aki

cadastre-se aqui
aki
Economia
20-04-2016, 9h14

Meirelles é favorito para Fazenda no governo Temer

Se convidado, ex-presidente do BC nos oito anos de Lula aceitaria
15

KENNEDY ALENCAR
BRASÍLIA

O ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles é hoje o favorito para ministro da Fazenda de um eventual governo Temer.

Meirelles comandou o BC nos oito anos do governo Lula. Dificilmente seria fortemente criticado pelo PT, que pretende fazer oposição dura ao provável governo do vice-presidente Michel Temer. Mais: se convidado por Temer na conversa que deverão ter em breve, Meirelles aceitaria comandar a Fazenda.

Nas duas últimas semanas, Temer sempre esteve dividido entre Meirelles e Armínio Fraga. A vinda de Armínio aconteceria no contexto de maior consenso no PSDB sobre integrar o provável novo governo, o que não existe hoje no ninho tucano.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o senador Aécio Neves (MG), presidente do PSDB, creem que Temer terá de tomar medidas impopulares. Se der certo, será mérito de Temer. Se der errado, o desgaste poderia ser dividido com o PSDB.

Temer apenas sondou Armínio na segunda-feira. Não o convidou. Pesava contra Armínio ter sido anunciado por Aécio como ministro da Fazenda se o tucano vencesse a eleição de 2014. Se o PSDB hesita em integrar o governo, apontar como ministro da Fazenda o indicado pelo perdedor da eleição de 2014 poderia reforçar a ideia de atalho para o poder sem voto.

Por fora, corre o senador José Serra, que tem feito nos bastidores pressões para que Temer o coloque na Fazenda e tem distribuído críticas a Meirelles e Armínio, dizendo que os dois não reduziriam os juros na medida necessária.

O mercado veria a ida de Serra para a Fazenda como uma medida negativa. Todos esses fatores contribuem para que Meirelles se torne o favorito a virar ministro da Fazenda do provável governo Temer. Serra é mais cotado para Educação ou Saúde.

*

Alckmim defende tese “sem pasta, sem cargo”

Está em curso uma guerra interna no PSDB sobre integrar formalmente ou não um possível governo Temer. O PSDB tem dúvida se aceitar ser avalista e sócio do novo governo.

Aécio mede qual deveria ser o grau de apoio. Prefere dar suporte no Congresso às medidas econômicas e políticas, mas liberar tucanos para aceitar cargos em caráter pessoal. Ou seja, diz que o PSDB não faria como o PT fez com Itamar Franco, proibindo seus filiados de virar ministros.

Já o governador Geraldo Alckmin (SP), em entrevista ao SBT, defende a tese “sem pasta, sem cargo”. Alckmin prega que o PSDB dê apoio apenas no Congresso e que nenhum tucano participe do novo governo.

Alckmin também deu uma receita econômica a Temer. Dizendo que ele “tem de agir rápido” e duramente contra a crise fiscal, adotando corte de gastos e outras medidas para reduzir o crescimento da dívida pública. O governador também defendeu acelerar leilões e concessões na área de infraestrutura.

Como é tradição, há divisão no PSDB. Os tucanos provavelmente terão de decidir oficialmente numa reunião partidária o que farão.

*

Gim Argello preocupa Renan

A provável delação premiada do ex-senador Gim Argello, do PTB do Distrito Federal, deverá ter efeito muito negativo sobre o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Gim Argello era bem próximo de Renan.

Essa provável delação deverá colocar mais pressão sobre Renan para acelerar o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff no Senado. Na Câmara, Eduardo Cunha agiu rapidamente para criar um problema maior do que ele. Deu certo, por ora.

A delação de Gim tende a ter efeito semelhante sobre Renan, o peemedebista mais próximo de Dilma. Mas a Lava Jato preocupa Renan e muitos senadores que também tiveram mais do que uma boa relação pessoal com Gim Argello. Apesar de ser do PTB, Gim era próximo dos parlamentares do PMDB.

