aki

cadastre-se aqui
aki
Economia
31-08-2015, 9h30

Orçamento com déficit em 2016 é estratégia por nova CPMF

Ao expor rombo, Planalto quer dividir responsabilidade com Congresso
30

Postado por: Daniela Martins

A apresentação de um Orçamento Geral da União para 2016 com déficit primário é uma estratégia do governo para tentar recriar a CPMF. O Palácio do Planalto não desistiu da ideia.

Desistiu apenas de enviar imediatamente ao Congresso uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) nesse sentido devido. Motivo: a imensa reação negativa à trapalhada política da semana passada, mais uma das muitas que o governo Dilma já deu provas de que é capaz de fazer.

A divulgação de uma proposta de Orçamento Geral da União para 2016 com déficit primário é uma forma do Palácio do Planalto tentar dividir com o Congresso o abacaxi de fechar as contas públicas.

Para fechar as contas públicas no ano que vem, o governo queria criar um novo tributo, nos moldes da extinta CPMF. Mas a proposta foi feita de forma amadora e só colheu desgaste. Foi o vice-presidente da República, Michel Temer, quem, mais uma vez, alertou o governo de que sofreria uma derrota se insistisse nessa tentativa sem amarrar politicamente.

Na quinta à noite, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse em entrevista ao SBT que havia um buraco “bastante significativo” entre despesas e receitas e que “provavelmente” seria necessário criar um tributo “no formato da antiga CPMF”. Ora, esse buraco não desapareceu de quinta para cá. Pelo contrário, será explicitado hoje na proposta orçamentária do ano que vem.

É isso o que governo fará hoje. Mostrar o tamanho do problema ao Congresso, aos empresários e à sociedade civil. Feito isso, tentará construir uma solução.

A estratégia é tentar convencer o Congresso a aprovar um tributo emergencial para durar um ano e fazer a travessia pode ser um caminho. O governo tentar fazer um acordo com os políticos, os empresários, os sindicalistas e os demais setores da sociedade civil.

O governo quer deixar claro que não terá recursos para fazer superávit primário no ano que vem, que é a economia para pagamento de juros da dívida pública e principal mecanismo para tentar manter o crescimento dela sobre controle.

Não tem mágica. Ou aumenta imposto ou corta ainda mais gastos. Politicamente, o governo Dilma está sem condição de tomar essa decisão sozinho. Vai precisar discutir com o Congresso, com os empresários, com movimentos sociais e até com a oposição. Do contrário, há risco de o país perder o chamado grau de investimento, que é o selo internacional de bom pagador.

É fato que o governo fez mais uma trapalhada política com esse açodamento em relação à CPMF, mas há um problema real do qual o Congresso não pode fugir. Tem de ter responsabilidade para achar uma solução.

O problema não é só do governo Dilma, é do Brasil. Ou a sociedade acha uma solução ou todos sairão perdendo, sobretudo os mais pobres, que sofrerão mais com uma economia ainda pior, menos emprego, menos renda e mais inflação.

*

Agosto sombrio

Apesar dos erros do governo, o agosto sombrio não se realizou. Dilma e seus principais auxiliares até se esforçaram para criar uma agenda negativa, mas o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foi denunciado ao STF (Supremo Tribunal Federal), o que tirou gás do impeachment no Congresso.

As manifestações de 17 de agosto não enfraqueceram ainda mais o governo. Dilma obteve fôlego político, mas o jogou fora por iniciativa própria.

O PMDB e alguns integrantes da cúpula do PT criticam Dilma e o ministro Aloizio Mercadante, da Casa Civil, que teriam voltado a atuar politicamente de modo isolado e autoritário.

Apesar de o agosto sombrio não ter se materializado e de o impeachment estar mais distante hoje, o cenário econômico está piorando.

Hoje, a crise econômica, que está se transformando numa crise social, como disse o senador Aécio Neves (PSDB-MG) em entrevista ao SBT, virou o maior inimigo do governo Dilma.

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
30
  1. Pasquale disse:

    Não tem que dividir com o congresso,teria que dividir com o Lula.
    Já que falou em outubro de 2014,um monte de mentiras.
    Aprendam a votar,aprendam a construir um país descente.

    • walter disse:

      Um fato Pasquale, depois não querem que tenhamos “NOJO” destes caras; vão fazer a tal proposta indecente, ameaçando cortar verbas dos parlamentares; “este é o jeitinho PT de governar”…
      Infelizmente, o Kennedy tem razão em sua manchete; o orçamento para 2016, é sim um grande “trunfo” da dilma; esta conversinha de cpmf temporária é uma piada de um bando de incompetente.
      O LEVY é um morto vivo, para ser exato, um incompetente e pactua das mentiras da dilma; deve estar precisando muito deste emprego.

