aki

Kennedy Alencar

cadastre-se aqui
aki
Economia
27-03-2015, 9h45

PIB de 2014 retrata fracasso econômico de Dilma 1

Governo aplicou desenvolvimentismo que não desenvolveu, com PIB médio anual de 2,1%
22

Postado por: Daniela Martins

Divulgado hoje, o PIB de 2014 é um número ruim e já esperado. A taxa de 0,1% de crescimento do Produto Interno Bruto no ano passado não faz justiça ao Brasil, um país que tem vocação e potencial para crescer. O dado é o retrato econômico do que foi o primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff.

Fracassou a política econômica adotada pela presidente, pelo então ministro da Fazenda, Guido Mantega, e pelo à época secretário do Tesouro, Arno Augustin. Aplicou-se um desenvolvimentismo que não desenvolveu. Foi um erro que resultou em baixo crescimento, inflação alta, juros altos e falta de credibilidade fiscal.

Temos uma combinação dos piores resultados. Tanto que a previsão do Banco Central para 2015 é pessimista: inflação de 7,9%, acima do teto da meta oficial, e queda de 0,5% do PIB. Inflação alta e recessão resultam em estagflação.

O dado de hoje é uma fotografia do passado que serve para entender como chegamos à atual situação econômica. Nos quatro anos do primeiro mandato da presidente, a inflação média ficou em 6,15%. O segundo mandato começou com o Banco Central prevendo quase 8% para 2015.

O crescimento do PIB na média dos quatro anos do primeiro mandato de Dilma foi de 2,1% _ já levando em conta a revisão das taxas de 2011 (3,9%), 2012 (1,8%) e 2013 (2,7%). O Brasil tem crescido pouco durante a gestão de Dilma. O índice de 0,1% de 2014 é, na prática, PIB zero.

Neste começo de segundo mandato, a presidente Dilma mudou a política econômica e começou a fazer uma pequena autocrítica, admitindo que pode ter havido erro de dosagem. Houve, na verdade, um grave erro de dosagem. A “nova matriz macroeconômica”, como Dilma e Mantega gostavam de chamar a política econômica do primeiro mandato, foi um desastre para o país e está cobrando um preço alto.

A presidente deveria refletir sobre o resultado do PIB que saiu hoje. Quando ela assumiu o primeiro mandato, em 2011, a fotografia era melhor na política e na economia. Dilma recebeu uma base de apoio na Câmara maior do que Lula tinha. Um Senado arrumado. A economia crescendo. A contas públicas tinham credibilidade. A inflação estava controlada.

A revista “Economist” retratava o Brasil em sua capa com uma imagem do Cristo Redentor decolando como um foguete. Recentemente, a mesma revista britânica fez uma capa mostrando o Brasil como uma Carmen Miranda atolada no brejo.

Algo de errado aconteceu ao longo do caminho. A presidente argumenta que preservou o emprego e sempre invoca a crise econômica internacional. O desemprego está aumentando. Outros países já deixaram a crise internacional para trás. O Brasil tem um colchão social que ajuda a atravessar a crise. Mas a imagem do primeiro mandato de Dilma é a de uma oportunidade perdida. E as dificuldades na política e na economia não sinalizam bons resultados no segundo mandato.

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
22
  1. Kennedy eu se fosse ela pedia pra sair diante da antipatia popular antes que o povo faça isso a força igual fizeram com o Collor…

    • walter disse:

      Caro Osvaldo Jorge,l vc tem razão, mas a dilma não vai pedir para sair; eles levarão, até onde der; vão usar de meios espúrios para ficar; eles sabem, quando sair, a casa ficará destrancada.
      Após a saída do PT, encontraremos por anos, esqueletos nos armários; desconstruiram e aparelharam; cadeia é pouco…
      A DILMA NÃO É MAIS A PRESIDENTE DO PAÍS; todos nos sabemos; as PECS que não depende dela, já estão sendo usadas.
      Não é difícil calcular, com a falta de carisma da dilma, não tem mais como conquistar nem renan e muito menos o cunha; ESTES DOIS UNIDOS, SÃO IMPOSSÍVEIS DE SER ALCANÇADOS; ACREDITEM O TEMER É O NOVO PRESIDENTE…

  2. Marcelo disse:

    Retrato do primeiro mandato e previsão do segundo.

