aki

cadastre-se aqui
aki
Economia
07-11-2019, 10h07

Fracasso do leilão do pré-sal é resultado do isolamento internacional do Brasil

Bolsonaro colhe os erros de gerar crises e da política externa
10

Kennedy Alencar
BRASÍLIA

Há fatores internacionais que contribuem para explicar o fracasso ontem do “megaleilão” do pré-sal. O mercado internacional tem muita oferta de Petróleo. A Arábia Saudita quer extrair até a última gota. Investidores viram risco grande na empreitada.

Mas um outro fator tem razão doméstica: a falta de confiança inspirada pelo presidente Jair Bolsonaro, que vive criando crises desnecessárias como forma de governar e manter mobilizada a sua base política de extrema-direita.

O isolamento internacional do Brasil provocado por uma política externa burra tirou o país do mapa. Para agravar o quadro, a equipe econômica andou vendendo vento: os tais R$ 106,5 bilhões que estariam garantidos no leilão. Levou R$ 70 bilhões e dois campos ficaram encalhados. Os dois vendidos foram arrematados pela Petrobras.

Estrangeiros fugiram da disputa. Só duas estatais chinesas aceitaram participação menor numa empreitada com a Petrobras no campo de Búzios. É irônico que duas estatais chinesas tenham socorrido o Brasil e nenhuma empresa dos EUA, país incensado por Bolsonaro, tenha dado o ar de sua graça.

Os estrangeiros estão ressabiados com o Brasil.

*

Falta de seriedade

É ruim para Bolsonaro que ele tenha postado uma mentira sobre a saída de empresas da Argentina e tenha apagado depois o que escreveu. Mas é pior para o Brasil.

É um comportamento que só reforça a falta de confiança no país. Também é inexplicável a forma como o Brasil trata a Argentina. Bolsonaro aprofunda uma crise que não deveria existir nas relações entre dois vizinhos tão importantes e dependentes um do outro.

*

Vergonha nacional

O IBGE mostrou que 1 em cada 4 brasileiros vive com renda mensal inferior a R$ 420,00. Esse é o grande nó do país: a desigualdade social.

Investimentos públicos para gerar emprego e uma reforma tributária progressiva, cobrando menos impostos dos mais pobres e mais dos ricos e taxando mais a renda do que o consumo, são as medidas que o governo e o Congresso deveriam priorizar.

Ouçam abaixo os comentários de ontem no “Jornal da CBN – 2ª Edição”:

Comentários
10
  1. ANTONIO disse:

    Caro kennedy. A grande verdade é que o Governo vendeu petróleo que não tem, para si mesmo, pois, afinal, a PETROBRAS é uma estatal. Isso, sim, foi uma pedalada. Obrigaram a PETROBRAS a participar de uma fraude. Deu o lance mínimo, mas não apareceram outros compradores.Agora,vai ter de tomar empréstimos para dar dinheiro para o governo. Um,a grande PEDALADA!

  2. Elaine disse:

    Parabéns Kennedy, excelente análise.

  3. Laercio Conterato disse:

    Infelizmente somos governado por essa coisa. Onde demonstra total despreparo para governar sequer um município. Estamos vendo todos os dias a sua incompetência e despreparo; mas sobra sim muita ignorância. Isso tudo os países e investidores estão vendo e quem vai pagar o erro por ter colocado ele no poder é o povo brasileiro; povo guerreiro ( sem armas, mas com
    muita dignidade).

  4. Carlos disse:

    É muito engraçado e, até patético, agora ver os comentaristas de economia gaguejarem, tergiversarem e buscar mil desculpas naquilo que seria a salvação da lavoura para o país, essa história dos leilões do pré-sal. Os “catequistas” do capital, nem eles mesmos acreditam naquilo que ganham para pregar.

  5. walter nobre disse:

    Tudo tem seu tempo caro Kennedy, não foi o resultado esperado, teve retorno sim com este derramamento de óleo, causou sim insegurança nos investidores, mesmo a assim, foi arrematado. A Argentina precisa desculpar se, diante do fiasco contra o governo brasileiro, como disse antes, terão que agir pela embaixada, já que a falta de postura não agrega valores, para ninguém. Sobre rendas inferiores a 420, reais, não podem ser atribuídas a este governo, com tão pouco tempo, vale lembrar pelo menos da dilma nesta seara, para ser justo.