  2. Demétrius Tierno Martins disse:

    Prezado Sr Kennedy, ouvi seu comentário na CBN pela manhã e achei sua frase infeliz:”O problema não é só do governo Dilma, é do Brasil. Ou a sociedade acha uma solução ou todos sairão perdendo, sobretudo os mais pobres, que sofrerão mais com uma economia ainda pior, menos emprego, menos renda e mais inflação.”
    Sim o problema é do país causado por um governo irresponsável, com milhares de cargos públicos e ministérios, acho que a CPMF seria um imposto aceito, se a Presidenta Dilma, fizesse sua parte, afinal o problema não é só do Brasil é do governo dela também.
    Demétrius Tierno Martins, médico.

    • Paulo Moraes disse:

      Esse problema foi criado e desenvolvido por esse partido que governa nosso país faz 13 anos.
      Não votei nesse povo!!!
      No tente jogar a responsabilidade por essas loucuras para aqueles que não fizeram parte desse circo.
      A seguinte combinação define bem nosso problema:

      Eleitor desinformado/simpatizante de ideologias comunistas + Partido do Trabalhadores + LULA + DILMA = País no fundo do poço!!!

  3. Maria Aparecida Ramos Tinhorão disse:

    Dividir com o Congresso a bomba do orçamento é fácil. Basta o Congresso cortar as absurdas despesas de custeio como: a gráfica do Senado, assessores parlamentares, nepotismo, apaniguados, funcionários fantasmas e outras mordomias. O executivo corta uns 25 ministérios e pronto… está ajustado o orçamento para 2016.

    • Santos disse:

      Exatamente, isto seria fazer o certo, mas a canalhada quer fazer o errado, que é afundar ainda mais o país numa colossal recessão criada por esse bando de incompetentes que diz “governar” o país. E um pequeno lembrete aos sindicalistas e “cumpanheiros” que se acham a salvo da crise: sem empresas não existe impostos, sindicatos, nem empregos. Espero que a população acorde e vá para as ruas impedir mais esse descalabro e exigir cortes nas despesas das “excelências” que só sabem sugar o Brasil.

  4. Alexandre disse:

    Já podemos dar uma nova definição para a C.P.M.F. _ Contribuição para o PT Manter a Farra.

  5. Marco Túlio Castro disse:

    Mas o PT sempre foi um partido de centro. Captalizam o lucro e socializam o prejuizo.

  6. Daniel disse:

    Não veremos luz no fim do tunel enquanto não começarem a cortar as despesas da maquina publica(cargos comissionados, verbas de gabinete, numero de ministerios, regalias, etc).
    Enquanto a solução for só aumento de conta para o trabalhador pagar ficaremos no lama.
    O problema é do Brasil e a culpa é do brasileiro que votou nessa Sra desqualificada para resolver os problemas.

  7. jose carlos da silva disse:

    sinceramente, não é crível que pessoas e parlamentares encontrem soluções positivas para a economia e a sociedade com emprego das abstrações ou factoides atribuídos a figura da presidente da república ou ao governo. o erro é de modal sistêmico operacional e para correção impõe-se quebrar o estigma do poder estatal e econômico a qualquer custo, sim porque um não existe sem o outro. distante disso sobra voracidade camuflada aos interesses escusos do jogo econômico. basta de sofismo. deve-se acreditar e trabalhar com o governo para corrigir o modal de forma a garantir o beneficiamento da sociedade, o qual passa fundamentalmente pela distribuição de renda como fator de crescimento e afirmação do social capitalismo, sobejamente esclarecidos pelos pensadores remotos e atuais da economia civilizada (tese e antítese).

  8. Weider Santos disse:

    Na minha opinião nao é um imposto a mais a solução, alias as soluções de nossos politicos sao sempre amadoras e simplistas, imposto, taxa de juros, porque nao enxugar a maquina publica?Pq nao reduzir o numero de ministerios para apenas 10? Pq nao acabar com privilegios do setor publico como aposentadorias extremamente diferenciadas para este setor? Pq não, este sim o mais importante de todos reduzir o nivel de corrupçao neste país? Mais impostos apenas afugenta mais investimentos, porque um investidor deixaria de investir em uma “Cingapura” para investir em um país com este custo todo? Aumentar imposto é mais do mesmo, e isso sim prejudica as pessoas de baixa renda, o rico/empresario demite, costa custo.

