aki

cadastre-se aqui
aki
Política
18-09-2013, 12h16

PMDB espera cargos do PSB no Nordeste


PMDB espera cargos do PSB no Nordeste

O PMDB aguarda com ansiedade a entrega dos cargos do PSB no governo Dilma Rousseff. A intenção da presidente é distribuir a maioria desses postos para peemedebistas, a fim de reforçar palanques estaduais no Nordeste, a região do governador Eduardo Campos (PE).

Na avaliação de Dilma e de seus estrategistas, a saída do PSB do governo vitaminará a aliança PT-PMDB. Os peemedebistas, que já têm o controle do Senado e da Câmara mais a Vice-Presidência da República, agradecem. Vão aumentar seu poder de fogo.

Dilma vai procurar fazer alianças fortes no Nordeste, onde o PT tem desempenho superior ao de outras regiões do Brasil. A intenção é limitar o crescimento de Campos no próprio terreno.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi contra a pressão de Dilma para que o PSB acelerasse a entrega dos cargos federais. Para Lula, a demora só aumentava a dificuldade de Campos para justificar um projeto presidencial depois de apoiar o governo por tanto tempo.

Com razão, o ex-ministro Ciro Gomes alertou o PSB de que alongar essa despedida só aumentaria prejuízos. Campos articulou a decisão depois que se tornou pública a insatisfação da presidente com movimentos dele em relação ao senador Aécio Neves (MG), provável candidato do PSDB a presidente da República.

Agora, há o fortalecimento da candidatura presidencial do governador de Pernambuco. A entrega dos cargos praticamente sacramenta isso, apesar do baixo desempenho dele nas pesquisas. Mas faz sentido. Time que não entra em campo não tem torcida. Ser candidato agora é uma forma para, no mínimo, fortalecer seu nome para 2018.

Apesar da relação ruim entre Dilma e Campos, Lula tem aconselhado a presidente a deixar uma porta aberta. Num eventual segundo turno, quer ter o apoio do PSB, um aliado tradicional do PT em eleições passadas. Mas isso vai depender do nível de conflito entre Dilma e Campos na campanha e de qual nome deverá enfrentar a presidente numa segunda etapa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-09-26 11:53:15