aki

cadastre-se aqui
aki
Economia
02-10-2019, 19h55

Sem base formal no Congresso, Bolsonaro tropeça no Senado

Reforma da Previdência sofre desidratação de R$ 76 bi
3

Kennedy Alencar
BRASÍLIA

A desidratação de R$ 76 bilhões na reforma da Previdência, que ocorreu ontem no Senado, é sintoma da falta de uma base política formal do governo Bolsonaro no Congresso.

No presidencialismo brasileiro, governar sem coalizão azeitada leva a riscos desse tipo. O plenário do Senado aprovou o texto-base que significava uma economia de R$ 876 bilhões em dez anos. Num destaque, a oposição mudou corretamente a regra sobre abono salarial e abaixou o valor da reforma para os R$ 800 bilhões, cifra que era o desejo majoritário do Congresso.

Não está sendo aprovada a reforma do presidente Jair Bolsonaro nem a do ministro da Economia, Paulo Guedes, mas a do Congresso Nacional. A fixação da idade mínima já estava na proposta do governo Temer, que poderia ter sido implementada há três anos.

O Senado também enviou um recado, sinalizando que só votará o segundo turno da reforma previdenciária quando quiser. Está cobrando faturas da política de Bolsonaro.

O presidente da República não sabe governar nem mostra desejo de aprender. Há uma fábrica de crises no Palácio do Planalto que contribui para a lenta recuperação da economia brasileira.

Com um cenário internacional nebuloso, será mais difícil o país crescer. Bolsonaro é responsável por dificultar a recuperação econômica, com declarações diárias que são percebidas por parte da população como inapropriadas para um presidente, como já mostrou pesquisa Datafolha. Essas declarações também abalam a imagem do país no exterior e a confiança dos investidores.

Ouça o comentário a partir dos 7 minutos e 45 segundos no áudio no fim deste texto.

*

Sinal de submissão

Em entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo”, o novo procurador-geral da República, Augusto Aras, endossou a teoria conspiratória de Bolsonaro sobre Adélio Bispo, que o esfaqueou em 6 de setembro de 2018. A Polícia Federal já investigou e concluiu que Bispo tem problema mental e agiu sozinho.

Aras demonstra submissão a uma jogada política do presidente para manipular a opinião pública. Começou mal ao falar em reabrir um caso já esclarecido pela PF chefiada hoje pelo ministro da Justiça, Sergio Moro.

Outro erro de Aras: “Não concebemos um Ministério Público contrário à nossa cultura judaico-cristão”, disse em cerimônia no Palácio do Planalto ao lado de Bolsonaro. Ora, na sabatina no Senado, ele afirmou que o Estado brasileiro é laico. Parece que o novo PGR fala o que a plateia da ocasião quer escutar. Ouça este comentário a partir dos 6 minutos no áudio abaixo:

Comentários
3
  1. […] Fonte: Sem base formal no Congresso, Bolsonaro tropeça no Senado […]

    • walter nobre disse:

      Kennedy, não terá problemas, pelo menos com a previdência, precisa de maior articulação, o que pretende agora, com seu estado de saúde restabelecido, atua diretamente com os parlamentares, o que deve melhorar; continuará a negociar condições, acontecerá o inevitável, terão que conviver juntos, mesmo que hajam pequenas concessões como terceiros e quartos escalões; importante são as aprovações, para o emprego voltar o mais rápido possível…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2019-10-23 04:17:39