aki

cadastre-se aqui
aki
Recomendo
04-04-2015, 8h00

Rembrandt e a Figura Bíblica

Mostra no Museu Correios exibe 78 gravuras do artista holandês

Daniela Martins
Brasília

Depois de receber 28 mil visitantes no Rio de Janeiro, a exposição “Rembrandt e a Figura Bíblica” ficará em Brasília até o dia 7 de junho, no Museu Correios. A mostra traz ao público uma seleção de 78 gravuras do artista, com destaque para obras que abordam passagens do Novo e do Velho Testamentos.

Visitar a exposição é programa imperdível para todos os amantes da arte. E obrigatório para quem estuda ou trabalha com o assunto.

A primeira parte do circuito, dedicada à cronologia da vida e obra do artista, é ilustrada com gravuras de temas diversos, como autorretratos, nus, paisagens e alegorias. A segunda parte é dedicada aos temas bíblicos e religiosos, que representaram sua produção mais numerosa e recebem destaque nesta montagem.

Utilizando técnicas como água-forte, ponta-seca e buril, Rembrandt foi um pioneiro da gravura. A produção foi ampla e prosseguiu durante toda a sua carreira, mesmo no auge de seu trabalho com a pintura. Para ele, o trabalho gráfico nunca foi visto apenas como forma de reprodução, mas como arte em si.

É possível explorar muitos aspectos das obras expostas. Um mesmo tema retratado em momentos diferentes, por exemplo, permite que o visitante acompanhe a evolução do trabalho e da técnica do artista. É o caso de “Cristo e a Samaritana Entre Ruínas”, de 1634, e “Cristo e a Samaritana: Uma Gravura em Arco”, de 1657.

“A Ressurreição de Lázaro” é outro tema que permite esta comparação. Em 1632, foi executado em dez diferentes versões. Uma delas está na exposição. Uma década depois, o mesmo episódio bíblico foi retomado pelo artista. Duas gravuras deste momento estão dispostas lado a lado na mostra. É possível acompanhar a modificação dos detalhes e do jogo de luz e sombras.

Aliás, a observação dos detalhes das obras, que são muitos, recebe a simpática ajuda de lupas para ampliar a visão. Basta pedir uma emprestada aos monitores que trabalham na mostra. Solícitos e bem preparados, eles também agregam muitas informações interessantes à visita.

Rembrandt Van Rijn viveu na Holanda do século XVII, um país convertido ao protestantismo, que passava por um momento de grande crescimento econômico. Produziu muito e alcançou o reconhecimento de seu talento ainda em vida. Na maturidade, viu suas obras serem leiloadas para saldar dívidas. Sua arte influenciou gerações de artistas através dos séculos seguintes.

Todas as gravuras expostas nesta mostra pertencem ao acervo da “Coleção Zorn”. É a primeira vez que uma parte desta coleção (que totaliza 180 gravuras de Rembrandt) é apresentada fora da Suécia.

Para mais informações, visite a página do museu.

Adam and Eve, 1638 - Velho Testamento

Gravura interna: Adam and Eve, 1638 – Velho Testamento
Foto capa: divulgação, Jair Xavier

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-09-26 12:37:29