aki

cadastre-se aqui
aki
Entrevistas
18-09-2019, 7h32

Haddad diz que mais importante é união da esquerda no 2º turno de 2022

'Se a gente se ofender, não vamos longe", disso sobre ataques de Ciro
8

Kennedy Alencar
BRASÍLIA

Ex-ministro da Educação e candidato presidencial do PT derrotado na eleição de 2018, Fernando Haddad disse que o mais importante do uma “candidatura única” é a esquerda estar unida no segundo turno das eleições presidenciais de 2022. “A pergunta que tem de ser feita não é se vai ter uma candidatura única. É se nós vamos estar juntos no segundo turno”, afirmou, em entrevista ontem ao “Jornal da CBN – 2ª Edição”.

Segundo o petista, a “eleição em dois turnos permite variabilidade muito grande de composições”. “O que nós temos de garantir é a unidade no segundo turno. Não podemos correr, de novo, o risco de tanto retrocesso.” Segundo Haddad, o governo Bolsonaro ameaça a democracia por ser autoritário.

Haddad evitou rebater críticas duras feitas ao PT por Ciro Gomes (PDT), também candidato derrotado em 2018 ao Palácio do Planalto. “Se a gente começar a se ofender, nós não vamos longe. Nós estamos com um desafio enorme pela frente, que é superar o drama do governo Bolsonaro”.

O petista lembrou que, no programa “Roda Viva” desta segunda-feira, o ex-presidente Michel Temer usou a palavra “golpe” para se referir ao impeachment de Dilma. O peemedebista disse que o impedimento “poderia ter sido evitado” caso Lula tivesse assumido a Casa Civil em março de 2016.

Haddad considera que não houve “base legal” para tirar Dilma Rousseff do poder e que ocorreu um golpe, contrariando tese de Ciro em entrevista à CBN na semana passada.

O petista defendeu “a imparcialidade da Justiça” para que Lula seja livre. Afirmou que houve uma condenação injusta do petista pelo então juiz Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça. Segundo Haddad, na Lava Jato, “não houve apenas o intento de combater a corrupção, mas também de fazer política”.

Para o ex-ministro da Educação, a Vaza Jato deixa isso muito claro. Haddad acusou procuradores da República de tentar interferir nas eleições. “Essas coisas não são normais em uma democracia.” Considerou que ocorreu instrumentalização do “Ministério Público, que sempre foi respeitado pelos nossos governos”. Entre outros exemplos, mencionou como abuso da Lava Jato “a divulgação da delação do Palocci pelo Moro às vésperas da eleição”. Haddad disse que “isso tudo já está documentado” pela Vaza Jato.

O petista declarou que seria preciso fazer um “fazer balanço crítico e sereno” das eleições de 2018, rebatendo a tese de que a sua candidatura foi “uma fraude”, como disse Ciro. “Sou testemunha viva de que o Lula duvidava de que a sua candidatura fosse ser cassada”, ressaltando que o ex-presidente liderava as pesquisas. “[Lula] lutou com a convicção da sua inocência e com a certeza de que ganharia a eleição.”

Haddad revelou um um bastidor da campanha. “O que eu propus a interlocutores do Ciro Gomes, nomeadamente ao professor Roberto Mangabeira Unger, com quem eu tenho uma amizade pessoal, foi que eu achava e defendi que o Ciro deveria ser vice do Lula e, em caso de impedimento [da candidatura do ex-presidente, o que veio a acontecer], eventualmente encabeçar a chapa.” Segundo Haddad, essa sondagem foi peremptoriamente descartada por Ciro.

Sobre autocrítica do PT em relação a casos de corrupção e ao desastre econômico do governo Dilma, respondeu que já foi feita. “Fui crítico de algumas medidas do governo Dilma enquanto ela era presidente e eu, prefeito de São Paulo.” No entanto, ele não deixou de reconhecer a “sabotagem [do PMDB e do PSDB]  contra a Dilma depois que ela foi reeleita”, ampliando a crise em que o país se encontra até hoje.

“O maior erro do PT foi não ter feito a reforma política, porque, com o financiamento de empresarial de campanha, as chances de alguém cometer um erro em nome da causa eram muito grandes”, opinou.

