aki

cadastre-se aqui
aki
Política
12-06-2017, 8h10

PSDB tende a continuar no muro; TSE acerta

Movimentos de Aécio, Alckmin e Doria dificultam rompimento já
14

KENNEDY ALENCAR
BRASÍLIA

Provavelmente, o PSDB deverá continuar em cima do muro em relação ao rompimento com o presidente Michel Temer. Haverá hoje em Brasília reunião da legenda para avaliar o pedido dos setores tucanos que desejam abandonar o governo.

Os tucanos esperavam que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) cassasse a chapa Dilma-Temer, dando ao partido discurso para um rompimento com o presidente. Com a vitória de Temer no TSE, houve reação dos que defendem manter o apoio ao governo, ainda que temporariamente.

Há boa possibilidade de o PSDB tentar ganhar tempo, aguardando a provável denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente da República a fim de avaliar se toma uma decisão definitiva ou não.

Na semana passada, havia crescido a possibilidade de desembarque. Mas o TSE complicou o discurso de abandono. O senador afastado Aécio Neves também é investigado por causa das delações da JBS. O PSDB depende do apoio do PMDB para evitar, por exemplo, a cassação do mandato de Aécio pelo Senado. Do ponto de vista ético, os tucanos não estão em situação melhor do que peemedebistas e petistas na Lava Jato.

Existe ainda um componente eleitoral: o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o prefeito de São Paulo, João Doria Jr., cogitam ser candidatos a presidente em 2018. Tirar Temer do governo agora pode abrir espaço para que chegue à Presidência um potencial rival eleitoral de Alckmin e Doria. Por isso, os dois estão pressionando para evitar o rompimento agora.

O presidente em exercício do PSDB, o senador Tasso Jereissati, tentará encontrar uma solução que agrade a todos, dando tempo aos que desejam ainda permanecer com Temer, mas talvez endurecendo mais o discurso em relação ao governo _sinalizando, por exemplo, que o rompimento poderá se dar a depender da evolução da crise e de fatos novos que vierem a público.

Dois pesos, duas medidas

A decisão do TSE foi muito criticada, porque o relator do caso, Herman Benjamin, apresentou um enorme conjunto de provas de abuso do poder econômico. No entanto, faz sentido o argumento de não arrastar um processo desse tipo durante anos. Hoje, é contra Temer, que está com baixa popularidade e atravessa uma crise. Amanhã, poderá ser contra o próximo presidente.

Permitir que uma ação desse tipo se arraste por quase três anos é criar instabilidade para futuros governantes. Houve dois pesos e duas medidas nesse julgamento. Um processo que tinha um caminho com Dilma no poder e passou a ter outro com a ascensão de Temer.

O maior erro do TSE foi ter esticado essa ação em 2015 e tomado uma decisão só agora, no meio de 2017, a respeito de uma eleição que aconteceu em outubro de 2014. As pessoas têm o direito de não gostar da decisão, de criticar o TSE, de apontar excesso de provas. Mas o direito não socorre quem dorme.

No caso da Justiça Eleitoral, faz sentido prazos mais curtos para o processo chegar ao final. Do contrário, nenhum presidente terá paz para governar. Bastará ao perdedor entrar com ação no TSE e tentar arrastar o processo o máximo possível.

A próxima batalha

Com a vitória no TSE, Temer ganhou fôlego para tentar barrar na Câmara a denúncia que o procurador-geral da República deverá apresentar. Para que o STF (Supremo Tribunal Federal) possa dar seguimento à denúncia, dois terços dos 513 deputados federais têm de autorizar. São 342 deputados.

Hoje, o governo teria apoio para vencer e gostaria de dar tramitação rápida à denúncia. No entanto, será preciso ver a consistência da denúncia de Janot. A depender dos fatos apresentados pela denúncia, ficará mais fácil ou difícil para Temer enfrentar essa batalha.

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
14
  1. Joaquim disse:

    Desculpe discordar Kennedy. Se o processo se arrasta por três anos é por culpa do próprio TSE. Não condenar a chapa foi um tapa, ou melhor um muro na cara de todo brasileiro. Foi um tiro no pé do próprio judiciário, foi um recado errado para os políticos, simplesmente mostrou a verdadeira cara do Temer e jogou no lixo a ultima esperança que o brasileiro tinha: o judiciário. Uma coisa eu tenho total certeza na próxima eleição elegeremos um novo Collor. Espero que a ministra Carmen Lucia, com a ajuda do decano da corte consiga reunir os frangalhos. Ações como de Lewandowski no impedimento da Dilma e as ultimas do Gilmar tem que ser impedidas. Queremos uma justiça que aja como o caso Madoff no USA, não como a nossa que passa a mão na cabeça de Eike Bastista. Falta moral.

