aki

cadastre-se aqui
aki
Economia
16-06-2015, 9h20

Sem veto a mudança no fator, economia sofreria impacto já

Sanção geraria expectativa ruim e anteciparia dano econômico ao país
29

KENNEDY ALENCAR
BRASÍLIA

A equipe econômica é a favor do veto presidencial à mudança no fator previdenciário por avaliar que haveria impacto imediato sobre a economia brasileira. Uma eventual sanção geraria desconfiança sobre o futuro da Previdência, o que anteciparia efeitos econômicos negativos.

Por isso, todos os sinais do governo são de que a presidente Dilma Rousseff vetará até amanhã a mudança feita pelo Congresso. Câmara e Senado flexibilizaram o fator previdenciário, regra criada em 1999 no governo FHC para desestimular aposentadorias precoces (antes dos 60 anos).

Diante da avaliação de toda a equipe econômica, será uma surpresa se a presidente decidir sancionar. Os defensores da mudança afirmam que não haveria impacto significativo no atual mandato de Dilma. Mas, como seria deixada uma conta pesada para as gerações futuras, os investidores internacionais e as agências de avaliação de risco já antecipariam suas previsões sobre a saúde fiscal do Brasil no médio e no longo prazo.

Expectativa em economia é muito importante. Não está na hora de o governo fraquejar. Isso só iria piorar ainda mais uma economia que já anda mal das pernas. Portanto, o mais provável é o veto.

Como o Congresso pode derrubar o veto, o governo pretende, na sequência, apresentar uma fórmula por meio de medida provisória ou projeto de lei com urgência urgentíssima para estabelecer uma regra gradativa que aceite alguma mudança no fator, mas que vá sofrendo alterações ao longo do tempo levando em conta a expectativa de vida do brasileiro.

Hoje, uma mulher vive no Brasil mais de 78 anos. Um homem, mais de 71. A tendência é essa expectativa de vida aumentar. Faz sentido para a saúde das contas da Previdência que as pessoas se aposentem um pouco mais tarde na medida em que também passem a viver mais.

Convém lembrar que os mais pobres no Brasil não se aposentam levando em conta o fator previdenciário. Esses trabalham desde cedo, muitas vezes na informalidade e acabam se aposentando apenas quando o homem completa 65 anos e as mulheres 60 anos, desde que tenham contribuído durante pelo menos 15 anos.

Portanto, é preciso pensar num sistema previdenciário mais saudável e mais justo com os mais pobres.

*

Fachin dever arejar Supremo

Mais de dez meses depois de Joaquim Barbosa ter deixado o Supremo Tribunal Federal, o ministro Luiz Edson Fachin assumirá hoje sua vaga na corte.

A presidente Dilma Rousseff demorou muito, mas indicou um ministro que vai arejar o Supremo Tribunal Federal no sentido de ter uma atuação mais progressista e mais ligada aos assuntos do cotidiano das pessoas.

A formação de Fachin é o direito civil _a principal área do direito privado, que trata da relação jurídica entre as pessoas. Ele enfrentou uma dura sabatina e uma exaustiva exposição na imprensa. Foi muito questionado. Respondeu bem.

O novo ministro deu uma entrevista nesta semana à imprensa do Paraná porque queria retribuir o apoio que recebeu dos meios de comunicação do Estado. Teve repercussão a opinião de que delação premiada não basta para condenar alguém. É preciso que ela venha acompanhada de provas.

É uma obviedade, mas, em determinados tempos, obviedades precisam ser ditas. A princípio, deverá ser um ministro que pretende falar pouco com os jornalistas. Ele tem dito em conversas reservadas que vai preferir se manifestar nos autos do processos.

No Supremo, há ministros que falam mais publicamente e outros que se manifestam menos. Cada um tem seu estilo. Fachin deverá ajudar o Supremo a ser menos fechado e mais aberto às questões da sociedade. A conferir.