  3. Ronaldo disse:

    Entendo que D. Dilma não é o PT e nem o representa. Trata-se apenas de uma escolha pessoal de um líder petista que não deu certo, fornecendo enorme quantidade de argumentos aos que representam o carcomido “regime feudal” brasileiro, contra governos de origem popular. Toda a parafernália evidenciada nos últimos meses nada mais é que um “constructo” de má qualidade orquestrado e produzido pelo mesmo segmento social que tenta manter o pais sob suas rédeas desde os tempos da Colônia. Afinal tentar rotular uma família como quadrilha porque alguns de seus membros se marginalizaram é um discurso recorrente de quem entende tudo de manipulação, mistificação e instrumentalização. Tenho convicção que a história fará justiça ao PT da mesma maneira que evidenciará os que sempre foram os “vampiros” da Nação desde que essa se constituiu como tal.

  4. José Maria disse:

    Como sempre o pt mostrando sua total imcompetencia em administração,como Erundina,Marta,Lula,Dilma Hadade,sempre com a frase governamos para os pobres,(eles todos do pt estão muito ricos),somos contra banqueiros,as zelites branquela de zóio azul,etc,etc…Cade a gerentona,mãe do pac empacado,trouxe copa do mundo,olimpiadas,sem ter arrumado a economia,sob lula cresceu poruqe o mundo puxou os preços de comodites e olula deitou em berço esplendido,achando que foi ele que fazia tudo aquilo,veio a bolha de 2008,se ele tivesse arrumado a economia feito reformas trabalhistas,previdenciaria,fiscal,nunca um presidente teve tanto mimo e apoio como lula pois era exótico um sindicalista semi eleito numa democracia presidente,surfou na onda do fhc,pois ele estabilizou a economia o povo sofreu e não compreendeu,não mpoderiamos jamais deixar uma imcopetente dessarrumar novamente a economia por atos populistas,par perdurar no poder um partido,agora somos cham,ados mais uma vez para pagar a conta dos gastos superfaturados do governo,tinhamos que ter conciencia e não pagar tanto impostos escorchantes,pois o serviço publico estão lastimáveis.

  5. Ainda há esperança disse:

    “A economia é o que sobra quando acaba a política”, já dizia Aristóteles.
    Antigamente a tática do PT era a de ocupar as ruas. Desde que ocupou o poder, trocou as ruas pelo aparelhamento do Estado. Deu no que deu. Todos os setores do Estado foram aparelhados e parecem corrompidos: mensalão, petrólão, e agora o fiscalão. Fundão, eletrolão e não se sabe o que mais pode vir.
    Se nem a economia está sobrando, é porque o PT e a sociedade conivente, nos últimos 13 anos, já haviam acabado com a política. O espaço que o PT nos deixou e que nos sobra são as ruas. Ocupemo-lo em 12/04.
    Para fazer reviver a política pacificamente, precisamos usar os instrumentos democráticos que ainda temos: os políticos do Congresso. Certos ou errados, culpados ou inocentes, precisamos que Renan e Cunha sejam nossos instrumentos para revivificar a política.
    Por ora deixemos que a justiça cuide dos desajustados dentre eles. Se a justiça falhar e dos que sobreviverem, cuidaremos depois. É a única forma de mostrar para a Dilma, para o PT, para os outros partidos políticos e para todos os outros integrantes dos demais poderes que eles não entenderam nada, e que não são os donos da verdade.
    Está ruim com o que resta da política, mas será pior sem ela. Acreditem!
    Se você integra o time daqueles que pagam a conta, em 12/04 ocupe as ruas. Já que a Dilma, o PT e a maioria dos políticos tem dificuldades de fazer política “com P maísculo”, este é o último sopro de liberdade que resta para construir uma democracia possível e aceitável.
    Se permanecermos passivos, daqui a pouco, nem a economia vai sobrar.