  9. josé julio o. neto disse:

    É sempre assim, no comunismo/socialismo/populismo = o governo CRIA cada vez mais pobres, miseráveis, sem terra, sem moradias, sem educação, sem saúde, sem segurança, sem emprego, … , e , infelizmente, são estes “infelizes” os seus maiores defensores.

  10. José Valente disse:

    É a primeira vez nessa vida que vejo um orçamento que prevê déficit, ou seja, o governo está encaminhando ao congresso uma proposta orçamentária onde as despesas tem valores diferentes das receitas.
    “Só posso tá ficando maluco”

  11. Marco Túlio Castro disse:

    A solução mais simples é a Dilma renunciar e com isto criar condições para uma negociação politica. Não há mais diálogo possível com este governo. Ela tem que pensar no Brasil. Dilma politicamente já está acabada.

  12. Joaquim disse:

    Kennedy, quando o PT assumiu o governo a carga tributária era de 32,64% do PIB e atingiu 36,42% do PIB em 2013, ou seja um aumento de 12% da carga tributária. A grande pergunta que fica : O que foi feito com este dinheiro??? Por que tirando-se as estradas pedagiadas o resto é lixo, tivemos de ligar até gerador portátil para não faltar luz, segurança publica é brincadeira, aeroportos são um desrespeito, educação qualidade sofrível e por ai vai.
    Agora para consertar o gigantismo de um estado letárgico, corporativista e ineficiente, querem aumentar a carga tributária, mais uma vez. O PIB do ultimo trimestre caiu 1,9%, porém a unica coisa de aumentou foi os gastos do governo ( 0,7 %), por tanto economia para eles é uma palavra que só existe no dicionario.

  13. Brasileiro disse:

    Expomos nossos pareceres, insatisfações, fazemos passeatas e nada acontece. Na verdade os políticos negociam nossos destinos econômicos como bem entendem e aquelas medidas que de uma forma ou outra irão nos beneficiar e não a eles, rapidamente são jogas no lixo. Boa parte da população fica iludida com os dizeres de políticos profissionais e sem escrúpulos. Assim ira adiantar o comentário sobre a manobra como o orçamento de 2016 ou CPMF?

  14. Antônio José Marques disse:

    Como pode um governo querer aumentar os impostos e criar novos impostos para a população e não fazer o que realmente é preciso. Diminuir a corrupção já pode trazer um grande ganho de recursos e o mais importante é ir a fundo, procurando detectar onde está sendo gasto essa grande quantidade de impostos que pagamos, ou será mentira que temos uma das cargas tributárias mais altas do mundo. O problema do Brasil não é de Arrecadação e sim de gerenciamento é preciso gastar bem o dinheiro público, é preciso ter respeito pelo contribuinte, é preciso privilegiar o povo e não empresas que recebem financiamentos subsidiados para evitar demissões de alguns companheiros, é preciso taxar os bancos que todo ano batem recordes de lucro, a custo do sacrifício do povo, que paga juros mais altos do mundo, é uma especie de roubo legalizado. Um governo popular deve proteger o interesse da maioria da população e não alguns poucos privilegiados Amigos do REI, como diria Carlos D. Andrade. Insisto que a questão é essa Recursos o governo tem, é preciso gerenciar melhor e privilegiar o povo.

  15. Joao H. Priesnitz disse:

    Kennedy, mais uma vez parabéns pela isenção e imparcialidade.
    Realmente, é um absurdo nosso congresso ficar mais de meio ano só aumentando os gastos do governo (e pôe aumentar nisso) e quando se tem que auxiliar para que se obtenha mais dinheiro para fechar as contas, aí caem fora…

    Tá certo o executivo!

    E vc está completamente certo também em momear o país, o Brasil mesmo (e não o governo) como o principal prejudicado pelas parcelas politiqueiras e inconsequentes de nosso legislativo (que, inclusive, são apoiados por seus respectivos eleitores na campanha contra seu próprio povo).

    Força Dilma, estamos junto!