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
29
  1. Luiz disse:

    Daqui a alguns anos , o brasileiro não terá direito a aposentadoria.

  2. Gilberto da Rocha Coelho disse:

    È triste ver pessoas que influenciam opiniões afirmar o que os economistas teimam em dizer sobre a previdência, o que esta quebrando a previdência não é e nunca foi as aposentadorias do setor privado e nem mesmo as pensões, o que a mídia e os economistas não dizem é que o que esta quebrando a previdência é o judiciário, o executivo e o legislativo, porque seus membros ao se aposentarem recebem 100 por cento do salário da ativa e o dinheiro é da previdência a mesma que nós meros mortais também recebemos com vários diferenciais, o primeiro contribuem sobre o teto da previdência e se aposentam com o triplo do teto, segundo em quanto as empresas privadas tem de contribuir com em torno de 15 por cento do valor da folha de pagamento, o governo, o judiciário e o legislativo não contribuem com nada, pois o governo diz por ser o gestor não tem de contribuir, para ver a veracidade seria bastante simples é só separar em previdência do setor publico do privado. Assim seria possível ver que a previdência do setor privado é superavitária e a do setor público extremamente deficitária, na saúde a lógica é a mesma. um abraço
    Gilberto da Rocha Coelho

    • Ivo Guedelha Leão disse:

      Caro Gilberto da Rocha Coelho, nós Trabalhadores do Serviço Público na esfera federal, quando digo trabalhadores do serviço público são os concursados do serviço publico do Executivo, Legislativo e Judiciário, não me refiro aos políticos, esses sim, que tem todos os privilégios que eles mesmos podem se darem, quer a população queira ou não, temos um regime de contribuição para previdência quando da aposentadoria que é diferenciado,ou seja, não somos regidos pelo Regime Geral da Previdência Social, que rege as aposentadorias, pensões e benefícios aos trabalhadores privados , nós contribuímos 11% do bruto dos nossos salários e quando nos aposentamos os nossos salários não são integral, 100%, é reduzido nas gratificações e com um teto de limite instituído pela Reforma Administrativa de 2005. Portanto sua argumentação não tem fundamento em dizer que somos nos os responsáveis e que o motivo do veto da presidente,seria as nossas aposentadorias e pensões, o que na verdade seria o não compromisso com o trabalhador brasileiro regidos pelo regime geral da Previdência Social, apesar de ter sido eleito com uma legenda que se diz dos trabalhadores.

    • Fabio Joner disse:

      Muito bem observado Gilberto, quando que a imprensa vai falar a verdade sobre a previdência.
      É simples, só fazer uma tabela básica: Número de Aposentados Funcionários Públicos, Quanto contribuem e Quanto Recebem Mensalmente; a mesma coisa para a iniciativa privada. Isso mostrará a realidade, não precisa cálculo atuarial. Basta ter a coragem de apresentar a verdade.

  3. Vanderlei Costa de Assunção disse:

    Aposentar mais tarde ajudaria o governo, mas como conseguir emprego quando se tem mais de 50 anos? No Brasil um cidadão com mais de 50 não serve mais para o mercado de trabalho.

  4. josé do amaral batista disse:

    sem houver menos roubalheiras sobra dinheiro para os aposentados da privada sem menos sofridos, funcionário público recebe a aposentadoria com salário da ativa, ai o governo tem dinheiro, para dá dinheiro para os vereadores, salário educação para quem já ganha fortuna, o governo tem dinheiro, faça me um favor.

  5. MAGNALDO disse:

    PT, partido da pirotecnia econômica, pirotecnia da educação, da saúde, da segurança pública… o PT é uma maldição, como toda ideologia comunista… a História, prova.