  6. Santos disse:

    Por causa da incompetência deste governo e da oposição, o país vai amargar uma crise de grandes proporções para tentar consertar essa lambança. Mas não tem problema, pois as “excelências” de todos os partidos continuarão a ter sua vidinha tranquila e rica bancada pelos escravos trabalhadores e patetas que as elegeram.

  7. Luis disse:

    Por favor, não considere como uma defesa de um governo que claramente falhou na articulação política e principalmente na comunicação.
    Mas, como foi dito na matéria, vale olhar o histórico.
    Se desconsiderarmos as loucuras (como isenções) que foram feitas ano passado, o crescimento era maior do que a media do próprio FHC e perdia apenas para o Lula. Nada mal, para um período em que o resto do mundo se afundava.
    A inflação desse ano será alta por conta das besteiras do ano passado, mas mesmo assim ela tem a menor media de inflação da história de um presidente no Brasil. Então, a inflação é alta sim, mas tem que ser contextualizada.
    Vale lembrar também que o desemprego nos eua e na europa caiu porque o número de pessoas procurando emprego diminuiu e não porque o emprego cresceu. Além disso, a renda média nesses países caiu enquanto que no Brasil continua crescendo acima da inflação. A crise brasileira é muito mais política e de comunicação (falta dela) donque econômica. Se o Brasil tivesse sofrido onque os EUA e a Europa sofreram e ainda sofrem pela crise (aposentadorias perdidas, graduados trabalhando em 3 lanchonetes por 18hrs dia para sobreviver, desemprego acima dos 10% na maioria dos paises (passando dos 20% em alguns), reduções salariais) teríamos uma guera civil.

  8. Claudio Antônio disse:

    Bem, os números são ruins e seriam piores se não fossem as “revisões” e as “manipulações”, tais como venda de plataformas que nem tinha saído do papel, diminuição da meta fiscal e venda de aviões sem asas. Kennedy diz que Dilma deveria olhar melhor os números, fazer uma reflexão, ok, mas sabemos que Dilma jamais fará isso. Fechamos a semana com novo escândalo, agora envolvendo o ministério da fazenda, receita e novos apadrinhados…Até quando vamos viver com PIB ruim, desemprego, inflação, corrupção, sem saúde e péssima educação? E tem gente que vem aqui defender PT, partidos e políticos…ninguém merece.

  9. Domingos disse:

    Parabéns Ronaldo pelo seu magnífico comentário, ele retrata um brasileiro coerente e que não se deixa corromper por uma direita carcomida.

  10. Fran Abreu disse:

    É tempo de juntar todos – todos os partidos, todos os políticos e “gerenciar” o País com competência e parcerias. Chega de dá poder a qualquer político (muitas vezes incompetentes para o cargo), porque pertence a esse ou aquele partido que “apoiou” a base do governo. Os partidos/políticos precisam trabalhar juntos pelo Brasil e não pelo partido. Cooperação. Compartilhamento. Sentimento Comum. Respeito Comum. Irmandade (brasileiros). Família. DNA comum. Propósito comum: o bem- estar social do BRASIL (de todos nós)!

  11. Anderson Pimentel disse:

    Excelente comentário, Kennedy. muito esclarecedor.

  12. Marco Túlio Castro disse:

    Quero aqui externar meu sincero agradecimento aos eleitores da Dilma por terem garantido minhas próximas férias num resort qualquer do nordeste. Com o dolar caminhando firme para os 5 reias e como moro na Europa o Euro vai estar uma beleza !!!!
    Obrigado de todo coração por manterem a grande estadista e economista no poder por mais 4 anos.
    Vai ser ótimo trocar uma nota por 5 de igual valor de face no aeroporto!
    Parabéns pelas escolhas ! E lembrem-se sempre: Cada povo tem o governo que merece. Como eu achei que não merecia, fui !!!!!

