aki

cadastre-se aqui
aki
Política
22-03-2017, 9h16

Governo perde discurso de reforma da Previdência quase universal

Exclusão de servidores estaduais e municipais é 1ª grande concessão
19

KENNEDY ALENCAR
BRASÍLIA

O presidente Michel Temer fez ontem a primeira grande concessão na negociação da reforma da Previdência porque conhece bem o Congresso Nacional. Viu que, sem excluir todos os servidores estaduais e municipais da reforma da Previdência, a proposta não seria aprovada pelo Congresso Nacional.

Temer entregou parte dos anéis para não perder alguns dedos. Foi uma ação pragmática, mas que tem um preço político e econômico. Todo o discurso do governo estava centrado em criar uma regra que valeria para todo mundo, com exceção de militares e de policiais militares. Essa concessão quebra esse discurso de reforma quase universal. Esse é o preço político a ser pago.

O preço econômico: incluir servidores estaduais e municipais contribuiria para ajudar a equilibrar as contas de Estados e das cidades. Se o Congresso Nacional não aprovar regra mais dura de aposentadoria para servidores estaduais e municipais, dificilmente governadores e prefeitos terão maior sucesso. Isso significa que uma perna importante do desequilíbrio fiscal do país continuará a existir.

O presidente argumenta que não há efeito para as contas públicas federais, mas Estados e municípios quebrados têm sido pródigos em pedir dinheiro à União. Indiretamente, portanto, afeta as contas públicas federais.

Mais concessões deverão ser feitas para aprovar a reforma. Já há decisão política de suavizar as regras para aposentadoria rural que estão na proposta de reforma da Previdência. Também deverá ser inviável aprovar benefícios menores do que um salário mínimo. E ainda há forte pressão para amenizar as regras de transição para homens com menos de 50 anos e mulheres com menos de 45 anos.

O governo Temer montou um ministério voltado para o Congresso Nacional a fim de ter cacife para votar reformas duras. No entanto, a recessão econômica e as turbulências da Lava Jato, como essa fornada de delações da Odebrecht, tornam difícil aprovar uma reforma da Previdência tão dura como a que foi enviada pelo governo ao Congresso.

*

Aperitivo federal

A Operação Satélites, uma fase da Lava Jato, foi um aperitivo do que está por vir. Essa operação foi a primeira baseada nas delações de executivos da Odebrecht. Ontem, houve procedimentos que estão relacionados à investigação de três senadores do PMDB e um do PT.

Devem ocorrer outras fases, que atingirão políticos até agora preservados de diligências da Polícia Federal e do Ministério Público. Por exemplo: integrantes do PSDB e do DEM. O nível de tensão está alto na Câmara e no Senado.

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
19
  1. Maria Aparecida Ramos Tinhorão disse:

    Qualquer reforma precisa necessariamente de partidos e pessoas comprometidas. Como é possível contar com traidores do próprio PMDB ?
    Requião e Katia Abreu, já deveriam ter sido chutados desse partido por defenderem Dilma e seus asseclas… que reforma resiste a isso ?

    • Clarivaldo Freire disse:

      É estarrecedor como se mantém o discurso do ódio. Quer dizer então que quem defende uma pessoa inocente, sim, porque não se provou o crime de que acusaram Dilma, deve ser execrado? Vejo ai ignorância ou má-fé.

    • Flavio Portela disse:

      Não creio que ainda há pessoas que insistem nesse discurso tosco e sem nexo, como que a corrupção esteja instalado em um único partido e em um único governo.

