aki

cadastre-se aqui
aki
Economia
06-02-2019, 12h27

Guedes põe na sala todos os bodes previdenciários

Mercado ficará feliz economia de R$ 750 bi em 10 anos
1

Kennedy Alencar
BRASÍLIA

O ministro da Economia, Paulo Guedes, colocou todos os bodes na sala na minuta de reforma da Previdência revelada pelo jornal “O Estado de S. Paulo” na segunda-feira. Elaborou proposta draconiana, jogando alto porque sabe que o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso a desidratarão.

É a política como ela é.

Em termos de negociação, a jogada foi inteligente. Está na praça o texto do sonho do mercado financeiro. Guedes fala numa economia de até um R$ 1 trilhão em 10 anos ou 15 anos _a depender da proposta que Bolsonaro encaminhe ao Legislativo.

O mercado financeiro ficará feliz com qualquer número superior ao projeto do governo Temer, que previa algo entre R$ 550 bilhões e R$ 600 bilhões de economia. A marca dos R$ 750 milhões de economia em 10 anos seria celebrada pelo mercado e elevaria bastante a Bolsa brasileira, agradando aos mais bem informados e mais bem posicionados.

*

Pediu a bola

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), posicionou-se nesta terça como o grande articulador da reforma da Previdência no Congresso.

Para respeitar o acordo com setores da minoria que votaram nele para comandar a Casa, Maia descartou a possibilidade de aproveitar a Proposta de Emenda Constitucional do governo Temer que foi aprovada em comissão especial, pronta para ser votada no plenário.

Não é o ideal para o governo, mas é bom para Maia, que disse que isso afastaria uma guerrilha parlamentar da parte da minoria. Acredite quem quiser.

*

Jogando juntos

Uma ideia da dupla Maia-Guedes, que jogou afinadíssima ontem perante as câmeras, é atrair o Senado para a negociação da reforma Previdência já no começo da tramitação na Câmara. Assim, a tramitação poderia ser célere no Senado.

Mas será preciso combinar com os russos. O processo de disputa pelo comando do Senado deixou feridas que precisam ser curadas.

*

Justiça social deve ser prioridade

Se realmente combater privilégios das altas carreiras do funcionalismo (magistrados, procuradores e militares, por exemplo), Guedes terá chance de apresentar boa reforma. Trabalhadores liberais que se aposentam mais cedo e com melhores benefícios no regime do INSS também devem dar a sua cota de sacrifício.

Exceções deveriam ser feitas apenas para preservar os mais pobres. Militares deveriam ter as mesmas regras que demais servidores públicos e trabalhadores da iniciativa privada.

As excepcionalidades que existem hoje beneficiam uma elite sem compromisso com o país. É um regime previdenciário que funciona como uma fábrica de desigualdades e uma máquina de transferência de renda dos mais pobres para os mais ricos, como corretamente disse Guedes.

Maia tem razão ao sugerir que o povo se revoltaria se entendesse como esse regime de privilégios da elite é danoso aos mais pobres e às futuras gerações.

Ouça abaixo o comentário feito ontem no “Jornal da CBN – 2ª Edição”:

Comentários
1
  1. É importante que blogs independentes como este continuem mostrando para a sociedade o que realmente ocorre na reforma da Previdência. O INSS deve respeitar o trabalhador e não forçar o mesmo a trabalhar até morrer e nunca ter o direito de se aposentar.

Deixe uma resposta para Augusto Mateus Cancel reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2019-03-21 19:27:58