  6. Brasil sem rumo. disse:

    Isolamento internacional para seus parceiros comerciais em potencial e esquecimento do seu povo, sua maioria pobre a miserável. Nosso governo não é militar. É uma nova administração daqueles militares (seus familiares com a mão no erário por décadas) ruins da ditadura. Logo produzem no continente, no país e no mundo, o pior que fizeram aqui. Nesta etapa “Bolsomínios” ao contrário do que arrotam as câmeras e redes sociais. Militarmente mostram sua submissão ao pré ex-presidente “Trump”, o pior representante americano. Que fará daquele país uma futura Cuba. Já que os demais países em breve começarão a boicotá-lo. Pelas razões do clima, pelo protecionismo, pela ação catastrófica que ele faz ao mundo. Tão ruim quanto ao nazismo alemão. Claro, com a falsa cara do capitalismo. Já que protecionismo e imperialismo são de ditadores da economia. Onde a “mão invisível” é aquela do superfaturamento em consequência da dominação. E Bolsonaro para Trump, é um primo que fala grosso, mas se dobra.

  7. Brasil sem rumo. disse:

    Do megaleilão, onde aconteceram as compras (vendas brasileiras), os parceiros são aqueles conquistados pelo governo Lula. Então aceitem ou não, Bolsomínios, legado da esquerda mais direita do Brasil. A falta de seriedade deste governo é a evidência do desconhecimento militar, da arrogância. O Brasil não deve se envolver com os governos de seus vizinhos. Ao contrário, já devia ter colocado dentro de seu território, com uma margem de segurança, dividindo o país em um quadrante (Norte, Sul, Leste e Oeste), baterias de proteção a eles. Demonstrando além da parceria econômica, a soberania assegurada contra invasores estrangeiros. Recado ao mundo, pelo nosso território ninguém invadirá quem quer que seja. E independente do governo que lá está. Isto é negociação paramilitar e econômica. Mostraria o Brasil grande. Não de joelhos, ou curvado de mãos na parede. Cuba é um potencial para as indústrias do Brasil, turismo lá e aqui. O certo era o Brasil considerar Cuba parceiro comercial potencial.

  8. Brasil sem rumo. disse:

    Bolsonaro militamente é um fracassado. Se críticas verdadeiras fossem ditas aos jornais, aos seus eleitores. Já teria caído a máscara de ordeiro, de protetor, de militar que preza a soberania e já estariam enxergando aquele garoto filhinho de papai que queria ser soldado de chumbo. E todos enxergariam um militante que fez uma rebelião, a toque de “terrorismo”, para como o judiciário proteger seus interesses de classe. Mais nada este senhor eleito pela faca, por Curitiba e seus homens maus é. Seus aliados no RJ, tornam, ou tornarão o caso Marielle uma peça de teatro ou filme cômico. Aliás, revejam o filme “A lei é para todos”, com uma pitada de Glenn e a Vasa Jato, e você terá uma comédia revelada pela mentira. Onde heróis, se não demagogos, bandidos que assassinaram a lei, a verdade e o trabalho do judiciário honesto, e das polícias sérias. O Brasil está se isolando dos brasileiros. Desarmados, calados. Em casa, em seu campo de concentração, esperando a “morte chegar”.

  9. Wilson disse:

    A pretexto de corrigir e punir desvios, que, evidentemente são atos de pessoas (empresas não praticam atos, no sentido estrito), a Petrobrás foi exposta quase diariamente a toda sorte de ataques. Resultado: de “players” globais do petróleo, Petrobrás e Brasil, hoje, imploram, por assim dizer, investimentos… que não aparecem (talvez por que o ganho oferecido não seja bom o suficiente). Estivemos perto de ter um Fundo Soberano. Agora, chega-se ao ridículo de ridicularizar nossa soberania.
    Não é prudente crer que a piora tem limite. Não tem. O fundo do poço sempre pode ficar mais fundo, e não se trata de poço de petróleo.
    Se, brasileiros, não tiverem as rédeas do seu próprio país, não brasileiros a terão. A política, como repetia Ulisses Guimarães, odeia o vácuo.
    Em tempo: este é o único Brasil que nós temos.

Deixe uma resposta para Laercio Conterato Cancel reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2019-11-22 18:11:03