aki

cadastre-se aqui
aki
Política
02-09-2016, 9h10

Temer sabe que é arriscado questionar decisão do Senado

Político e constitucionalista, presidente ameniza crítica à anista a Dilma
44

KENNEDY ALENCAR
BRASÍLIA

Ao chegar à China, o presidente Michel Temer colocou panos quentes no debate sobre a manutenção da possibilidade de Dilma Rousseff exercer função pública. A reação irritada da quarta cedeu lugar a uma visão mais contemporizadora, falando em “pequenos embaraços”.

Temer suavizou seu entendimento porque é um político e um constitucionalista. Ele sabe que o questionamento à decisão do Senado de manter alguns direitos de Dilma, não aplicando a pena de inabilitação por oito anos para o exercício de função pública, pode levar a uma indagação sobre todo o processo e reabrir incerteza política com reflexos na economia.

Como político e constitucionalista, ele jogou água na fogueira ao dizer que “o Senado tomou essa decisão, certa, errada, não importa, o Senado tomou a decisão”. Essa avaliação dele é uma sinalização clara de que o presidente não pretende abrir brecha para rediscussão de todo o julgamento do impeachment.

Como político, ele mostra respeito ao Senado. Na quarta, ele reagiu de maneira incomum. Temer tem um temperamento mais esquentado do que mostra de público, mas sua fala após a anistia a Dilma foi vários tons acima do seu padrão de comportamento. Ele ficou contrariado de verdade. Foi surpreendido.

Agora, depois de mais de 30 horas de voo na companhia do presidente do Senado, Renan Calheiros, que foi o articulador que deu o empurrão final a favor de Dilma, Temer amenizou sua crítica.

Como constitucionalista, Temer sabe que o Supremo Tribunal Federal passou os últimos meses invocando que o processo de impeachment tinha caráter jurídico e político. Ora, se o STF reavaliar uma parte da decisão do Senado, justamente a que beneficia Dilma, estará dinamitando o próprio argumento que dá peso ao aspecto político do processo.

Se vale o caráter político diante de uma dúvida razoável se houve crime de responsabilidade, como aconteceu no caso de Dilma, ele tem de valer também para a pena que acompanha essa decisão. Não dá para o STF dizer que o Senado tem a palavra final para aprovar impeachment, mas não tem para aplicar a pena.

Numa democracia, o STF normalmente possui a última palavra para acertar ou até errar. No caso do impeachment, o Supremo entendeu que essa última palavra seria do Senado. Temer sabe disso. Interessa a ele jogar a bola para frente e tentar resolver os graves problemas na economia. Olhar para trás e reavaliar o tema do impeachment é ruim e arriscado para o presidente e seu governo.

*

Truculência policial

Depois de quatro dias de confronto físico entre manifestantes contrários ao impeachment e a PM (Polícia Militar) de São Paulo, é preciso repetir o óbvio.

Os líderes dos manifestantes precisam ter mais responsabilidade na condução dos protestos, procurando avisar qual será o trajeto e tentando controlar eventuais excessos. É ilegal a destruição de patrimônio público e privado.

Dito isso. Outra obviedade: como o Estado moderno tem o monopólio da violência para uso na segurança pública, é preciso saber dosar esse poder. É a polícia que precisa estar preparada para reprimir eventuais abusos na medida correta. Se manifestantes abusam, não cabe aos policiais abusar ainda mais. É um trabalho difícil, mas é assim que deve ser feito.

As PMs, que são forças estaduais, têm uma mentalidade conservadora, herdada da ditadura militar. A PM de São Paulo possui tradição de truculência. Não é bom para o país nem para o governo Temer que excessos da polícia contra manifestantes e jornalistas sejam uma constante pós-impeachment.

Ouça o comentário no “Jornal da CBN”:

Comentários
44
  1. Maria Aparecida Ramos Tinhorão disse:

    Esta provado e comprovado: política neste país é apenas uma ação entre amigos… É uma lojinha quebrada com muitos sócios… Um acampamento de descontentes !

    • Sônia Ribeiro disse:

      Perfeito! O art. 52, parágrafo único do texto constitucional não admite nenhuma outra interpretação, a não ser de que o impeachment leva à cassação dos direitos políticos; entretanto, a máfia política instalada neste país mais uma vez tenta se proteger mutuamente. Rua neles, até que a faxina esteja completa!!! NOJO!!!

      • WANDERLEY disse:

        CONCORDO PLENAMENTE. QUE NOJO ESTÁ A CLASSE POLÍTICA DO NOSSO PAÍS. ESSES POLITICOS ESTÃO LÁ PORQUE O POVO VOTOU NELES, ELES SÃO REFLEXOS DO POVO, DA SOCIEDADE.

      • Francisco Miranda disse:

        BOA TARDE SÔNIA. E O MAIS GRAVE. DECISÃO COMPLETAMENTE ERRÔNEA E CHANCELADA PELO PRESIDENTE DO STF. QUEM PODERÁ NOS DEFENDER ??

