aki

cadastre-se aqui
aki
Economia
21-08-2019, 19h52

Se insistir em nova CPMF, Guedes perderá mais uma vez no Congresso

Ministro age de modo inábil como fez na reforma da Previdência
4

KENNEDY ALENCAR
BRASÍLIA

A nova CPMF, proposta por Paulo Guedes, ministro da Economia, não passa no Congresso. Ele já foi alertado. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez manifestação claríssima a respeito do tema.

Guedes insiste por inabilidade política. Não entende como funciona o poder nem a gestão pública. Daí tantas promessas que nunca saem do papel, muitos discursos sobre privatizações difíceis de entregar e falas que emitem sinais errados aos agentes econômicos.

Onyx Lorenzoni (Casa Civil) já está dizendo que não há decisão sobre privatização da Petrobras. Privatizar a principal estatal brasileira é algo bem complicado, mas parece fácil no mundo mágico do ministro da Fazenda.

Uma reforma tributária boa deveria cobrar mais impostos dos ricos e menos dos pobres. Deveria simplificar o sistema.

Mas o ministro da Fazenda gasta munição à toa e corre o risco de sofrer nova derrota no Parlamento, exatamente como aconteceu com a reforma da Previdência que enviou ao Congresso. A capitalização caiu, privilégios foram mantidos a pedido de Bolsonaro e Guedes ficou menor politicamente. O ministro tem de parar de imitar o chefe.

Ouça o comentário a partir dos 7 minutos e 10 segundos no áudio abaixo:

Comentários
4
  1. walter.nobre disse:

    O Grande problema do governo, a interlocução Kennedy, sobre a reorganização, com menor Imposto substituto; impostos sobre recursos financeiro em transito, o que complica já que o fantasma da CPMF continua bem vivo, nos subconsciente das pessoas…caso não seja muito bem explicado, o plano do Paulo neste sentido, já nasce morto…considerando a habilidade do banqueiro, terá que encontrar um caminho nesta transição, que não causem traumas, aos brasileiros…

    • Roberto Xavier disse:

      Será pior que o PT esse governo. Temos idiotas e patetas mal intencionados. De um lado quem lavou as mãos e do outro os “idiotas úteis” que acreditam nas mentiras propagadas pelo governo. Governo que vive de mentiras e compra briga com países parceiros mostra que tá pouco se lixando com a população. É lógico que será o povo que sofrerá as consequências de tanta ignorância. O governo quando percebe queda na arrecadação toma da população através do aumento de impostos e taxas como a CPMF. Parabéns a todos que acreditaram nesse novo governo Collor.

    • walter nobre disse:

      Não é inteligente da parte do Dr Guedes a quem respeito Kennedy; porque se aventurar a lançar um Imposto, para acabar com tantos outros, sendo indigesto aos olhos do País??? Pode contornar, agindo de forma inversa; se a intenção é diminuir a carga tributária, diminua menos, evitando de lançar outro imposto…esta falta de critério, nos incomoda; aliás, não sabemos a posição do presidente, mas isto tudo é um absurdo, não é estratégico, causando aos olhos do POVO, indignação desnecessária…se o JAIR tiver juízo, não aceitará isto…

  2. ANDRE disse:

    A CPMF DO Guedes “Chicagão” é o fim da picada, penaliza pobres e ricos, cadeia produtiva e especulativa da mesma maneira, mas exatamente para proteger os mais ricos , ele não quer uma reforma que transfira a maior parte da carga tributária para o imposto de renda, onde poderia se cobrar mais dos que tem mais. Poderia também criar um imposto como o IPVA, sobre aeronaves e embarcações, não seria muito, mas melhoraria um pouco a arrecadação para os estados, como penaliza os mais ricos ele também não tem interesse.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2019-09-22 01:08:32