  6. nelson dalles disse:

    Para o “Governo”, Aposentadoria precoce, é aquela em que o trabalhador completou 35 anos de trabalho/contribuição, mas, ainda não completou 65 anos de idade, e portanto, está fora do “esquema”. Mas, e o direito à aposentadoria por tempo de serviço daqueles que começaram a contribuir aos 15 anos de idade? Que tal, por flexibilização, exigir a contribuição Previdenciária, apenas, a partir dos 35 anos de idade? Ora, como eu vou conseguir viver mais, se o valor da minha aposentadoria só diminui.

  7. IMPACTOS ??? Corta por exemplo 20 ministérios que são inúteis para o Brasil, que sobra no mínimo r$ 250bi ao ano, para investir e pagar outras contas. Sacrificar o trabalhador, que dá a vida, por 30 e 35 anos respectivamente, isso sim, é impacto. Esse governo não sabe gastar, faz projeções erradas, PEDALA, mente, rouba., desse jeito não tem conserto mesmo . Abraços

  8. Pedro Neto disse:

    Um cidadão normal que paga o INSS por 35 anos e com 60 anos de idade, não teria direito a uma aposentadoria digna e integral? pois é. Os funcionários públicos banco do brasil e caixa ec. tem regras diferenciadas de aposentadoria e melhores. Pois é. Esses são os nossos partidos dos trabalhadores.

  9. luisa souza disse:

    Estou me aposentando com 36 anos de serviço e 55 anos de idade, devo esperar para me aposentar diante das mudanças previstas.

  10. Sergio Roberto disse:

    Quem da grande mídia tem coragem de falar que nenhum segurado recebe o teto máximo, e sim 80% das maiores contribuições desde 1994. A previdência nunca vai quebrar é só separar quem paga de quem não paga como o governo federal.

  11. O problema de caixa da Previdência não são as aposentadorias e pensões, mas a roubalheira que existe no orgão. Aliás, se não fosse a corrupção, em todos os setores do governo, tudo andaria bem no Brasil. Mas, como as contas nunca fecham a saída mais fácil é cobra-las daqueles que não têm como se defenderem.

  12. pedro oliveira de almeida disse:

    Expectativa de vida é uma coisa, qualidade de vida é outra. É muito fácil para “alguns”, trabalharem até os 80 anos, pois as “facilidades” os incentivam.

  13. Dober disse:

    Concordo com o comentário do Gilberto. Enquanto no setor privado o teto não corresponde nem a 10 salários como era antigamente e não recebe os reajustes do salário mínimo, a “corte” brasileira e o setor público aposenta com salário integral e tem direito a todos reajustes e benefícios da ativa. Pela lógica do colunista a pessoa se aposenta já no final da vida, sem ter direito ao merecido descanso pelos anos trabalhados. Deveria voltar o sistema de aposentadoria aos 60 anos para valorizar de fato quem trabalha a vida toda pela economia do país.

    • Joaquim disse:

      Dober, a coisa é muito pior, pois sou de um tempo que o teto era 25 salários ( referência ). Nos trabalhadores da iniciativa privada estamos sendo pilhados desde do governo Sarney.
      Não sou idiota nem cretino, e entendo a situação pelo lado econômico porém já chega de apenas os trabalhadores da iniciativa privada pagar a conta.
      Que tal analisar a coisa como nos contribuintes analisamos, como caixa único.
      – Por que aposentadoria especial para câmara e senado?
      – Por que o bolsa família tem aumentos superiores ao aumentos das aposentadorias?
      – Por que querem aumentar a idade de aposentadoria para quem contribui e não aumentam para quem não contribui ?
      – Por que o governo e empresa estatais tem que contribuir para o fundo de pensão dos funcionários, o dinheiro não e publico e eles já não contam com a estabilidade no emprego?
      – Por que BPC/Loas entra na conta da previdência ?