    • Flavio disse:

      Concordo plenamente contigo Maria Aparecida. O que estes políticos estão fazendo com o povo brasileiro é uma agressão ao ser humano.

    • walter disse:

      Por isso Cara Maria Aparecida, que se faz necessário, uma dose de comando firme, da parte do temer; se não controlar sua “boiada”; ou seja, seus aliados, não conseguirá impor condições, e aprovar medidas,e conquistar, a confiança necessária do mercado.o Temer terá que ser criativo de verdade.
      Quanto as tais “greves” Kennedy, todos enxergam, que são greves compradas; usam os “black blocks”, que vem para quebrar; “só copiamos porcaria do mundo”…você tem toda a razão, a PM não vem para conversar; pior tudo isso, não leva a nada,não acrescenta, só satisfaz os radicais inconformados; O Povo mesmo, detesta estas palhaçadas, organizadas por sindicatos…

      • Maria Aparecida Ramos Tinhorão disse:

        Walter está correto como sempre.
        Tem mais: se fosse num país onde houvesse punibilidade, não só os sindicatos estariam sob a lupa da justiça… Dilma sairia presa do Planalto !

    • walter disse:

      São fatos, as tais forças,”encontram se, no final do túnel, para tomar mais uma”; infelizmente, o excesso de favores contra os unem;No fundo não existem de fato, oposições a nosso favor.
      Precisamos de muita Energia do Temer, ou consegue as aprovações iniciais, ou não sobreviverá, aos próximos capítulos de forma positiva…infelizmente, este episódio do impeachment, mostrou a falta de unidade…O Temer precisa aglomerar forças leais…
      Quanto as greves Kennedy, quando envolvem Black blocs, eles não querem conversar, são grupos conduzidos por sindicatos,vem para barbarizar…os PMs,tem sim, uma dose de energia; não poderia ser diferente, num País, onde os PMs, sofrem ameaças constantes,são mortos de graça, por grupos de extermínios de facções;acredito sinceramente, que os sindicatos, não podem, continuar a atentar contra o patrimônio, isto não tem sentido; protestar é um direito constitucional, só protestar…

  2. Joaquim José da Silva Xavier disse:

    “Não dá para o STF dizer que o Senado tem a palavra final para aprovar impeachment, mas não tem para aplicar a pena.”
    Perfeito Kennedy,

    os prezados apoiadores do impeachment não queria q o STF se metesse no impeachment… mas querem que modifique e pena?!? então que o STF diga também se pedalada é crime de responsabilidade fiscal, como queriam os petistas…

    tem gente dizendo que o processo não era sério desde o começo, e só agora os apoiadores do impeachment perceberam isso??? tem gente que há meses diz que esse processo é palhaçada, que pedalada, defesa, acusação, decretos etc,. é td balela, pretexto, o que importa é afastar Dilma, MAS SÓ AGORA PERCEBERAM.
    se decepcionaram com o PMDB? acostumem-se, tá só começando…

  3. Leonardo Gama disse:

    se o STF pode questionar a sentença do Senado, também poderia questionar a justa causa, ou seja, o STF poderia dizer se pedalada é crime de responsabilidade?
    é óbvio que o STF não vai se meter nisso!!!

    como disse o Kennedy, querer q o Senado seja soberano durante td o processo, mas não na sua decisão . . . é ridículo!!!

    na minha humilde opinião de advogado, o fatiamento foi, de fato, absurdo, como também Juiz nenhum do mundo consideraria, “pedalada” ilícito penal.

  4. Sônia Ribeiro disse:

    Este conluio que não tem fim, sempre objetivando se protegerem mutuamente é um absurdo! Rasgaram a constituição Federal, que em seu art. 52, parágrafo único, não admite nenhuma outra interpretação, a não ser a de que o impeachment leva à cassação dos direitos políticos. Esta máfia se sente dona do país. Precisamos, urgentemente, terminar a faxina, com exclusão deste Renan Calheiros e cia. E este supremo também não tem ética e moral para continuar aí. Ah…..e não pensem que estamos satisfeitos com Temer, pois não é o caso! Queremos a saída de toda essa corja. Na verdade, o brasileiro não tem em quem votar! São todos integrantes da mesma quadrilha que visa corromper e lesar o povo eternamente!!! As ruas nos aguarda, para juntos terminarmos a limpeza e a farra do boi!!!

  5. Luciano disse:

    Manisfestantes o caramba, fazem quebra-quebra, são terroristas!

    • Gabriel disse:

      Luciano, nas manifestações há grupos que se infiltram apenas para baderna.

      Não vá com tanta sede ao pote, questione um pouco. Pense que em dado momento pode ser você protestando e acontecer o mesmo.

