aki

cadastre-se aqui
aki
Política
25-08-2016, 9h16

“Efeito Brexit” gera cautela em investidores sobre impeachment

Desafio de Temer é entregar ajuste fiscal e evitar desconfiança
15

KENNEDY ALENCAR
BRASÍLIA

Na economia, boa parte do mercado financeiro já antecipou o efeito da provável aprovação do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Há uma certa recuperação da Bolsa, o real voltou a se valorizar, mas existe o temor de uma espécie de efeito Brexit.

Ou seja, todo mundo achava que o Reino Unido não sairia da União Europeia. Os investidores e os políticos fizeram seus planos contando com esse cenário. O Reino Unido decidiu sair.

Hoje, tanto no meio político como no econômico, a expectativa é que o impeachment seja aprovado. O Senado começa agora a julgar a fase final do processo de impeachment.

No entanto, muitos investidores estão esperando para ver. Querem a confirmação oficial do impeachment para que ele seja devidamente precificado na economia. Portanto, há chance de uma onda positiva econômica após a aprovação da queda de Dilma.

Para a política, vale o mesmo raciocínio. O presidente interino, Michel Temer, e a equipe continuam fazendo promessas de austeridade. Terminada a interinidade, Temer se fortalecerá politicamente. O Brasil dará fim a uma parcela importante de incerteza.

Desde 2 de dezembro do ano passado, quando o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, aceitou o pedido de abertura de processo de impeachment, teve início um processo de incerteza sobre o futuro político do país. São quase nove meses nesse estado. Na prática, o país parou nesse período. É muito tempo.

Seria recomendável avaliar a eventual mudança dessa legislação, que permite o enquadramento de um presidente em crime de responsabilidade com relativa facilidade, sobretudo se ele perder sustentação no Congresso, como aconteceu com Dilma.

No caso de Dilma, a incompetência política e econômica agravaram a situação dela. Ela está colhendo o que plantou. Mas esse uso do impeachment como se o país fosse parlamentarista é uma ameaça a outros presidentes.

*

Ser ou não ser

O grande desafio de Temer é tirar do papel as promessas de austeridade. Temer está numa encruzilhada. Sua ascensão ao poder ocorreu porque Dilma não soube dar respostas às crises política e econômica. Se efetivado no cargo, terá de fazer uma escolha entre ceder ou enfrentar o histórico de irresponsabilidade fiscal do Congresso.

Até a semana que vem o Senado deverá tirar Dilma do poder sob a alegação de que ela cometeu um atentado fiscal contra a Constituição. No entanto, o presidente do Senado, Renan Calheiros, marcou para a semana seguinte a votação de uma farra fiscal, porque a elevação do salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal serve de teto para a remuneração de todo o funcionalismo. Tramita no Senado proposta para elevar o salário de um ministro do STF de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil.

Com que autoridade senadores que pretendem derrubar Dilma por ela ter sido irresponsável do ponto de vista fiscal podem agir do mesmo jeito uma semana depois? Em seguida, deputados e senadores vão pedir equiparação e assim por diante outras categorias o farão. Ou seja, os políticos querem dar uma pedalada salarial.

Renan falou que seria uma “mesquinhez” não dar esse reajuste. O impacto dessa “mesquinhez” pode alcançar R$ 5 bilhões. Será preciso distribuir óleo de peroba no Senado. Será muita cara de pau tirar Dilma numa semana e fazer uma farra fiscal na seguinte. Temer precisa ser firme em relação aos gastos públicos. O mercado já começa a duvidar da capacidade dele de entregar o ajuste. Desconfiança foi mortal para Dilma.

Ouça o comentário no “Jornal da CBN’:

Comentários
15
  1. Maria Aparecida Ramos Tinhorão disse:

    Os investidores internacionais vêm o país da mesma forma que nós vemos a Venezuela: um governo agonizante, um país na UTI.
    Apenas com instituições fortes, deixaremos de ser uma nação sem governança e gestão. Falta comprometimento !