  13. César disse:

    Por vários anos seguidos falou-se sobre a importância de se resolver os gargalos da economia brasileira. Portos, aeroportos, ferrovias, rodovias, e o setor energético não estavam preparados para comportar o crescimento do país. Já outros alertavam para o perigo de se entrar no oba-oba da gastança para se realizar uma Copa do Mundo e Olimpíadas no Brasil, dizia-se que outros países que fizeram estes jogos se endividaram e passaram anos pagando o preço de ter no currículo um evento de tamanha grandeza e de tão pouco retorno para o anfitrião. Fizemos as escolhas erradas preferindo a festa e a farra com o dinheiro público em detrimento as melhorias da infraestrutura deficiente do país e das urgências da nação. Agora pagaremos o preço por termos dado de ombros aos alertas e pelo despreparo atual para enfrentarmos os anos de vacas magras (e com tosse). O discurso distorcido da realidade brasileira feito pelos governantes do pão e circo já não cola mais. A realidade é dura nua e crua, e vai descer a seco pela goela do povo já saturado de tanto engolir sapos. Passaremos com muitas dificuldades pelo período de economia fraca e estagnada que desembocará em recessão econômica antes da recuperação. Diferente daqueles que acham aqueles que estão criticando o desgoverno da política da esquerda, são da direita raivosa ou os que torcem para o quanto pior melhor, vejo por outro prisma mais objetivo e pela lógica econômica da receita X gastos ou do plantio e da colheita, algo simples e que não foi inventado por mim, é só o obvio. A esquerda como está estruturada hoje não se sustenta! As políticas sociais devem ser realizadas para se diminuir a desigualdade social porém, deve respeitar a capacidade do cidadão pagador de impostos, para suportar uma carga tributária elevada por tanto tempo encontrando o ponto de equilíbrio para equaliza-la de maneira que não seja ela motivo de paralização da economia e para que esta sociedade, geradora de recursos através de tributação dos seus esforços não fique também estagnada e com o seu próprio crescimento comprometido por ter que carregar sozinha todo o ônus destas políticas sociais. Cabe ao poder público encontrar a equação adequada para o problema, que vem de longe e nos foi deixado de herança e não criado por nós. Cabe ao poder público encontrar a equação adequada para o problema, que vem de longe e nos foi deixado de herança e não criado por nós. Porque o povo já não aguenta mais pagar a conta, e ser tão tributado e tão roubado por nada. Para ver os impostos serem usados pelo partido que está no poder para comprar votos e não para uma real diminuição da pobreza.

  14. Cesar disse:

    Na próxima vez que o Brasil for capa da revista “Economist” aparecerá a imagem do Cristo com os dizeres “Pobres coitados! Que Deus os proteja!”

  15. NETO DE PRESO POLÍTICO disse:

    Ótima política econômica, com indexação dos preços ( tarifas, taxas, impostos, alimentos, combustíveis…) acima da inflação, e com correção diminuta das pensões, dos salários e das aposentadorias acima de um salário mínimo.
    Realmente o governo possui ótimos economistas, principalmente aqueles com falso mestrado na UNICAMP.
    Dia 12/04 estaremos nas ruas.

  16. Francisco Santos disse:

    Ok, concordo que a politica econômica do governo Dilma foi, não um desastre, mas esta longe de ser vitoriosa. Porem, é errado apresenta-la como catastrófica. A media de crescimento de 2% a.a. é semelhante ao FHC e o FHC entregou o governo com inflação de 12% e dolar a quase R$ 4,00, e nenhum jornalista ou grupo conservador propunham impeachment ou propagava a ideia de catastrofe nacional. Entao, esses alarmes de agora são, no minimo, estranhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-12-03 10:58:13