aki

Kennedy Alencar

cadastre-se aqui
aki
Política
21-06-2018, 20h39

Pedra no Caminho preocupa PSDB; faz sentido aliança Rede-PPS

Preso, ex-presidente da Dersa é do grupo alckmista
4

KENNEDY ALENCAR
BRASÍLIA

A seguir, notas sobre os bastidores e as análises de hoje no “Jornal da CBN – 2ª Edição”:

*

Pedra no caminho

A prisão do ex-presidente da Dersa Laurence Casagrande Lourenço causa preocupação no PSDB paulista em geral e no grupo alckmista em particular.

Lourenço é ligado ao atual secretário de Governo de São Paulo, Saulo de Castro Abreu Filho. Saulo, que tem o apelido de “Posto Ipiranga” no Palácio dos Bandeirantes, possui proximidade com Geraldo Alckmin, o pré-candidato do PSDB à Presidência.

Logo, não se trata de uma figura como Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, personagem ligado ao ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, e ao senador José Serra.

Lourenço é do grupo alckmista. Isso é uma pedra no caminho do ex-governador, que já enfrenta diversos obstáculos na atual corrida presidencial. A Operação Pedra no Caminho apura acusação de desvios em obras do Rodoanel em São Paulo na gestão Alckmin. O TCU (Tribunal de Contas da União) suspeita de superfaturamento de até R$ 600 milhões.

*

Plano B tucano

Faz sentido a articulação que busca firmar uma aliança entre a Rede de Marina Silva e o PPS de Roberto Freire.

O PPS tentou emplacar a candidatura do apresentador de TV Luciano Huck, o que seria uma aventura. Nos bastidores, contou com a torcida e o apoio do ex-presidente FHC, que buscava um plano B para a eventualidade de Alckmin não decolar na disputa presidencial.

Recentemente, FHC andou dando corda à ideia de Marina virar uma candidata centrista. Isso gerou mal-estar novamente com Alckmin.

Portanto, não seria surpresa uma aliança entre o PPS e a Rede. Marina precisa de tempo no rádio e na TV. Precisa de aliança até para ser obrigatoriamente convidada a participar de debates.

*

Agosto vem aí

Apesar da Copa e do quadro de fragmentação na sucessão presidencial, os partidos estão numa fase de definir rumos. Entre 20 de julho e 5 de agosto, os partidos farão suas convenções oficiais. Certamente, haverá uma peneirada no quadro eleitoral, com redução do número de candidatos.

Henrique Meirelles está sendo cobrado pelo MDB, que pode abandoná-lo quando agosto chegar. Rodrigo Maia (DEM) também sofre pressão interna para jogar a toalha.

*

Bloco forte

Se pudesse ser candidato, Lula seria o favorito. Como esse cenário é o menos provável, apesar da luta política e judicial do ex-presidente para concorrer, sobra um pelotão com quatro nomes: Jair Bolsonaro (PSL), Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB).

Se o PT lançar um postulante que não seja Lula, cenário mais provável no primeiro turno, esse nome pode entrar no pelotão forte da sucessão presidencial. Fernando Haddad e Jaques Wagner são os petistas cogitados para o plano B do partido.

*

Sentiu o perigo

Bolsonaro não quis debater com Alckmin, mas está dando bordoadas em Ciro. O perfil durão do pedetista compete com o do deputado federal do PSL.

*

Vida privada

Foi arquivado o inquérito que apurava supostas menções depreciativas de delatores da JBS a ministros do STF. A PF (Polícia Federal) não descobriu nada.

Na época, houve mal-estar entre Rodrigo Janot, então procurador-geral da República, e ministros do STF, como a presidente da Corte, Cármen Lúcia.

Nos bastidores, circulam rumores em Brasília de que haveria, de fato, apenas gravações sem interesse público, com menções de delatores à personalidade e ao estilo de vida de ministros e ministras do Supremo.

*

Perigo federal

Em Brasília, um aplicativo de desafios sexuais tem sido usado por crianças de uma escola pública. É um caso grave. A polícia precisa agir.

O desenvolvimento natural da sexualidade faz parte da vida de crianças, adolescentes e adultos. Mas a erotização infantil e a sexualização precoce queimam etapas e antecipam aprendizados que podem deixar traumas e serem danosos para uma sexualidade saudável.

*

Falar grosso

Nos EUA, crianças brasileiras continuam separadas dos pais. É preciso maior pressão política do governo brasileiro, porque o migrante que topa correr o risco de entrar ilegalmente nos EUA está em situação de desespero. O seu país tem a obrigação de socorrê-lo.

*

Bolão do JCBN2

Roberto Nonato acha que o Brasil vai ganhar de 4 a zero da Costa Rica. Isabel Campos previu placar de 2 a 1. Tô torcendo para dar 2 a zero. Já estaria ótimo.

Se quiser mais detalhes, ouça os comentários no áudio abaixo:

Comentários
4
  1. Maria Aparecida Ramos Tinhorão disse:

    Brasileiro no exterior está sempre abandonado à própria sorte.
    O Itamaraty é um estado dentro do Estado, não obedece a nenhuma hierarquia porque é composto de funcionários arrogantes e preguiçosos… É uma desonra à memória do Barão do Rio Branco !

  2. Wander disse:

    Pena que os paulistas não acreditam na corrupção dos Tucanos ( PSDB ), ainda assim irão querer colocar a culpa no PT.

  3. walter disse:

    Kennedy, a marina quer fazer o papel da imaculada, não deve seguir, com parcerias contaminadas; se o Alkimin esta amaldiçoado, deve se aos desmandos, das raposas felpudas de seu partido, estão se transformando em Pó a candidatura…o FHC parece um cavalo pangaré, tentando a qualquer custo, trazer novidades ao partido; jamais aceitou interferência, quando estava no auge; suas soluções da montanha, pelo bem de quem…esqueceu de avisar aos Russos; Houve uma reunião na calada da noite, entre temer maia e Aécio; estavam tentando costurar uma aliança contra a lava jato para variar…o Alkimin, esta mais para Meirelles, e Maia, do que para a Marina, já que ela não vai topar, por tabela o PPS também não…quanto a delação da JBS, tem boi na linha desde o inicio; joesley, tentou comprar todos…Quanto a orientações sexuais absurdas com as crianças,feita por bandidos; devem ser identificados e punidos; nossas relações com EUA sobre filhos separados dos País, deveríamos saber um pouco mais…

  4. Vicente disse:

    Álvaro Dias vai derreter com seu “refundação da República” e o voto útil em Alckmin ou Marina vai prevalecer. Termina com 3%. Isso se não compor com Alckmin ou até Marina.
    Meirelles vai sugar a rejeição de Temer. Terá 3%.
    Boulos e Amoedo competirão pra quem passa de 1%.

    Ou seja, 90% dos votos vão se dividir entre esse bloco:
    Haddad (PT-PCdoB)
    Ciro (PDT-PSB)
    Marina (REDE)
    Alckmin (PSDB + DEM/PP/PRB/PSD/PTB)
    Bolsonaro (PSL)

Deixe uma resposta para Vicente Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-12-03 06:54:45