aki

cadastre-se aqui
aki
Geral
30-03-2020, 14h07

Nos EUA, cientistas ganham queda de braço com Trump

Irresponsável, Bolsonaro fica cada vez mais isolado no mundo
5

KENENDY ALENCAR
Washington

Nos Estados Unidos, os cientistas venceram a queda de braço com o presidente Donald Trump. Ele desistiu de “reabrir a economia” e não relaxará em breve as orientações de distanciamento social, como sugeriu na semana passada. Em entrevista ontem, disse que essas recomendações valerão até o fim de abril.

Trump recuou de modo incisivo para quem cogitava um afrouxamento a partir de 12 de abril, domingo de Páscoa. Essa mudança de atitude permite ganhar tempo para o país se preparar melhor, diminuindo o ritmo de crescimento dos casos de covid-19 (“achatar a curva”, como dizem os cientistas).

Em primeiro lugar, é fundamental fazer mais testes para mapear o coronavírus. Além da cidade e do Estado de Nova York, outras localidades dos EUA têm tido um crescimento significativo de casos. As cidades de Detroit (Michigan) e Chicago (Illinois) vivem situações preocupantes. Os Estados da Califórnia, Indiana, Ohio e Louisiana também.

Encontrar um tratamento eficaz é o segundo ponto vital para os cientistas neste momento. É preciso achar um jeito de curar quem ficar doente. Há várias drogas sendo testadas mundo afora e tem havido troca de experiências entre os países.

Em terceiro lugar, a medida mais importante: preparar os hospitais para evitar um colapso do atendimento. Nesse sentido, a prioridade é produzir mais equipamentos (respiradores, máscaras, luvas etc.) e distribuir pelo país.

O principal médico da força-tarefa da Casa Branca, o imunologista Anthony Fauci, previu ontem a possibilidade de haver entre 100 mil e 200 mil mortes no cenário mais favorável, no qual as medidas de mitigação e contenção do coronavírus surtiriam mais efeito.

Na entrevista no jardim da Casa Branca, Trump afirmou que seria “um trabalho muito bom” limitar as mortes ao número de cerca de 100 mil, “até menos”.

*

Genocida irresponsável

No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro, que tem Trump como referência, não seguiu os passos do americano, que recuou por pressão dos cientistas. A imagem internacional de Bolsonaro é péssima. É visto como o único líder de um país democrático que está na contramão do planeta.

Nos anos 80, havia a propaganda do “Efeito Orloff”, na qual um cidadão recomendava uma vodca que, em tese, não daria uma baita ressaca no dia seguinte. “Eu sou você amanhã”, dizia o cidadão.

Os Estados Unidos são o Brasil amanhã, porque os dois países têm dimensões continentais e sistemas de saúde despreparados para enfrentar a covid-19 (apesar do SUS no nosso caso).

Ao meio-dia desta segunda-feira, os EUA tinham contabilizado 142.364 casos, com 2.467 mortes. Na página do Ministério da Saúde do Brasil no mesmo horário, os números eram 4.256 casos e 136 mortes. É ilusório achar que o Brasil está em situação melhor. O país só está atrasado em relação aos EUA no crescimento de casos.

Com um presidente que joga contra as recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde) e do ministro da Saúde, o Brasil enfrenta grande perigo. O ministro Luiz Henrique Mandetta deu uma entrevista no sábado pedindo às pessoas para ficarem em casa. No dia seguinte, genocida irresponsável, Bolsonaro foi para a rua dar mal exemplo e desinformar a população.

Nesta segunda, Bolsonaro perguntou se o presidente era o problema. Lógico que é. Ele se comporta como alguém que já teve a doença, recuperou-se, adquiriu imunidade e age de modo criminoso, estimulando as pessoas a sair de suas casas e trabalhar.

O presidente deveria estar concentrado na elaboração de um plano para dar dinheiro e comida aos mais pobres. Bolsonaro leva o Brasil para uma tragédia, porque poderão faltar leitos daqui a um mês ou dois, com o agravamento da crise.

