aki

cadastre-se aqui
aki
Política
16-03-2018, 8h23

Juízes federais fazem greve hipócrita e irrealista

Paralisação defendeu mordomias e privilégios
16

KENNEDY ALENCAR
LONDRES

Além da controversa legalidade de greve de magistrados, a paralisação de ontem dos juízes federais mostrou desconexão com a sociedade e irrealismo fiscal.

A Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil) fez um balanço. Segundo a entidade, houve adesão de 62% dos associados. O movimento foi convocado para defender o auxílio-moradia e reivindicar reajuste salarial de 40%.

Segundo alguns advogados e professores de direito, seria ilegal juiz fazer greve. Mas, mesmo que magistrados tivessem tal direito, as reivindicações são absurdas.

A defesa do auxílio-moradia, um penduricalho para ultrapassar o teto constitucional, não tem fundamento ético. Também é um pagamento controverso do ponto de vista legal _uma forma de descumprir o teto constitucional, como salário indireto, disfarçado.

O pior, porém, é invocar o combate à corrupção para defender esse privilégio, como se acabar com essa mordomia fosse uma perseguição ao trabalho dos juízes. É uma mistura de hipocrisia e esperteza usar esse argumento.

Justamente porque há um maior combate à corrupção no Brasil, a sociedade não tolera mais determinadas práticas. O combate à corrupção é um motivo a mais para acabar com o auxílio-moradia.

Aliás, será preciso acompanhar com lupa a decisão que o STF tomará na semana que vem a respeito desse assunto. Não pode resultar apenas num julgamento para restringir o auxílio-moradia, mas numa determinação para acabar com uma farra criada por liminar do ministro Luiz Fux. O Supremo não pode ceder ao pior tipo de corporativismo.

O pedido de reajuste de 40% não faz nenhum sentido. O atual salário já é fruto da incorporação de diversos penduricalhos feitos no governo Lula, mas a farra foi voltando ao longos dos anos.

Essa reivindicação é uma afronta à sociedade. Demonstra gula econômica. O Brasil vive enorme crise fiscal. Mais uma vez, uma parcela da elite, uma casta de funcionários públicos, comporta-se como se fosse dona do Estado, com direito a privilégios e mordomias.

Juízes não ganham pouco. Magistrados, com seus supersalários, são exemplos do patrimonialismo brasileiro. Gastos sociais importantes em saúde e educação sofreram queda. Falta dinheiro para políticas públicas destinadas aos mais pobres. Não há dinheiro sobrando para a educação e a saúde, mas os juízes querem ganhar mais. Em que país vivem esses magistrados?

A elite tem responsabilidade maior numa hora de crise. Deveria fazer sacrifícios em vez de defender o indefensável. Seria importante que vozes importantes, como as do juiz federal Sergio Moro e do procurador da República Deltan Dallagnol, fossem ouvidas a respeito disso. Afinal, os dois têm opinião sobre diversos assuntos e exercem uma liderança no Judiciário que é paralela à do STF.

Ontem, enquanto milhares de pessoas protestavam contra o assassinato da vereadora Marielle Franco e choravam a morte covarde dela, juízes federais se comportaram como Marias Antonietas, para usar uma definição adequada do jornalista Fernando Brito. Ontem foi realmente o dia da vergonha no Brasil, com privilegiados defendendo sem pudor os seus brioches, mas o país real era e é o de Marielle Franco.

*

Resistir é preciso

Reações que culparam a vítima foram significativas nas redes sociais ao longo dia de ontem. Sempre são surpreendentes e assustadoras a falta de solidariedade em relação à dor alheia e a facilidade para agressões autoritárias e gratuitas. Essas coisas se tornaram comuns no Brasil.

Mas, num dia tão triste como o de ontem, houve motivo para encontrar alguma alegria: ver a reação de milhares de pessoas que foram às ruas para homenagear e honrar a vida e a luta de Marielle Franco. É preciso resistir em defesa da civilização, contra a barbárie que é do agrado de figuras execráveis da vida pública e dos pequenos fascistas que saíram do armário.

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
16
  1. Fabio disse:

    Judiciario no Brasil se tornou um poder sujo, golpista e antinacional

  2. Alan Santos disse:

    Onde Vamos Parar…?!”Em que país vivem esses magistrados?” “Deveria fazer sacrifícios em vez de defender o indefensável”
    Essa é a absurda realidade do Brasil. Realidade que infelizmente não se ver o fim nem com um Telescópio tipo o Hubble. Quanta individualidade de poderes.