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
15
  1. Maria Aparecida Ramos Tinhorão disse:

    Para dar certo, o país precisa se livrar de quase toda a classe política que promoveu aquele circo de horrores no último domingo.
    Esses pessoas não têm moral para palpitar nos destinos da nação, uma vez que apenas estão preocupadas com seus salários e de seus familiares-assessores.

    • walter disse:

      Como concordo com você, cara Maria Aparecida Ramos Tinhorão; mas o Temer por estratégia, em quem sabe, para manter o PT refém…convida seu amigo Meirelles, que vem com uma carga de aumento de imposto e um chicote nas mãos; “isso não bom”…
      Teremos uma transição, que dependerá totalmente do Povo cobrando, e mantendo os abaixo assinados, em riste…
      Kennedy meu caro, como sempre,seus comentários brilhantes; é evidente que o Temer, o Serra, e o Meirelles; querem a mesma coisa; mas o Temer, esta cuidadoso com as “Raposas felpudas”.

    • Edi Rocha disse:

      Tem uma matéria que li hoje, intitulada: “Tucanos negociam recuo de Delcídio”.
      É um bom exemplo de como as coisas funcionam no país. Explica porque mesmo que alguma coisa aparente estar funcionando bem, não se descarte que ainda tem algo errado ou que não é o que parece. O bastidor da política é fundamental na análise dos fatos.
      .
      Breve não vão poder mais colocar a culpa no PT.

  2. Romanelli disse:

    Se Meireles vier com CPMF vai dar na vista ..se imposto sobre grandes fortunas ou herança não produzira efeitos ..se aumentar IOF dará na infra ..se no IPI pegará a partilha ..se nos combustíveis na inflação ..se no PIS/Cofins e ICMS não dá tempo ..se no IR provocara a população mais aguerrida (a classe média e formação de opinião da mídia ..fora as empresas)
    .
    Cortar gastos seria uma saída desde que DILMA não tivesse adotado a medida (e todos sabemos que ela raspou esta rubrica)

    ah já sei, resta pois Meireles abaixar o PLACEBO da SELIC que ele sempre defendeu ..o que evidente contraria a banca e a sua BIOGRAFIA, mas produz os efeitos desejados pela economia, já que a inflação já absorveu toda sorte dos impactos das medidas de Levy e Barbosa

    SELIC, bom lembrar, que SOZINHA poderia diminuir a conta de R$ 400 bi de JUROS, ela que jamais é controlada nem limitado pelo ESTADO, mas dada pelo BC e MERCADO ..uma conta VINTE vezes maior do que a dispendida c/bolsa família em 2015

  3. davi disse:

    Que Deus ilumine a cabeça desses políticos, para que façam seus trabalhos DECENTEMENTE…e MAIS AINDA a cabeça do povo para que nunca mais elejam (tanta GENTE RUIM) PRA “NOS REPRESENTAR”. Misericórdia, só por Deus!!!

  4. José disse:

    Ótimo. É um homem honesto, sério, que já demonstrou competência antes.

  5. Pelo menos já houve uma mudança de ares no país. Começa-se a discutir soluções para a economia para o país voltar a ter um rumo, voltar a caminhar em uma direção só. Apenas à frente!
    É ruim para o PT? Então é bom para o país!

  6. Equilibrista disse:

    Sejamos coerentes com o que votamos. Se em 2014 não elegemos o PSDB, não devem integrar o poder agora. Torpedearam insistentemente o governo Dilma. Não lhes tiro a razão, muito pelo contrário. Apenas acho que precisam pagar algum preço pela destruição que causaram, que ninguém se engane, foi por interesse próprio. Assim como Dilma merece ser impedida por ser incrivelmente incompetente, independentemente das ações do PSDB, o PSDB mostrou-se uma agressiva e perigosa opção de governo, disposto a passar com o trator por cima de tudo e de todos para atingir suas ambições de poder. Devemos fingir que somos samambaias penduradas no canto da sala e ouvir todas as tolices que dirão. Revelarão sua índole canalha. Precisamos deles para a votação contra o PT no senado, depois disso não mais. Não convém trocar um demônio por outro. Já que queremos trocar, façamos escolha pela patifaria tolerável. O PSDB é tão(ou muito mais)sujo quanto o PT. Digamos que se o PMDB é traidor e venal, não ferra o povo.