    • walter disse:

      Perfeito cara Maria Aparecida, mas em algum lugar, querem despejar os Trilhões das especulações financeiras; nesta hora o Brasil, é perfeito; o mercado financeiro mundial, vivem de especulações,e precisam de novidades; mesmo o caso do “Brexit”, gerou uma nova veia, o Reino Unido, será alvo de especulações novas; nada melhor que correr riscos, num País, onde tudo favorece,suas taxas de retorno, são excepcionais;com exceção aos governos…Precisamos de investimentos verdadeiros…
      Quanto ao Temer Kennedy, acaba sendo muito bom para o Povo; é bom que não se sintam a vontade, para nos castigarem com “mirabolâncias”; terão que encontrar formas consistentes, de melhorar sem atropelar; precisamos de atitudes que gerem empregos e crescimento; nada de arrocho;estamos estrangulados.

  2. Edi Rocha disse:

    “Com que autoridade senadores que pretendem derrubar Dilma por ela ter sido irresponsável do ponto de vista fiscal podem agir do mesmo jeito uma semana depois?”
    .
    Essa é só mais uma prova de que o grande problema são nossos deputados e senadores, um congresso irresponsável do ponto de vista fiscal. Que votam para aumentar suas verbas e cobram impeachment do(a) presidente em seguida, por estar gastando demais. E o povo não vê isso. Que absurdo!
    .
    Povo, são esses deputados e senadores (centenas de corruptos) que estão acabando com o país. Eles se beneficiam por serem muitos e isso dá trabalho para citar os nomes de todos eles. Dizer Fora Dilma é mais fácil que “Fora A, B, C, D,…, ZZZ,… e ZZZZZ”.

    • Wellington Alves disse:

      Eu iria citar esta mesma frase, mas você já fez as honras. A classe média gosta de zombar dos nordestinos, dizendo que são enganados pelo PT. Mas foram como trouxas, com camisas CBF/NIKE, ficar pedindo impeachment, gritar que o problema é a presidente. REFORMA POLÍTICA é a saída. Esse Congresso é o nosso gargalo. Não tem como governar com 28 partidos representados. Não tem como bancar 515 deputados. Mas é mais fácil direcionar em uma pessoa só, usando argumentos pífios. GOLPE.

  3. Mauro disse:

    Qualquer situação na vida que possa causar dúvidas, gera temor e cautela e para isso cessar são necessárias que as duvidas sejam aclaradas, para que as pessoas voltem a sentir-se seguras.
    Investidores não agem com sentimento e sim com fatos, numeros e perspectivas para que suas açoes sejam de pouco risco.
    Um governo em transição causa certa paralisia em qualquer lugar do mundo e assim que a situação se define e se saiba qual o rumo de um novo governo, o “mercado” vai reagir de forma mais direta e todos esperamos que o pais possa voltar a crescer.

  4. Fernando Caleffi disse:

    Tenho nojo do Temer e de toda sua cambada.

    • Mauro disse:

      Com nojinho, asco ou qual sentimento for, assim como Zagallo e Neymar disseram em momentos
      distintos, eu peço licença e repito: VOCES VÃO TER QUE ENGOLIR!
      Aos incomodados que um dia sonharam que o Brasil seria uma Cuba ou uma Venezuela, há uma honrosa e digna saida: Aeroporto!
      Cuba e Venezuela estão de portas abertas a todos os “viuvos” e orfãos do PT e os receberá de braços abertos, com um aviso, qual seja: Na Venezuela e em Cuba não tem liberdade de imprensa; Em Cuba tem de trabalhar, diferente daqui onde os cumpanheiros só protestam e não fazem nada; em Cuba se protestar, vai preso.
      Na Venezuela se passa fome e se protestar o “cumpanheiro” Maduro, manda matar! Vão com fé, pois o Brasil honesto e trabalhador agradece!

      • Sebastiao Canabrava disse:

        senhhor mauro, que arrogancia. espero que, para o bem do pais, o senhor nao se arrependa de suas posicoes tao ortodoxas. tenho minhas posicoes politicas, mas nao almejo expulsar ninguem da minha convivencia somente por que pensa diferente de mim. pena que pessoas como o senhor pensam assim.

  5. Alberto disse:

    O momento é de “dilmexit”.Tudo o mais fica a seguir desse efeito,inclusive o “cunhexit”.