  16. Elaine disse:

    Criticar o Governo é fácil, eu quero ver é sentar naquela cadeira e governar este complexo Brasil.
    Quero ver negociar com estes parlamentares conservadores.
    Quero ver dialogar com uma oposição que só pensa em destituir a presidenta e fica apostando no quanto pior, melhor.
    Quero ver negociar com empresários que só pensam em maximizar seus lucros.
    Quero ver atender as demandas de toda a população.
    Além do mais, tudo que o governo já fez e continua fazendo não está bom, nada está bom para a população.
    Até o ano passado, o Governo ampliou seus gastos para manter o emprego e a renda. Ele errou? Pode ser que tenha errado na dosagem, mas o emprego estava mantido.
    Agora todo mundo vem dizer que esta política estava errada, ora, ora, vão estudar melhor economia.

    • Pasquale disse:

      Voce é economista?

    • César disse:

      Elaine. Você quer enganar a quem? Desemprego, inflação, encolhimento do PIB, são consequências do desastre econômico, causado pelo governo do PT e da Presidente Dilma Rousseff, para se manter no poder. Ou você acha que isto começou só agora no segundo mandato? Esconderam a verdade, contando mentiras!

  17. Alberto disse:

    Nenhuma novidade.Se a conta dos desmandos dos governos fossem debitadas aos seus membros e eleitores a justiça estaria sendo feita.Como não é assim que a banda toca,toda a sociedade vai pagar. A apresentação da peça orçamentária “arrombada” servirá futuramente como desculpa do governo,colocando a responsabilidade nos congressistas. O negócio é passar o “mico preto” para o seguinte(talvez alguns conheçam).

  18. JORGE ALMADA disse:

    É um absurdo o governo apresentar um orçamento para aprovação DEFICITÁRIO, claro sinal de incompetência em administrar as contas públicas. O Sr.Levy buscou através do aumento de juros conter a inflação gerando perda de consumo exagerado e perda de arrecadação de impostos, e aí as contas não fecham..
    O governo não quer cortar cargos administrativos, redução de ministérios, gastos sociais, transfere o problema para o Congresso e certamente incentivará a criação de impostos como CPMF. Mais uma vez o governo vai incentivar os aumentos de repasse de impostos aos preços e causará aumento de inflação.
    Nós que acabaremos pagando a conta da incompetência deste governo.

  19. Paulo Moraes disse:

    O cidadão de bem não aceita mais imposto não!!!
    Quem aceita mais imposto são os simpatizantes desse governo!!!
    Tenho certeza que você deve ser um deles!!!

    • JORGE ALMADA disse:

      Paulo acho que você não entendeu a critica feita ao governo, caso seja aprovado novos impostos queira você ou eu teremos que pagar infelizmente!

  20. César disse:

    Eu não devo nada para ninguém. Porque? Gasto apenas o que eu ganho. Fazer caridade com o dinheiro alheio, é muito fácil. O governo já está cobrando dos brasileiros, 50% de tudo aquilo o que se produz. É só a metade! Por muito menos, houve a revolta dos inconfidentes. Naquela época foi a cobrança do quinto que desencadeou a revolta. Por que subiria a cobrança de impostos, para 20% dos ganhos, os brasileiros se revoltaram. Acorda Brasil!

  21. Reinon disse:

    Dilma chuta a bola pro congresso é muita cara de pau !!

  22. Flávio do Carmo disse:

    Do Carmo Flávio Estão falando em CPMF, mas ninguém defende a regulamentação dos jogos como fonte de recursos para os cofres do governo. Obs: ( Um novo estudo do Instituto Jogo Legal aponta que os jogos regulamentados podem arrecadar anualmente $24BI para o governo). Falta coragem para essa gente.

  23. celso mota disse:

    Só alguém muito inocente para acreditar que a CPMF vigoraria por apenas um ano. Terminado este período o governo, rapidamente, arrumaria alguma desculpa para prorroga-la indefinidamente como em tempos anteriores em que vigorou este verdadeiro imposto.

  24. Nilton Sebastian disse:

    Dona Dilma poderia começar a fazer um ajuste dentro do próprio palácio e cercanias.Por exemple:
    1- Que tal limitar o gasto com cartões corporativos dela e dos ministérios ao valor que ela paga a um doutorando pesquisador (cerca de R$ 1.800,00/mês);
    2 – Que tal limitar drasticamente o uso e os modelos de veículos alugados e dos públicos utilizados pelos escalões de governo;
    3 – Que tal limitar o valor dos jetons de reuniões únicas mensais das Estatais e Fundações ao valor de 1/2 salário mínimo?
    4 – E mais umas duzentas medidas simples que poderiam partir do seu próprio gabinete e da sua própria caneta, que dariam o exemplo e o esperado efeito em cascata nos órgãos públicos, impactando inclusive nos Estados e Municípios com estas medidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-09-26 11:13:25