aki

cadastre-se aqui
aki
Política
17-09-2019, 8h19

Temer diz que Dilma sofreu golpe e que Lula evitaria impeachment

Ex-presidente restabelece verdade histórica e derruba tese de Moro
10

Kennedy Alencar
BRASÍLIA

Em entrevista ontem ao programa “Roda Viva”, da TV Cultura, o ex-presidente Michel Temer fez revelações que mudam a narrativa histórica sobre o impeachment da antecessora, Dilma Rousseff. Ela foi impedida em 2016.

O próprio Temer usa a palavra “golpe” para se referir ao impeachment de Dilma. Ele diz que, se o ex-presidente Lula tivesse assumido a Casa Civil em março de 2016, o impeachment não teria acontecido devido “ao bom contato” do ex-presidente com o Congresso.

Temer reitera não ter dúvida de que o prestígio de Lula perante o Legislativo teria evitado a queda de Dilma. Uma operação de combate à corrupção não pode interferir assim na História de um país. O Judiciário e o Ministério Público Federal não poderiam ter realizado uma trama política contra o então governo.

Foi o que a Lava Jato fez ao divulgar, ilegalmente, um grampo de uma conversa entre Lula e Dilma no dia 16 de março de 2016. Tal conversa foi captada quando o prazo de gravação havia se esgotado e envolvia autoridade com foro especial no Supremo Tribunal Federal. Nunca poderia ter sido liberada ao público.

O então juiz Sérgio Moro e procuradores da República discutiram no Telegram o risco de suas atitudes e sabiam que não era legal a divulgação, como mostrou reportagem baseada no arquivo do “The Intercept Brasil”.

A avaliação de Temer no “Roda Viva” tem credibilidade porque ele foi o principal beneficiário da queda de Dilma e conversou com Lula, tendo sido grampeado pela Lava Jato, que escondeu deliberadamente a gravação que enfraquecia a tese de que o ex-presidente queria ser ministro para obter foro no STF e fugir de Curitiba.

Temer restabeleceu a verdade histórica. Fica claro que houve, sim, golpe parlamentar, expressão que sempre foi usada neste blog e nos comentários na rádio CBN em relação ao impedimento. A tese de golpe foi negada por parcela do país. E agora, José?

Tornou-se evidente o papel de Moro e da Lava Jato na derrubada de Dilma, o que foi uma interferência política ilegal do Judiciário no Executivo. Numa democracia plena, isso não poderia ter ocorrido.

O relato de Temer ao programa apresentado pela jornalista Daniela Lima tem forte peso histórico. Ele deixa claro que o motivo para Lula ser indicado para a Casa Civil destrói o argumento da Lava Jato, de Moro e também do STF (Supremo Tribuanl Federal) para impedir que o petista assumisse o posto.

*

Flagrante ilegalidade

Outro ponto importante do dia de ontem: é flagramentemente ilegal a revelação de que os procuradores Deltan Dallagnol e Thaméa Danelon se dispuseram a fazer minuta para o advogado Modesto Carvalhosa pedir o impeachment do ministro do STF Gilmar Mendes.

Imagine um cidadão ser processado e o Ministério Público se dispor a redigir peças de um advogado de acusação. Mais: Dallagnol diz no Telegram que ninguém pode saber sobre o que ele e Danelon planejavam fazer. Ora, esconderam porque era ilegal o que discutiam no aplicativo. Trataram de processo penal no Telegram, fora dos autos, para tramar contra um ministro do Supremo.

É óbvio que o material do “The Intercept Brasil” é verdadeiro. Tambem é escandaloso que Dallagnol e Danelon respondam que não comentariam assuntos oriundos de crime de hackeamento. Parecem os primeiros acusados da Lava Jato dando versões falsas sobre os seus atos. Parece que a Lava Jato nunca vazou nada. Ora, já ficaram insustentáveis as versões apresentadas por Moro, Dallagnol e outros procuradores sobre esses diálogos no Telegram, revelados pelo jornalista Glenn Greenwald.

Não enxergar a gravidade desses fatos e o interesse público inerente são atitudes inaceitáveis em uma democracia plena. Tal tolerância ocorre em república de bananas. A lei e o jornalismo devem valer para todos.

A Lava Jato manipulou a opinião pública e a imprensa no episódio do grampo de Lula-Dilma. Mudou a História do Brasil, abrindo caminho para um desarranjo institucional que jogou o país nas mãos de Jair Bolsonaro. Moro e cia têm essa responsabilidade histórica que nunca será apagada. O documentário “Brasil em Transe” dá modesta contribuição para entender melhor o momento grave que o país viveu entre 2013 e 2018. Vejam aqui.

PS – Temer usou, sim, a palavra golpe para se referir ao impeachment.

