Joel Viral disse:

    Todo mundo tem medo do elefantinho azul !!!!!

  10. Francisco Oliveira disse:

    E ai que muita gente se engana o que a Senhora Katia Abreu queria era uma vaga no governo do PT já conseguiu se Dilma mandar ela se ajoelhar nos pes dela ela não pensa duas vezes. Uma pessoa que fingia combater o governo do PT como era dona Katia. o que ela queria já conseguiu era ser ministra e com certeza a ficha partidaria dela se filiando ao PT já deve esta até assinada é de gente dessa qualidade que o congresso nacional esta cheio.

  11. CBarros disse:

    Não bastasse a situação do país, a mídia em geral tenta agora desestabilizar o governo fomentando intrigas entre ministros e esperando com isso,portanto, enfraquecer a presidente Dilma Roussef. Lamentável, a atitude dos donos dos meios de comunicação.

  12. SÉRGIO CARLOS FRANCISCO disse:

    Dificuldade?! A Presidenta eleita é ela, eles não são nada pro eleitorado. Se fizerem ou disserem besteira(s), ela tem mais é q corrigí-los ou trocá-los, ela deve isso a quem votou nela e à população como um todo. Deveria começar por concertar o erro do corte de 50% nas pensões de aposentados assalariados. INACEITÁVEL isso. E q não me confundam com possíveis q tenham se arrependido de não votado em aético never (PRA VOTAR NELE EU PREFERIRIA TER VOTADO EM BRANCO.).

  13. Mario Moraes disse:

    Todos os preços dos produtos estão indexados a inflação, basta observar as compras realizadas nos supermercados, tendo objetivamente como exemplo a carne de frango, que no início do plano real custava R$ 0,99 / kg e hoje custa R$ 7,00 / Kg.
    O plano real “era” um plano viável que necessitava de ajustes, porém, foi destruído pela incompetência administrativa da “Quadrilha Petistas” e seus inocentes úteis.
    Produtos, serviços, tarifas… indexadas e salários congelados ou mal corrigidos. Nunca pensei que iria dizer uma coisa dessas, porém, estou com saudades do Sarney, seus 84% de inflação mensal, no entanto, com salários corrigidos mensalmente (gatilho salarial).
    Quanto aos adoradores do Partido dos Traidores (PT), alerto que a crise internacional começa a arrefecer, porém, nosso purgatório está apenas iniciando.
    Como fui idiota, votei também nesses incompetentes!

  14. Delmo Oliveira disse:

    Caro Kennedy:
    A Rousseff(criatura) vivia dizendo que: “Na hora da eleição se pode fazer o diabo.” Ela esquece que o diabo é também um aloprado, e vai cobrar caro sua fatura. Sinceramente pelo rumo que o desgoverno II da Rousseff(criatura) está tomando, é melhor fingir que está pronto para o IMPEACHMENT. Veja “Nunca na História desse país se roubou tanto em tão pouco tempo para tentar sustentar um projeto de perpetuação do PODER. PT NUNCA MAIS!!!

  15. icandre disse:

    Kennedy, voce sempre parte da premissa(errada) de que o PT, ou o que venha desse partido possa resolver algo em benefício da classe média trabalhadora. Imagine um banqueiro declinar de alguma fatia, por menor que seja, do lucro estratosférico obtido pelos bancos, para ajudar a pagar a conta. Voce ganha uma rapadura de presente se adivinhar que classe social vai pagar a conta, como sempre.

  16. antonio barbosa disse:

    Rapaz, a Dilma não termina este mandato. A sujeira é grande demais. Vocês nem sabem o que vem por ai quando abrirem as contas do BNDES.

  17. O Aventador disse:

    O que a Presidenta precisa fazer, e que não fez em todo o 1o semestre de 2014, é trabalhar. Muitas férias e muitas viagens são sinônimo de falta de comando. Chega de borboletear pelo exterior, atrás destas inúteis reuniões entre mandatários de outros países. Queria a presidência, está aí. Agora que trate de fazer sua parte. E deve começar instruindo esta ministrada a tomar cuidado com o declara para a mídia, esta mesma mídia que não é favorável ao PT.

  18. Antonio disse:

    O país tem tudo para se recuperar e voltar a crescer como no governo Lula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-08-11 18:59:24