De acordo com Haddad, o PT não é refém de Lula, mas considera o governo do ex-presidente “uma referência” em vários aspectos, como política externa, preocupação com os mais pobres e políticas ambientais e de direitos humanos. “Ninguém termina dois mandatos com 86% de aprovação. São raros os exemplos no mundo de alguém que tenha saído de forma tão apoteótica quanto ele. (…) Quando você pergunta para as pessoas quem foi o maior presidente da história do Brasil, o Lula ganha disparado.”

“O governo Bolsonaro é um enorme retrocesso. Você tem cientistas sendo acuados, artistas sendo acuados”, ressaltando que a imprensa também tem sido atacada. “Do ponto de vista da política social, nós [o governo Bolsonaro] estamos devendo muito. Não começou o governo, gente”. Ele afirmou que não existem políticas de meio ambiente, direitos humanos, saúde, educação, economia e relações exteriores.

Ouça a entrevista concedida ontem à noite:

Comentários
8
  1. Marcio disse:

    Imaginemos por qual razão o Hadad quer uma união apenas no segundo turno?
    Quer dizer, o pau pode comer no 1° turno à vontade, inclusive entre integrantes da mesma linha “progressista”. No segundo turno, mediante a um cenário lógico derrota de muitas candidaturas – apenas 2 passarão – quando já não houver muito mais o que salvar, o raciocínio diz “vamos nos unir no naufrágio”. Este mesmo raciocínio nos colocou na situação que vivemos hoje, tanto da esquerda, quanto da direita.
    São uns gênios!

    • walter nobre disse:

      Não há coerência Kennedy, fazer discursos de união não funcionam nem quando as coisas estão boas; nem apadrinhado pelo lula, o haddad não emplaca, será mais uma apelação, em torno do Ciro que também não agrega com seu destempero; todos da esquerda, terão que caminhar a té lá para encontrar um individuo equilibrado…com informações constantes da internet, não dá mais para dizer que nada aconteceu; precisam contar com a isenção do PT para as eleições pela sigla, todos sabem, com o tamanho de ações talvez seja um sonho e nada mais, para as próximas eleições; depois o lula estará na área,se esgueirando..

  2. Ronaldo disse:

    Inacreditável que, mesmo após tudo o que se viu e descobriu ao longo destes anos, estes caras não consegue fazer uma auto-crítica sincera e com peso que os coloquem na cena política com lisura.
    Lamentável!!
    Não respondeu sobre erros cometidos na economia e não falou nada sobre corrupção.
    Nunca serão reconduzidos sem que façam esta autocrítica.
    Por esta razão que dizem que a culpa do que vivemos hoje é, principalmente, pelo voto anti-PT.
    Parabéns, além quebrarem o país a partir do segundo mandato Dilma, ainda nos deram de presente o governo que temos hoje. Espero que estejam felizes.

    Ah, sim, qual a diferença entre a “militância de esquerda” e os “bolsomínions” de direita?

  3. Bozzolan disse:

    Passou da hora destes personagens se tocarem que eles não são mais referência de esquerda.

  4. Peixoto disse:

    Teve o meu voto e terá o próximo, gente boa, humano e honesto. Não sou o que vocês chamam de “Petista” mas vejo nele o mais preparado e culto, se tivesse ganho hoje a situação seria muito melhor em especial para os pobres. Mas como estamos no Brasil provavelmente não ganhe, se fosse na frança ou qq outra pais com educação seria um forte candidato. Brasileiro gosta de salvadores da pátria, safados, enganadores, machão, os preguiçosos gostam de ser enganados por populistas da direita como hoje e da esquerda também, este povo burro tem que se ferrar mesmo.

  5. Wagner Sá disse:

    Deixamos de eleger um intelectual super preparado para eleger uma família de bandidos milicianos.

  6. Carlos Carriel disse:

    Segundo turno? A melhor piada que eu ouvi, rindo muito!

  7. Rosinara Alves disse:

    Tenho medo que daqui a 4 anos esse demonio e seus filhotes não queiram largar o osso.Sei lá o que são capazes de fazer.Porque escrúpulos não têm nenhum.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2019-10-19 05:08:00