Temer usou, sim, a palavra golpe para se referir ao impeachment na hora em falou do papel de Lula, que evitaria o impedimento. Noutro trecho, ele julgou o processo constitucional. Foi o que ele sempre disse. Golpe parlamentar acontece quando forças políticas decidem derrubar um presidente pelo conjunto da obra e buscam provas para lá de controversas. Houve um golpe parlamentar.

É mentira histórica passar pano para isso ou tentar amenizar o que aconteceu. O impeachment de Dilma foi político e tramado por forças que a derrubaram buscando “provas” depois do “veredito”. Esta é a História real, e o grampo ilegalmente divulgado por Moro foi fundamental para matar a última tentativa da presidente de ficar no poder. A imprensa, como um todo, precisa olhar com mais coragem e honestidade para esse período histórico. Vai acontecer, como aconteceu com 64. Leva tempo mesmo.

Comentários
10
  1. Lucio Faller disse:

    Muito bom o seu texto. Entretanto, na conclusão você escreve “… A Lava Jato manipulou a opinião pública e a imprensa no episódio do grampo de Lula-Dilma…”.

    Manipulou sim! Manipulou muito! Só que “a imprensa” NÃO!!! Me desculpe, mas aí você está passando pano na sujeira das empresas de comunicação (globo e veja em especial).

    A manipulação foi feita pelos interessados… grandes empresários, capital financeiro e óbvio grandes veículos de imprensa.

    Grande abraço!

  2. Jorge Brito disse:

    Parabéns pelas colocações… será que voltaremos a ser um País sensato?

  3. walter nobre disse:

    Kennedy, tem personagens que não vale a pena, este é um deles; não se pronunciou a época a favor de um governo que fazia parte…resposta, estava preocupado com seus rolos, e não teve tempo para dar sequência ao que se propôs, agora vem capengando, fazendo parte de um combinado bem bolado, tentando mudar o que não pode mais fazer diferença, para livrar todos seus desvios e de outros, não tem Moral para mudar nada…quanto a vaza jato, não prosperará…todo este desfecho negativo no País, serviu para demonstrar o tamanho do abismo jurídico que vivemos; qualquer comentário relacionado ao simbolo máximo da vulgaridade como ministro gilmar mendes, este deveria estar afastado…quanto a qualquer possibilidade negativa da lava jato, pode ter ocorrido, mais em função dos excessos de Roubos em escala; não há como esperar justiça no meio do caos, as falhas partiram de quem governava a época; deveriam ter sido ladinos, no combate a quatro mãos…

  4. BRAGA-BH disse:

    “A imprensa, como um todo, precisa olhar com mais coragem e honestidade para esse período histórico. Vai acontecer, como aconteceu com 64. Leva tempo mesmo.”
    Alguns comentaristas daqui de seu Blog também.
    Precisam tirar urgentemente a trave dos olhos e enxergar com clareza que estamos sendo vítimas de uma ditadura disfarçada!

  5. Maurício Gil - Floripa (SC) disse:

    Excelente artigo, Kennedy.
    Como de hábito.

  6. mariza disse:

    Se de fato a intenção do Lula ao assumir a Casa Civil era salvar o Governo da Dilma porque ele não fez isto antes de ser réu em processo da Lava Jato? Por qual motivo a Dilma se comunicava com o Lula através do telefone do motorista do Lula? Você lembra que o telefone grampeado não era o da Dilma?

  7. […] “Temer reitera não ter dúvida de que o prestígio de Lula perante o Legislativo teria evitado a queda de Dilma. Uma operação de combate à corrupção não pode interferir assim na História de um país. O Judiciário e o Ministério Público Federal não poderiam ter realizado uma trama política contra o então governo”, escreve Kennedy Alencar nesta terça-feira (17), em seu blog no iG. […]

  8. PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS disse:

    Caro Kennedy, segue a nota técnica do Cecon-UNICAMP que comprova a falsificação das contas do governo que justificam a Reforma da Previdência, com base em planilha obtida via Lei de Acesso à Informação. Um escândalo que vale CPI e ações no STF, pois são estas contas que ilustram as apresentações enganosas feitas por representantes do governo desde abril. Divulguem ao máximo por favor. http://www.eco.unicamp.br/index.php/noticias/2061-a-falsificacao-nas-contas-oficiais-da-reforma-da-previdencia-o-caso-do-regime-geral-de-previdencia-social
    A matéria de capa da Carta Capital do fim de semana também está disponível no site: https://www.cartacapital.com.br/economia/pesquisadores-descobrem-trapaca-do-governo-em-calculos-da-reforma-da-previdencia/
    E aqui meu artigo no site da Carta Capital na sexta-feira passada sobre o assunto: https://www.cartacapital.com.br/economia/as-contas-falsas-da-reforma-da-previdencia/

  9. Harlon Romariz Rabelo Santos disse:

    Aos poucos os fatos, antes questionados, ganham materialidade e entram para a história desse trágico capítulo político e social em que estamos vivendo no Brasil.

  10. Temer já escolheu título de sua auto biografia: será “Um Democrata”….

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 
2019-10-19 05:21:59