aki

cadastre-se aqui
aki
Política
22-11-2013, 9h28

PT decidiu se confundir com crime

7

Análise no “Jornal da CBN” sobre ambiguidade do PT. Ora diz que foi republicano ao nomear procuradores-gerais independentes e que prisão de petistas é exemplo de que partido cortou na carne. Ora acusa Supremo de casuísmo e de julgamento político. Não dá para fazer os dois discursos. Romaria à Papuda é confundir partido com crime.

Comentários
7
  1. Gilberto Jesus Ferraz disse:

    Pois é, aqui no Estado de São Paulo a raposa não para de visitar o galinheiro, mas garante que vai prender o ladrão dos ovos. Que confusão…

  2. swamy disse:

    Hoje você se comportou bem para os interesses do patrão. O Milton levantava e você cortava onde era determinado.
    Normalmente você tem sido mais independente. Hoje você foi jornalista da CBN.

    A crítica que faço, além da acima manifestada, é quanto a você dizer, depois da bola levantada pelo Milton, que a decisão do STF não é casuística.
    O STF decidir por unanimidade, nesse caso da AP 470, foi casuísmo, pois a jurisprudência do STF não previa execução de parte da pena. Você, ao que sei, não é jurista, mas é inteligente o bastante para pesquisar no site do STF e ver que não há decisões nesse sentido. Aliás, há no sentido oposto.

    Quanto à “romaria” ao presídio, não vejo qualquer desrespeito à democracia nem ao STF. Aliás, quem desrespeitou a lei e a Constituição, foi joaquim barbosa com suas decisões figadais e ressentidas. Quem desrespeita a democracia são os jornalistas antiPT, como muitos aí dessa rádio que troca a notícia.
    Quanto ao dinheiro público do qual você falou, joaquim escondeu o Laudo da PF que comprova que o dinheiro da Visanet não era público. (J)oaquim barbosa escondeu isso da defesa apenas para manter a falsa versão de dinheiro público e da culpa de pizzolato, pois este era do PT. Uma vergonha. E você vem falar em “desrespeito ao STF”?

    • Me comporto de acordo com a minha consciência. Já houve caso de trânsito em julgado parcial. Decisão foi unânime no STF. Romaria do presidente do partido, deputados e senadores, fora do horário de visita, é privilégio que outros presos não têm e sinaliza um aval desses petistas ao comportamento dos que foram condenados. O Banco do Brasil
      é o maior acionista da Visanet. O dinheiro liberado para Valério tinha origem pública, no entender da maioria do STF. Já fiz comentários elogiando a biografia de Dirceu e Genoino, mas não pelo que sei, apurei e presenciei antes e depois do julgamento, não consigo apoiar o comportamento deles. Fico triste, porque o PT ajudou a civilizar a política brasileira, mas não aceita ser cobrado pelo padrão que estimulou e cultivou. Já fiz comentários com críticas a Barbosa e disse que, caso haja razão médica, Genoino deve receber direito de prisão domiciliar. Grato pelo comentário.

  3. Angelim Francisco Pilati disse:

    Lula esta brincando com fogo.cuidado o povo esta mudando

  4. Eduardo B disse:

    Condenamos alguém sem provas? Patrolamos a jurisprudência? Aplicamos dois pesos e duas medidas? Exibimos presos ao escárnio público? Quem está confuso? Mesmo que o STF esteja certo no abstrato, para condenar alguém precisa estar certo no caso concreto.

  5. João Batista Marinho de Castro Lima disse:

    E aí, você não vai falar nada do flagrante desrespeito à lei e da desumanidade cometida pelo próprio presidente do STF? Você que vive falando que o STF não pode ser atacado, etc, etc. Parece até que é um tribunal composto de vestais. Vá lá Kennedy. Eu não sou petista, mas se estivesse em Brasília, estaria lá sim prestando minha solidariedade humana e política, principalmente ao José Genoíno que, juntamente com muitos outros brasileiros democratas e corajosos, enfrentaram a ditadura sanguinária e assassina para defender o povo brasileiro. José Dirceu incluído. Tem alguns tucanos também.

  6. Ronaldo Lomonaco Junior disse:

    Caro Kennedy,
    No caso da diligência solicitada pela Suíça, houve falha do Ministério Público FEDERAL, portanto, a mesma instituição que atuou pela acusação no caso do Mensalão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-09-26 04:30:41