  14. Paulo sergio de moraes disse:

    Enquanto o nosso BRASIL e roubado todo o santo dia,por pessoas que foram confiadas a trabalhar pelo nosso pais !! E ainda buscam prejudicar o povo.Tirando o sonho de muitos que o direito da aposentadoria!!!! ¨

  15. Silvana Mota disse:

    Eu comecei a trabalhar com 13 anos de idade no ano de 1977 hoje tenho 51 anos. depois de tanto tempo trabalhado e contribuindo olha o que eu ganho. INTERESSANTE É VER QUE O SENHOR FERNANDO HENRIQUE CARDOSO CRIOU A REGRA EM 1999 isso ele não publica e nem o Patecio Neves estou cansada de todos os politicos aproveitadores ridiculos independentemente de partid. E mais uma observação com quantos anos o sr Fernando Henrique se aposentou. NÃO ME INTERESSA PARTIDOS POLITICOS TODOS INTERESSEIROS E GANANCIOSOS. Precisamos de uma politica que pensa no povo como ser humano de direito.

  16. Felipe disse:

    “no sentido de ter uma atuação mais progressista”

    Sei…. sei…

    Todos sabemos MUITO BEM como é.

    Tomara que ele esqueça o passado onde apoiava movimentos “ULTRA PROGRESSISTAS”, para ser cordial e trabalhar no eufemismo…

  17. Paulo Jesus Porto Corrêa disse:

    Interessante! Quando é para fazer justiça com a massa operária que trabalha e contribui para ter uma justa aposentadoria a economia sofrerá impacto já! Mas os desmandos, aumento de salários dos gestores, ministros, juízes e políticos, isso parece que não representa nenhum impacto! Fora as falcatruas que além dos desvios financeiros irrecuperáveis levam décadas nos Tribunais!

  18. Marcelo José BArbosa disse:

    Boa ,Tarde ,fico muito intrigado pois imagino que o problema é muito simples, enquanto há uma queda de braços entre o governo ,e os parlamentares para tentarem mostrar á população ,quem e o vilão o contribuinte paga a conta . Primeiro o governo pra min em nosso sistema É o presidente ,os deputados e os Senadores ,me corrijam se eu estiver errado .Pois bem e só todos contribuírem igualmente e se aposentar nas mesmas condições. simples assim. Os olhos alheios também vêm assim ,porem mostram diferente.
    Deveriam mostrar assim ,talvez a população se mobilizasse para que todos já vêm assim e tem poder ,a médio e longo prazo o Façam.

  19. Aparecido disse:

    Sempre ouço aquele velho papo furado de que a Previdencia se continuar como esta ira quebrar,bla, bla,bla.Mas pq ninguema inda me respondeu.Qdo a Previdencia surgiu o Primeiro aposentado so iria ter este direito após 35 anos de contribuição.Seguindo esta premissa,o Dinheiro arrecada nestes primeiros 35 anos foi pra onde.Foi pra o Governo deitar e rolar ,fazer obras faraonicas enfim.Me lembro que mora num bairro Chamado Jardim Previdencia acho que ainda existe em São Paulo.Claro que do jeito que a Previdencia foi gerida vai ter rombo mesmo.Mas quem fez as regras foi o Governo e pra variar muda esta com a frequencia que bem lhe convém.

  20. ulisses disse:

    so abaixar o salario do senadores e deputados que so estao la para nos roubar que sobra dinheiro suficiente para pagar os aposentados e pensionistas faça com muitos paises que o deputado e senadres ganham salario fixo e pacomesse salario paga suas depezas

  21. Sr. Kennedy, interessante essa conversa de quebrar a previdência. O correto seria direitos iguais a todos o brasileiros. A aposentadoria deveria ser igual para todos, trabalhadores públicos e privados, militares e civis. Os fundos de pensões de todos os servidores públicos deveriam ser extintos e quem quiser uma aposentadoria extra que vá a um banco de sua preferência e que faça uma programação de aposentadoria privada, que dá inclusive direito a desconto no Imposto de Renda com dinheiro único e exclusivo de seu salário.
    Daqui a pouco você irá dizer que corrigir o FGTS por um fator compatível com o IPCA e juros irão quebrar a CEF e o governo. É uma vergonha o ROUBO que o governo vem realizando sobre o dinheiro dos trabalhadores através de um banco público.