  3. Moisés da Costa Ribeiro disse:

    Realmente esses juízes, magistrados, promotores e ministros são uma casta desprezível que vive em outro planeta. É inadmissível que numa hora e numa conjuntura dessa alguém tenha a pachorra de defender esses privilégios.

  4. walter disse:

    Esta coberto de razão, caro Kennedy, nada justifica; estamos sem dinheiro, precisando das reformas, esperando celeridade na Justiça…quando os Juízes tentam transformar um penduricalho caro como auxilio moradia, ou (covardia) em definitivo…tentar nos convencer, que o auxilio ajuda na defasagem salarial, é mais grave que o próprio beneficio…também acho, que se for para permitir, que seja regulamentado, para evitar excessos…falta lisura em todos os poderes, quando tratamos do erário público…

  5. Angela Cristina Pires Laranjeira disse:

    Olá bom dia! Gostaria que você fizesse uma correção, é os juízes e promotores não são funcionários públicos. O estatuto jurídico deles é ambíguo nesta parte e o que é certo é eles são agentes políticos e devido à esse status, eles tem privilégios e prerrogativas de cargo que os funcionários públicos (na verdade servidores) normais não possuem. Então, essa confusão só contribui para desqualificar o funcionário público perante a sociedade e esconder o verdadeiro problema.
    LEI 8.112/1990 (dos funcionários públicos civis)
    Lei Orgânica da Magistratura Nacional (juízes e promotores)
    Conto com você para esclarecimento do público em geral, principalmente seus leitores. Obrigada.

  6. ANDRE disse:

    Não podemos relaxar um minuto na defesa da vida, da liberdade de expressão, do respeito, da democracia e da igualdade. A luta de Marielle é nossa também, pois aqueles que querem um mundo pior, queles que pregam o ódio, não descansam nunca.

  7. Bartira Rodrigues disse:

    Boa tarde!

    O texto sobre a greve dos juízes federais é perfeito e muito importante para combater os privilégios do judiciário. Eles continuam como pavão “não olham os pés”.

  8. […] Kennedy Alencar, no comentário matutino de hoje na CBN, reproduzido em seu blog: […]

  9. LUCILENE DE FATIMA FERRI AMARAL disse:

    “Seria importante que vozes importantes, como as do juiz federal Sergio Moro e do procurador da República Deltan Dallagnol, fossem ouvidas a respeito disso” Não entendi esta sua colocação: ambos já se manifestaram a favor dos penduricalhos…

  10. mano disse:

    prezados: querem saber a verdade: a elite (políticos, empresários, banqueiros, juízes), em regra, estão “ca_ _ _ do” para o povo.

  11. Humberto Amorim disse:

    Kennedy, que bom que ainda existem jornalistas dignos como você, com a sensibilidade crítica e a responsabilidade histórica para tocar – com coragem e isenção – as questões decisivas que atravessam o país. Especialmente em tempos fascistas e de silenciamento das vozes, é um feito muito admirável. Todo o meu respeito.

  12. Pereira disse:

    Realmente é um absurdo greve por mais salários, com um ótimo e gordo salário, ainda brigam por mais o auxilio moradia, mesmo tendo residencia própria. É muita regalia, tem veículos, segurança e moradia de graça. Isso tem que acabar tanto para os juízes como para os políticos que também usufruem desse direito injusto. É muita regalia para poucos e para maioria dos cidadãos nada. Tudo o que se precisa usar a seu favor não se tem direito. Quantos estão morrendo nessa guerra no Rio de Janeiro. Essa intervenção só serve mesmo para gastar mais. Infelizmente esse é o Brasil atual, cheio de injustiças.

  13. Elena disse:

    Saiu uma pesquisa dizendo que 92% dos brasileiros recebem de salário valor menor que o auxílio-moradia recebido pelos juízes e procuradores. É por isso que vimos vários cartazes nas manifestações dizendo: “TROCO MEU SALÁRIO POR UM AUXÍLIO-MORADIA DOS JUÍZES”.

  14. Eduardo Alex disse:

    Cortaram o dia de trabalho dos reizinhos?

  15. Wellington Alves disse:

    Nosso Judiciário é a nova nobreza. Precisamos colocá-lo em uma bastilha.

  16. Gozo e dor, eis a questão! disse:

    As injustiças sociais são a raiz das convulsões sociais e quanto mais a elite dominante se distancia da maioria da população, mais cega vai ficando em relação ao risco que corre por não querer uma divisão justa do gozo e da dor.

Deixe uma resposta para As corporações muito vivas. Kennedy Alencar – Blog Henrique Barbosa Cancel reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2018-11-19 20:28:37