aki

cadastre-se aqui
aki
Política
30-10-2019, 19h26

Porteiro precisa ser protegido, não pressionado

Moro e Aras entram mal no caso ao desqualificar testemunho
10

Kennedy Alencar
BRASÍLIA

É enorme a pressão sobre o porteiro que citou o nome do presidente Jair Bolsonaro no caso Marielle. O porteiro precisa ser protegido, não pressionado. Se ele mentiu, como diz o Ministério Público do Rio de Janeiro, claro que é preciso apurar. Também é claro que o presidente da República tem direito a uma defesa plena e ampla, mas isso tem de ser feito dentro da lei.

É estranho Bolsonaro e o ministro da Justiça, Sergio Moro, quererem usar a Polícia Federal como polícia política. O objetivo seria investigar o porteiro e as circunstâncias do depoimento dele.

A Polícia Federal é uma polícia de Estado, não é uma polícia de governo. Uma investigação tem de obedecer aos requisitos legais e não à vontade do presidente da República ou do ministro da Justiça.

Nesse contexto, entraram mal no caso duas autoridades que têm muita responsabilidade: Moro e o procurador-geral da República, Augusto Aras. Moro desqualificou o depoimento do caseiro. Aras o chamou de “factoide”. O procurador-geral da República considerou Bolsonaro uma vítima. Ora, isso é atitude de engavetador-geral da República.

A investigação do caso Marielle tem quase 600 dias. Polícia Civil e Ministério Público até hoje não deram solução satisfatória. Pelo contrário, há diversas frentes abertas, inclusive com diferença de opinião em relação ao que pensava a antecessora de Aras, Raquel Dodge. Portanto, é preciso cautela para aguardar os desdobramentos.

O que ganharia um porteiro ao inventar uma história contra o presidente? Por que anotaria que Élcio Queiroz, um dos acusados de matar Marielle Franco e Anderson Gomes, entrou para visitar a casa de Bolsonaro?

O cuidado com o tema demanda que Moro e Aras tenham mais lealdade à Constituição do que ao presidente da República.

*

Pendor autoritário

Chama atenção a reação do presidente Jair Bolsonaro lá da Arábia Saudita. Foi uma reação autoritária e desmedida, muito fora do tom. Houve ataque grave ao trabalho da imprensa e à TV Globo. Mostra mais uma vez que Bolsonaro não convive bem com a democracia e que tem essa estratégia danosa ao país de governar na base do conflito _criando crises, alimentando teorias conspiratórias e vendo inimigos imaginários.

Ouça abaixo o comentário de hoje no “Jornal da CBN – 2ª Edição”:

Comentários
10
  1. walter nobre disse:

    Kennedy, esta a polícia do Rio mostrou porque até HJ, não tem provas cabais relacionadas ao crime contra a vereadora, mais o carão do witzel nesta hipócrita postura como governador; por isto o Jair idolatra tanto o filho Carlos, desta vez mostrou a competência necessária. O Porteiro será investigado, e mais uma vez deve ter muito a informar sobre a simulação clara, diante das provas rápidas que o filho do presidente conseguiu, acabou com a intenção clara em, usa lo como bucha de canhão; por estas e por outras, até o judiciário se mostra infestado de norte a sul, a investigadores duvidosos, e policiais mal intencionados. o Jair tem razões diárias para detestar a globo, pelo conjunto da obra, desde sua campanha, a emissora o trata como um descartável. Devem colocar as barbas de molho, esta notícia surgiu no dia seguinte a publicação do vídeo, demonstrando a imparcialidade clara; as investigações poderão apontar “gato nesta tuba”. aguardar o depoimento do porteiro, para confirmar…

  2. Adolfo Guilherme Werndl Neto disse:

    E muita proteção, como sabemos á corda sempre arrebenta do lado mais fraco e, com certeza Ele precisa do emprego e tem família pra sustentar.

  3. José Nilde disse:

    Matéria jornalista equilibrada e séria. Acho que o caminho é seguir as regras, investigar primeiro e proteger a testemunha. As autoridades deveriam emitir resultados investigativos e não opiniões.

  4. ANDRE disse:

    Tudo que não precisamos no Brasil é de uma gestapo ou KGB (antiga KVD). Instituições como a Procuradoria Geral e PF não devem sair em defesa do presidente da república, isto demostra fragilidade democrática, elas devem apenas apurar fatos e seguir os tramites legais. Ao presidente cabe o direito de ampla defesa e sem pré-julgamento, poderia também caber o direito de manter em segredo as investigações, mas ai acho que seria exigir algo que nunca foi muito caro ao seu ministro de justiça.