  22. Clara disse:

    Pena que nenhum jornalista tem a coragem de dizer, que um cidadão que trabalha durante 30 ou 35 anos, honestamente, não é esse que quebra a previdência, e sim políticos que com dois mandatos e muita corrupção e que está quebrando a previdência, ou aqueles políticos que fica dando tanto benefícios para algumas minorias que nunca trabalharam ou fizeram questão de trabalhar.

  23. Eu comecei a trabalhar em 1981 com 12 anos de idade(na Prefeitura de Campo Grande MS) já contribuindo para Previdência do referido órgão,nesta época criança era permitido trabalhar,pois de família humilde tive que começar cedo para ajudar nas despesas da casa,em 2016 eu vou completar 35 anos de contribuição e de trabalho vou estar com 48 anos de idade,relativamente vou estar novo para me aposentar até concordo mas e qualidade de vida que tive nesse período,perdi minha infância trabalhando,tudo bem niguém tem culpa disso,mas o fato é que eu contribui e estou contribuindo por isso acho que eu deveria ter direito adquirido assim como tantos outros no Brasil afora,eu com 48 anos poderia arrumar outro emprego para complementar o salário mas quem da oportunidade para quem tem 48 anos,ninguém,sem contar que eu estaria tirando vaga de um outro pai de família,se eu tiver que aposentar com 60anos de idade vou ter contribuído 47 anos e trabalhado o mesmo tanto sem contar que da mesma maneira vou estar tirando a vaga de outra pessoa,e do jeito que a coisa anda com tantas mudanças talvez eu nem consiga me aposentar devido as constantes mudanças nas regras da previdência,dizem que na Europa as pessoas se aposentam com idade avançada,mas lá parece que o salário e bem melhor a carga tributaria não é tanto quanto a nossa e as pessoas tem direito de aproveitar a vida quando tiram férias viajam e tudo mais,aqui nos tiramos ferias para trabalhar em casa e o dinheiro das ferias e décimo terceiro para pagar contas,tributos ou fazer um puxadinho na casa,isso se tiver casa,esse é o Brasil que é um ótimo país o problema é …

  24. Raymundo disse:

    A real situação da probabilidade do sistema previdenciário ser tornar inviável, é do conhecimento dos governantes e, das autoridades que dirigem os sistema. Não, impreterivelmente que não, está relacionado à mudança e/ou, na discussão do fim do Fator umosos. A questão, conforme informações abaixo, é que muitos trabalham dando suor e sangue para gerar riquezas neste país, para levar nas costas, o funcionalismo público, que não geram riquezas e não prestam serviços – quando prestam – de qualidade aos seus verdadeiros patrões. Haja visto as indicações de parentese amigos, na ocupação de cargos, ganhando volumosos salários e, alguns, sem mesmo comparecer ao seu local de trabalho. Portanto, veja a realidade dos fatos:
    Um pequeno grupo de aposentados e pensionistas é responsável por um rombo nas contas públicas duas vezes maior do que o provocado por mais de 28 milhões de aposentados pelo INSS. O regime de previdência dos servidores federais, que atende 953,5 mil aposentados, vai fechar o ano com um déficit superior a 62 bilhões de reais. Já o regime geral deve registrar resultado negativo de 35 bilhões de reais.
    Os dados apontam, segundo técnicos do governo federal, para um cenário que tende a piorar, pelo menos, pela próxima década. Até 2025, o déficit produzido pelo funcionalismo federal aposentado continuará crescendo exponencialmente, num ritmo muito superior ao registrado pelo regime geral.

  25. Tarso Fernando Cassol disse:

    Brasil, o país das obviedades. O país das abobrinhas e o eterno país do futuro como já disse o sionista escritor Stefan Zweig.

  26. César disse:

    Ué! O PT não era contra o fator previdenciário?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-09-26 06:10:46