  2. Edu Volpe disse:

    Pois é, um tribunal que só existe pra cuidar de assuntos eleitorais deixar uma matéria séria como essa se arrastar por dois anos é prova inequivoca de que sua existencia é perfeitamente dispensável, poderia ser apenas uma vara da justiça federal a cuidar disso, não um tribunal dedicado apenas a essa causa mas que mesmo assim vive tomando bola nas costas de políticos ordinários que financiam tudo via caixa dois e depois declaram dinheiro de pinga ao TRE

  3. João disse:

    A nossa “justiça” é assim…. “acerta” ou “erra” conforme a conveniência (ou o julgado) do momento.. é a tal da zelite e seus interesses de classe… constituição às favas há tempos.. É muito didático acompanhar isso tudo e seus atores… inclusive os da imprensa “livre” ou “independente”…

    • walter disse:

      Falou Tudo João; somos de fato uma Ditadura “democrática”, ou seja, são os caciques que determinam nossos caminhos através de lobbys de grandes corporações; como bancos, comunicações, e grandes da Agro industria; normalmente nas mãos das “raposas felpudos nos três poderes; não podemos nos iludir mais…tem uma meia duzia que dão as cartas a muito tempo…HJ em dia por incrível que o pareça, estão em “guerra” para saber que manda mais..por isso a lava jato incomoda tanto; esta prejudicando este bando instalado, e não esta dando para disfarçar; terão que sacrificar alguns neste meio, para que os outros sobrevivam; estes são fatos incontestáveis; este é o Brasil de nos todos, nas mãos de bandidos, que alimentamos a muito…

  4. Maria Aparecida Ramos Tinhorãoa disse:

    Essa fisionomia muralista do PSDB foi estampada por Alckmin.
    Ele sucateou a polícia de São Paulo, entregando o Estado ao crime, à insegurança e deixando a população refém das ONG´s de direitos (des)humanos, facções, pastorais e outras quadrilhas.

  5. Manoel José Ulisses disse:

    disso tudo só uma coisa é que me preocupa: Quem será o próximo chefe de quadrilha a nos governar, será masi cauteloso ou ainda mais ousado do que os que estão andando por ai?

  6. Existe um adágio antigo que diz: “uma mão lava a outra e ambas lavam a cara”. O PSDB precisa dos votos do PMDB para manter o Aécio Mineirinho no senado e o PMDB precisa dos tucanos para manter o Conde Drácula e seu pacote de maldades no poder. Muita grana vai rolar.

  7. E O MPF NÃO VAI ENTRAR COM RECURSO NA SENTENÇA CONTRA AS PROVAS DOS AUTOS? disse:

    Sou leigo, mas não entendi o porquê da citação da frase “O direito não socorre a quem dorme”? Mas quem dormiu? A ação não deu entrada logo após as eleições?
    Se alguém dormiu aí foi a Justiça, o TSE! E quem assassinou a justiça foram quatro disenterias verbais e decrepitudes morais que ficarão na História como cometedores de um verdadeiro crime processual, julgando totalmente contra as provas dos autos. Aliás, não irá o MPF entrar com recurso contra isso?

  8. Solange disse:

    Nós como povo não devemos votar em ninguém que seja apoiado pelo PMDB.

  9. Wellington Alves disse:

    O processo no TSE só fortaleceu o argumentos que mostram que foi golpe. Gilmar disse que o processo não foi arquivado por insistência dele próprio e depois não via mais necessidade. GOLPE.

  10. Guilherme Fernandes disse:

    Kennedy, o TSE acertou em que? Na verdade, erraram muito feio na condução do processo, o que gerou instabilidade institucional. Isso é algo já dado pela circunstância do que foi sendo gerado a partir de 2014. Mas o maior problema, sem dúvida, foi o resultado desse processo — a manutenção de Temer — diante das acusações apresentadas.

    O TSE precisa estabelecer prazos para julgar as contas eleitorais, isso é fato. Fica claro com essa decisão que o Judiciário tem lado muito e já não esconde qual é.

  11. ANDRE disse:

    O julgamento foi esticado pelo Gilmar Mendes para que desse tempo do Temer indicar seus dois compadres, sabendo das aposentadorias que estavam para ocorrer no TSE. Este mesmo TSE, que já cassou governadores, com muito menos evidências, preservou a chapa do presidente e com direito a atuação bizarra do ministro Napoleão, que deu um ataque histérico em plena sessão. Ele tem o direito de externar a sua indignação, mas escolheu o lugar, o momento, as palavras e os gestos errados. Executivo, legislativo e judiciário, será que nada nos salvarão destas trevas ? Me sinto envergonhado e desonrado em ter meu país conduzido por estes sórdidos, escondidos atrás dos três poderes.

  12. ANDRE disse:

    Kennedy, não concordo tanto quanto ao fôlego que ganhou o Temer, a batalha do TSE foi dura, foi daquelas em que o vencedor vence, mas sai muito debilitado. Um julgamento por 4X3, com o desempate ocorrendo por meio de Gilmar Mendes, com a dureza do voto do relator e de dois outros ministros do supremo, não é convenhamos a vitória dos sonhos. A procuradoria através de Nicolau Dino, O relator Herman Benjamim, os ministros Fux e Weber expuseram o presidente perante toda a população, contribuindo para arruinar ainda mais a percepção que a mesma tem sobre o presidente Temer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-10-24 06:35:39