  2. walter disse:

    Caro Kennedy, esta exceções na previdência, vão criando precedentes para pouca credibilidade na reforma…nesta hora o congresso deveria se unir, e falar a mesma língua…
    O governo Temer vai ter que se dedicar de verdade nestas reformas previstas; precisar FOCAR, pela ordem, não dá para querer todas as reformas ao mesmo tempo…esta tentativa da votação fechada, é o grande exemplo da falta de união dos seus pares…Se este ano não fizerem nada até o més de agosto, muito provavelmente, vão tropeçar em sequência…tentar viver do pouco feito, não vai permitir a continuidade deste governo. O País precisa de muito mais, até o próximo escândalo…

  3. juliano disse:

    Brasileiros, se não for universal não funcionará. Se houver deficit na Previdência será consequência dos altos salários pagos ao governo e seus membros. Não tem o menor sentido diminuir o já minúsculo valor da aposentadoria dos trabalhadores da iniciativa privada. Por isso e para convencer-nos deve ser bem explicada e discutida. Não podemos receber calados este segundo Golpe! Somente em 2018 com novo governo haverá possibilidade de uma Reforma eficiente e efetiva, como todos nós brasileiros queremos.

  4. GILBERTO APARECIDO MANFRE disse:

    Somente 1/8 da Pizza da Previdência consome praticamente outros 7/8 que são da iniciativa privada e os aposentados privados.Ninguém fala nada sobre as aposentadorias altíssimas pagas ao herdeiros de militares, políticos aposentados ganhando fortunas, sem contar os outros privilégios adquiridos.
    Por que o governo não coloca na PEC o Teto pago do INSS aos já aposentados acima,ah! não pode por se tratar de direito adquirido. Nossa… è mesmo até Nosso Presidente já se Aposentou antes de propor a reforma, por que será??? A Constituição é clara quando se fala de IGUALDADE. Qual, ou Quais?

  5. Paulo disse:

    Está na cara que o governo só está querenda afastar os funcionários publicos desta reforma, pois eles tem um grande poder de manifestação e persuasão.

  6. Carlos Junkes disse:

    Me admira em muito ver o povo Brasileiro deixar que eles façam esta mudança desta forma deliberada, da forma que melhor lhes convêm, e me pergunto: Neste momento, tão importante para os trabalhadores de todas as classes e categorias, ode estão os sindicatos, os movimentos humanitários, OAB, todas as FIESP, FIERGS, FIESC….. e tantas outras mais, e todos os trabalhadores? Onde estão todos? Por que não fazem mobilizações, debates, para ir contra esta sacanagem que querem fazer??

  7. Luiz Lucchesi disse:

    Absurdo!
    Se não houver esta reforma, não há como pagar os benefícios daqui à poucos
    anos. Sinto pelos idosos que dependem deste para conseguir sobreviver.
    O Brasil é o País dos benefícios.

  8. Nickson disse:

    O golpe está custando caro.
    Esses políticos desgraçaram o país.
    Congresso e STF são os responsáveis pelo fundo do poço.
    Ministro do PSDB atuando dentro do STF para livrar os maiores bandidos da história do Brasil, aqueles de bico comprido.

  9. Marciley disse:

    Esta reforma da previdência é um assalto para os trabalhadores, em especial do regime geral, os que produzem as riquezas deste país. Será uma grande injustiça se tivermos que pagar este rombo que falam. Como uma pessoa a partir dos 55 anos vai trabalhar na iniciativa privada, onde não há estabilidade e vemos um achatamento de salários e substituição dos funcionários antigos por mais novos com salários baixos. Vamos ter no futuro um a quantidade enorme de jovens senhores e senhoras qualificados ou não, desempregados e sem aposentar, procurando qualquer trabalho para sobrevivem

  10. Não consigo compreender porque se fala tanto em definir uma idade mínima para se aposentar (65 anos). O desGoverno em seus discursos cria evidências da impossibilidade de se trabalhar 49 anos para se ter 100% da aposentadoria. Matematicamente cria provas contra si da irresponsabilidade transcritas e pior debatidas pelos Senadores e Deputados Federais. Prezados, larguem a tal idade mínima (brasileiros estudarão 8 horas). Discutam tempo de contribuição. Para não saírem ridicularizados. Eram 23 anos de pós vida. Passará a ser 8 anos pós vida. Kennedy, se o tempo aumenta, a pós vida diminui, o que acontece (ou deveria acontecer)? Será maior a retirada-aposentadoria. Vivemos isto nas Fundações Fechadas. Quando o governo vai aumentar a idade mínima de novo? Temos que diminuir os supersalários pagos. Distribuir renda. Aumentar o mínimo, aumentará consumo, melhorará o comércio, que exigirá indústrias, que gerará serviços=TRIBUTOS=Equilíbrio Financeiro do País. O resto é Balela Governista. Sds