    • Como assim não ferra o povo? O PMDB de Cunha, Renan Calheiros, Jader Barbalho, José Sarney, deu suporte ao PT por todos estes anos. O PMDB roubou a Petrobrás junto com o PT, porque estava dentro do governo. Quem nomeou os apadrinhados do PMDB o fez em troca de apoio na Câmara e no Senado. Você acha que eles estavam lá por uma infeliz coincidência? O PMDB do Rio de Janeiro onde fica boa parte da Petrobrás. onde houve a final da Copa do Mundo FIFA, onde haverá jogos olímpicos apoiou o governo Dilma até o final, com o apoio do Governador Pesão e Leonardo Picciani. E o povo do Rio de Janeiro tem hoje hospital, segurança, transporte e educação de primeira qualidade! Os servidores do Estsdo do Rio de Janeiro estão com os seus vencimentos em dia. Uma maravilha!
      Que zika! Corrupção Mata mais que mosquita!

    • Romanelli disse:

      ahhh tá ..então CUNHA e Temer eram filiados do PSDB e eu não sabia ? ..o PMDB, é o UNICO partido que esteve presente em TODOS os demais governos desde a abertura ..qdo dava certo faturava, quando errado pulava fora
      .
      colega, se tem um partido culpado em todo este tempo, um que sempre dispos de maioria – nem que conseguida por sobre Estados criados na base do causísmo – este partido tem nome e foi fundado por um tal de Ulisses, não o da Odisseía, mas um careca

  7. LYRA disse:

    Estou sentindo pena de mim mesmo por está deixando de entender as coisas do mundo, o PSDB, o PSB e o PMDB, sempre falaram que esses que agora são cogitados para a pasta da economia eram uns fracos, e até desequilibrados e, hoje são os preferidos? Logo, podemos notar que essa raça podre de marginais a quem chamam de políticos não valem nem mesmo o que o gato enterra e, tratando-se de Aécio DAS NEVES, FHC, Alckmin e Cunha a coisa fica ainda muito mais escandalosa.

  8. Luiz Silva disse:

    Equilibrista, não importa que partido chegue ao poder. O que importa são sua lisura e suas propostas. Quanto à lisura, já houve iniciativa popular: as 10 medidas anticorrupção. Mas, quanto às propostas, ainda não houve. O que precisamos é de uma Lei de Responsabilidade Eleitoral. O candidato registra suas principais propostas no TRE e o povo vota baseado nisso. Dois meses antes da próxima eleição, o presidente eleito terá completado 7/8 do mandato. Se não tiver cumprido 7/8 do que prometeu, ou não quis fazer ou não conseguiu o apoio necessário do Congresso. Tanto faz. Se não cumpriu, o partido está fora da próxima eleição.

    • Ana Capuano disse:

      Gostei, tá aí…sou só uma contribuinte falida. E no meio de tanto economês e politiquês, vi uma luz no fim do tunel. Obrigada por compartilhar. Vou compartilhar a sua opinião com meus amigos.

  9. Mauro disse:

    Embora nada seja impossivel de acontecer, não creio na nomeação de Henrique Meirelles para o MF de Temer, pois ele acaba de inaugurar um banco de propriedade do grupo JBS (segundo noticiam jornais especializados em economia) e está bastante entusiasmado com o projeto e até dizem alguns que ele tem participação acionária importante nessa original instituição.
    A verdade é que pesam dois fatores que devem fazer Meirelles pensar mil vezes, quais sejam:
    – A “bucha” é enorme e se errar a mão mancha o seu passado perfeito como presidente do BC;
    – A “grana” de ministro é bem menor que salário de executivo de um banco, com muito menos dor de cabeça.

  10. Pena que não será o Armínio Fraga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-09-29 16:49:39