*

Eleição americana

Dez Estados e o Distrito de Colúmbia adiaram as primárias para 2 de junho, criando uma nova “Super Terça” na corrida presidencial dos EUA. Espera-se que até lá haja um melhor controle da covid-19 e que as primárias possam ser realizadas. Ouça o comentário no “CBN Brasil”:

Comentários
5
  1. Walter Nobre disse:

    Kennedy a situação prenunciada do EUA é terrível, ao ouvir o governador de Nova Iorque, e o prefeito temos a impressão que não estão se dando conta do tamanho da Pandemia, falta ação de todos os lados, a mudança do TRUMP procede, já que a doença só aumenta, faltando condições gerais para alojar os infectados; precisam urgentemente, fazer uso do Exército, quanto mais cedo mais prudente serão; algo esta errado nesta crise americana, a contaminação tem um perfil suspeito pela evolução. Relativo ao Brasil, estamos com hospitais saturados, no Sírio libanês, tem mais de 100 funcionários infectados, exaustos pelo excesso diário, vamos imaginar na rede do SUS como estão as dificuldades, além da exposição por gastarmos até agora 800 Bilhões, recursos que não temos, portanto o presidente tem obrigação em alertar para o final do túnel em verbas públicas. A desorganização no uso de verbas pode ser um agravante a mais, nesta pandemia.Estamos caminhando por veredas, faltam fatos e critério.

  2. […] via Nos EUA, cientistas ganham queda de braço com Trump — Blog do Kennedy […]

  3. jose disse:

    Leio em sites de notícia a caricatura da entrevista do governo federal a respeito da crise provocada pelo covid-19. Nela, o ministro caixa dois duas vezes, mas perduado pelo colega da (in) justiça, foi dito que será o gestor dos repasses do pagamento para os trabalhadores informais, a fortuna de 600 reais (a saidinha era de 2 mil reais). O ministro foi tirado do governo da casa civil por pura e inquestionável incompetência (e incompetência nesse desgoverno) imagino a bagunça que será essa marmota. Deveriam chamar gente que sabe e conhece o sistema, tal como o economista da FGV do RJ Marcelo Neri. Ser considerado incompetente pelo governo atual do Brasil é ser muito incompetente.

  4. jose disse:

    O ministro da (in) justiça disponibilizou a guarda nacional para apoiar o ministério da saúde. Quem está descumprindo as normas legais da quarentena em prol da saúde pública? O presidente da republica e seus seguidores fanáticos e alienados, empresários ganaciosos…. Vão prender os que estão descumprindo as regras de combate à pandemia do covid-19? Eles estão acuados… Trazem caveras da caserna… Toda noite tem panelaço… tentam ofuscar a realidade vexaminosa deles… a entrevista coletiva de ontem à tarde foi ridícula, constrangedora pra quem tem um mínimo de razão, mas eles não têm vergonha de serem impróprios, querem mostrar que sabem, mas eles sabem que não sabem. Os grandões estão rindo dos subalternos… Doria e Covas estão dando um banho de decência e terão o que mostrar dentro do ninho a Serra, Aécio, Aníbal, etc. Depois ao eleitor. Não são santos, mas pelo menos estão sendo prudentes imprimindo uma marca que será mostrada dentro de três anos.

  5. Miguel Angelo disse:

    Infelizmente no Brasil Kennedy. Algumas pessoas, devido ao incentivo do pior presidente do Mundo – Jair Messias Bolsonaro, e aval das forças religiosas capitalistas que o elegeram pelo voto do cabresto da fé falsa. Vários estados do Brasil já não tem controle dos contaminados. E ainda muitos não entendem que os ditos curados contaminam os demais por 8 dias após saírem do hospital ou casa. Eu não sei onde está a justiça do Brasil, e o que ela faz. Bolsonaro pode ser criminalizado por contaminação das pessoas em sua volta e do povo em geral. Evidências, vide os jornais. Vide a ciência: se contaminam mesmo 8 dias após a melhora. Ele contaminou. E mais quem contaminou? Como cidadão eu gostaria do impeachment do presidente. Ele nos pões como povo estúpido para o Mundo. É vergonhoso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-09-27 07:53:18