  11. Toda e qualquer reforma, que for feita para prejudicar e tirar direitos do povo brasileiro, irá se tornar em um caos, porque não fazem reforma nos direitos dos poderosos ? E se essa reforma for aprovada será o Fim do Brasil

  12. Bento Amâncio disse:

    Fico pensando nas pessoas, como eu e a minha esposa, que estudamos pagando faculdades particulares e cursos de especialização, trabalhamos na atividade particular (eu) e particular/município-SP (ela) até nos aposentarmos, conseguindo com esse trabalho duro, adquirir três imóveis e dois veículos (Meriva 2005), Saveiro (2014).
    O governo estuda a proposta de que não haja o acúmulo de aposentadorias e pensão por morte, queria incluir sistemas previdenciários estaduais e municipais, que tem regime de financiamento próprio, na dita “reforma”.
    Seu um de nós falecer, o sobrevivente da relação pagará o convênio (pesadíssimo), o IPTU das três residências (pesadíssimos, residências não luxuosas), IPVA dos, modestos, veículos entre outras despesas fixas advindas do nosso “sucesso”, com metade da renda que ambos temos hoje? E os filhos que estudam em universidades, e são custeados até poderem trabalhar, vão estudar a noite, em universidades (depósitos) de alunos mal ensinados e cursos ruins?

  13. José disse:

    Isso não passa de uma manobra política. Depois a União passará a exigir dos Estados que enquadrem seus regimes previdenciários – como condição para empréstimos, rolagem de dívidas etc. De qualquer maneira, já tem mais gente fora da reforma do que dentro. JÁ ESTÃO FORA: Militares, servidores públicos estaduais, servidores públicos municipais. Se existe débito (o que não acredito), esses aí respondem por 95% dele…
    De qq. maneira, não é possível que a reforma ferre somente os trabalhadores da iniciativa privada e os servidores públicos federais. Os servidores federais já têm idade mínima para aposentar (60 anos) e devem contar com 35 anos de contribuição…E o des-governo do MT quer piorar ainda esse quadro?

    • RENÉ disse:

      Bom dia,
      não é estranha a retirada dos servidores estaduais e municipais da reforma da previdência, por conseguinte, afetando diretamente apenas os servidores da operação lava jato, ou seja, polícia federal, MPF, justiça federal, receita federal…

  14. Jonas disse:

    Deviam excluir a todos da reforma da previdência, exceto os batedores de panela manipulados que foram pras ruas pedir golpe de estado só para colocar esses canalhas no governo. Eles que fizeram a burrada então eles que fiquem sem aposentadoria.
    Mas como sempre vamos punir os mais pobres para garantir os privilégios dos hipócritas e burocratas, enquanto os manipulados batem palmas.

  15. RENÉ disse:

    Essa exclusão dos servidores estaduais e municipais da reforma da previdência indica que o foco está na operação lava-jato, haja vista que apenas os servidores da polícia federal, MPF, justiça federal e receita federal serão atingidos, por conseguinte, um duro golpe indireto que ninguém está percebendo…

  16. Edgar Soares da Silva disse:

    É uma falácia, não houve exclusão nenhuma, ele só que evitar os desgastes e dividir esta responsabilidade com os GOVERNADORES e PREFEITOS, lembra da PEC do TETO, limita gastos em 20 anos, ela garantirá ajuda os ESTADOS E MUNICÍPIOS se aderirem, as metas propostas pela união, principalmente os que estão em risco de falir como o RIO DE JANEIRO. Sem saída é o DOCÊ OU AZEDO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-10-27 03:35:00