  6. Santos disse:

    O que temos de realidade é: a senhorinha que deverá sair foi, sem a menor dúvida, o governo mais nefasto para o país até hoje, tão incompetente que até os criadores da criatura abandonaram o barco e somente a defendem os que querem aproveitar os holofotes do impeachment ou os que perderão as benesses indevidas e quanto a tão dita “honestidade” da mesma, as investigações confirmarão ou não. Já o senhorzinho que chega, até o momento, está mostrando que está muito longe de cumprir o que prometia. A tal “ponte para o futuro” não nos levará a lugar nenhum se ele continuar teimando em tentar agradar a turma do “farinha pouca, meu pirão primeiro”. Um bom governo tem que fazer o que é necessário para TODOS e não o que agrada ALGUNS, coisa que com nossas atuais “excelências” é muitíssimo difícil, mas não impossível devido a situação calamitosa do país.

  7. gabriel disse:

    O interessante é que quando era o PT no governo a mídia não deu um dia sequer de trégua, batia direto, os 39 ministérios, os 4000 CCs, o descontrole dos gastos públicos, e o Cunha incendiado com suas pautas bombas, pra enfraquecer Dilma, ao vetá-las. Agora esses se calam, cadê o corte de ministérios, os CCS, dos 170 bi de déficit, já estavam embutidos a generosidade que passa dos R$ 127 bilhões: R$ 67,8 bilhões do reajuste para os servidores da ativa e aposentados até 2018; R$ 50 bilhões da renegociação da dívida dos estados; R$ 4,8 bilhões com reajuste do Bolsa Família até 2017; R$ 2,9 bilhões de ajuda ao Rio de Janeiro, em estado de calamidade; R$ 1,7 bilhão de renúncia fiscal com a ampliação do Supersimples em um ano. Ai eu pergunto, seria má fé as criticas ferrenhas da mídia, da oposição, dos empresários? Ou seria desinformação, ou então foi tudo articulado para o exito do golpe? Que moral tem essa gente pra julgar Dilma, hipócritas, sem moral.

  8. Ricardo disse:

    Dois pesos, duas medidas. O pior de tudo é que a quadrilha do Congresso Nacional só está dando força para a Marina ser eleita em 2018. Só que isso ocorrendo, vamos entrar num novo ciclo de “guerra” pelo poder: a Marina tentando presidir e o Congresso achando que já somos uma republiqueta parlamentarista. Só quero ver quem vai pagar essa conta. Tá na cara que vão ser os mais pobres. Afinal de contas, com os ricos ninguém tem coragem de mexer.

  9. Silvio Vidotte disse:

    É tudo conversa fiada e politicagem. Nada justifica o que fizeram os golpistas: 1) criaram e alimentaram as condições para a instalação de uma crise. 2) Pararam o pais no legislativo com as pautas bombas. 3) incentivaram o quanto pior melhor, queriam só tomar o poder, inconformados com a derrota nas urnas.

    Podem falar o que quiserem, mas não enganam. Roubaram os votos de mais 54 milhões de eleitores e brasileiros dessas familias que ainda não votavam.

  10. A.O. Brasil disse:

    A Economist falou na edição da semana passada: o Temer já melhorou a economia APENAS POR NÃO SER DILMA. Fim de papo. Qualquer alternativa é melhor do que o lamaçal de incompetência e corrupção de Dilma e Lula.

  11. O Brexit foi o plano que originou a saída do Reino Unido da União Européia; e em minha opinião não acho que tem alguma comparação com o cenário político brasileiro. Pode haver algum efeito no bloco econômico europeu, claro; mas, a realidade brasileira é outra. A crise econômica no Brasil foi gerada pelo sistema financeiro. A presidenta prometeu um ajuste fiscal na campanha eleitoral que não era preciso incluir esta proposta no programa de governo para ser reeleita. Não cumpriu. O sistema financeiro iniciou um boicote e a legenda derrotada aproveitou e formou um bloco de oposição tendo a OAB, A Fiesp e a imprensa como aliados para depor o governo. O governo interino assumiu a crise acabou e deixou de ser manchete. A Câmara, o Senado e o STF que tem políticos envolvidos em corrupção apóiam o Impeachment para sangrar a CPI que investiga os envolvidos em crimes financeiros. A crise vai continuar mesmo porque se o Impeachment passar o governo vai ter que entregar o ajuste fiscal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-10-20 17:02:39