  5. Miguel Ângelo disse:

    Acreditamos que ninguém quer solucionar o caso Marielli. Claro que o porteiro tem que ter proteção. E se existe uma bandeira levantada dizendo que ele mentiu. Outra deve estar hasteada como o único que falou a verdade. O papel da justiça, para este momento político, é de submissão ao presidente e suas ações. Notoriamente escancarada pelas ações da polícia e judiciário do RJ, ambas suspeitas de inverdades e irregularidades. Prova disto. É que imagens são colocadas para provar que o “Jair” estava em Brasília. Mas quais imagens mostram ele na tribuna, ou pelos arredores do local de trabalho fazendo atividade política? Mostrem para nós uma hora antes e uma hora depois da ligação que o porteiro recebeu. Vamos enxergar se ele pegou o telefone, se ele falou, gritou. Pelas imagens seria fácil com leitura labial ver se o então deputado disse: “matem aquela …”. Mas o que as pessoas ligadas a ele politicamente e juridicamente mostram. Só mais imagens para nos confundir. A Globo é séria.

  6. Miguel Ângelo disse:

    Não teria porque entrar numa mentira. Num momento onde em Brasília ninguém fará nada para usar da lei contra os crimes dos “bolsonaros”. E muito menos no RJ. Um estado perdido em meio de impunidade que abraça os crimes comuns, e muito mais os crimes políticos. Um fato que colabora para ver que coisas estranhas acontecem e ninguém pune o infrator. É a verdade que o filho de Bolsonaro estudava no RJ, com presença na instituição de ensino de direito, estagiava, e mesmo assim estava em Brasília trabalhando. Se são assim. Qual é a possibilidade do porteiro está dizendo a verdade com base: 1) tecnologia de compartilhamento da ligação do “Jair” de Brasília, para o telefone do RJ (para contestar tem que ter teste-cadê ele justiça do RJ?); 2) “Jair” ligou para o celular do porteiro; 3) “Jair” ligou para o celular de um dos ocupantes do carro; 4) “Jair” ligou para os filhos. O que a polícia/justiça cega do RJ fez p/ levantar todos os celulares e telefones de quem estava envolvido a este momento?

  7. Miguel Ângelo disse:

    Os filhos dos presidente não apresentaram provas, apresentaram indicações para barrar uma investigação que pode alcançar a maior farsa das eleições no Brasil. E elementos se tem. E se encadearmos todos. Vamos evidenciar uma enorme organização criminosa. Que pode abraçar todo o Brasil. É só somar as ações de Curitiba, os crimes do RJ, as movimentações em Brasília que quase prenderam o então presidente Temer. E favoreceram, com a facada do Adélio instável, para 12 anos perdidos para o Brasil. Tanto economicamente, como politicamente. A polícia atua por linhas. Não existiria motivos para o porteiro anotar, o que é uma atividade corriqueira dele, a observação em seu livro para registro, se não tivesse acontecido. E “Jair” pode autorizar mesmo não estando no RJ. Ele tem celular, seus filhos, seus homens e negócios. Se a polícia quiser acha as informações e diálogos. Tem agora um momento, um local, ou dois se considerada Brasília, origem do mandato de execução, para investigar. Mas vai?

  8. Miguel Ângelo disse:

    Duvidamos! Já que em horas, pessoas do judiciário envolvidas na causa do presidente, em tempo recorde já apresentaram laudo de inocência. O que tem este caso a ver com estatística, impunidade, e ação judiciária direcionada que alcança Curitiba? O tamanho da amostra. No caso do Presidente “Bolsonaro” no caso de Marielli, e ligação ao porteiro. A justiça inicia seu processo de investigação colocando a testemunha, como sendo criminoso. Quem vai defender o porteiro depois do Judiciário cego, dar a ele uma camisa xadrez? E quanto tempo ele terá até provar que falou a verdade? Uma eternidade. Se para “Jair” uma amostra minúscula de imagens, de ligações para provar sua inocência. Ao contrário, Moro, Curitiba, STF, juristas, alguns jornalistas, para o caso Lula, agigantaram a amostra. Onde tudo foi peneirado até sobrar a punição “pelo conjunto da obra”. A Globo não inventou. Só não acertou ainda, a forma de registrar que não estão fazendo a justiça/polícia, esforços para provar de verdade.

  9. Wilson disse:

    O porteiro do agora famoso “tríplex do Guarujá” parece ter tido mais sorte. Quem sabe o signo do porteiro do condomínio do atual Presidente não seja tão bom quanto do signo do porteiro lá de Guarujá.

Deixe uma resposta para Porteiro precisa ser protegido, não pressionado. Por Kennedy Alencar | Poliarquia > Cancel reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2019-11-22 19:11:35