      A não ser, é claro, que sua crítica seja influenciada pelo teor do protesto e não referente ao ato de protestar.

      • Ursula E. rowe disse:

        É porque a direita considera manifestações, somente, as que faziam!!!! Por que eles não juntam as panelas e voltem às ruas, pelo fim desses corruptos infames que aí se instalaram???

  6. José Paulo disse:

    Caro Kennedy, discordo de algumas considerações apresentadas.
    Não existe qualquer “dúvida razoável” sobre crime de responsabilidade.
    Todos os relatórios do TCU estão à disposição. Se houvesse dúvida, a defesa teria facilmente comprovado. O que não aconteceu em mais de 100 dias de julgamento e direito a ampla defesa.
    Não existe truculência policial. A polícia está fazendo o seu trabalho e defendendo a população honesta de terrorista que tocam o terror na cidade. Os responsáveis por tais bandidos devem sofrer as durezas da lei. Crimes devem ser punidos.
    A PM apenas reage, dentro da lei, aos abusos de vândalos.
    A PM é uma força que protege a sociedade de bem e é muito valorizada pelos cidadãos honestos e trabalhadores, conforme demonstraram as manifestações anti-corrupção petista que ocorreram na Paulista. Não houve nenhum atrito e os policiais foram aplaudidos pela população.
    Esperamos agora que a Lava a Jato analise e puna os crimes eleitorais cometidos na campanha de Dilma Roussef.

    • Fernando disse:

      Comentário perfeito!! parabéns um dos mais lúcidos que já li a respeito !!

    • Mauro disse:

      “Suas palavras sairam de meu cérebro”
      Concordo em genêro, numero e grau com cada linha escrita, pois estão sujeitos a reação aqueles que confrontam os orgãos de segurança e que teimam em agredir a lei.
      Como é óbvio de se supor, aqueles que se manifestam com palavras, cartazes e cânticos, tem todo o direito de colocar suas idéias e diferente disso é o que acontece por exemplo na Venezuela ou em Cuba, lugares tão amados por esses que protestam, onde qualquer manifestação contrária ao governo é sujeita a prisão e até espancamentos e pena de morte.Isso é fato!
      Não sofri nenhuma agressão da policia em nenhum momento, quando estive nas manifestaçoes pela expulsão de Dilma e quem se exaltou, foi retirado do local.Isso eu presenciei!
      Quanto aos crimes cometidos por Dilma, são mais claros que a luz do sol, mas os cegos doutrinados (assim aprenderam!) jamais vão admitir, pois negar até o fim é a saída para quem não tem defesa.

  7. Edi Rocha disse:

    Justamente isso. Para prejudicar Dilma, dizem que o impeachment tem caráter político também e a decisão do senado deve prevalecer. Mas quando ocorreu algo em benefício dela, aí querem reformar a decisão via STF. Oras, foi o plenário do senado que decidiu o quanto da pena ela merecia, de acordo com o julgamento deles.
    .
    Fizeram a mesma coisa em 1992, só que com o objetivo de prejudicar o réu. Portanto nas duas vezes ocorreu a votação em separado da perda dos direitos políticos. Collor foi condenado mas Dilma inocentada nessa penalidade.
    .
    Já não aceitaram os resultados das urnas. Agora não querem aceitar o resultado do julgamento do plenário. A Zica do Brasil é… essa briga inútil (a nós) pelo poder.

  8. Ivo Manoel disse:

    Senhores, então quer dizer que crime de responsabilidade houve, mas a pena, prevista na lei não será aplicada? Isso não é certo! Fico imaginado que muitos advogados criminalistas de defesa irão usar essa segunda votação do Senado como argumento para retirar a pena de seus clientes. Imagine, um réu que matou alguém está sendo julgado pelo Tribunal do Juri. O Tribunal dá a sentença e, então, o Juiz diz: “o senhor fulano-de-tal é assassino, mas agora vamos fazer a segunda votação para saber se a ele será aplicada a pena!” Vejam, se isso se mantiver, o próprio STF, o guardião da Constituição estará abrindo precedentes. E o que é pior: tirando de si próprio sua próprio essência, ou seja, tirando seu poder jurisdicional máximo.

  9. incrível ,,, somente retirando nossos filhos deste miserável país

  10. Eduardo disse:

    A “dúvida razoável” sobre crime de responsabilidade é pertinente sim.As provas da defesa foram substanciais sim,mas não levado em conta no momento da decisão que foi essencialmente política.O Senadores que votaram pelo impeachement o fizeram em troca de cargos ou por acreditarem na perda de governabilidade de Dilma e não pelo crime.
    Não tem sentido o STF ter delegado o poder de uma decisão jurídica tão séria para um ambiente político que naturalmente vai sempre colocar os seus interesses pessoais acima de qualquer coisa.

  11. pedro disse:

    É isso ai Kennedy, “Dito isso. Outra obviedade: como o Estado moderno tem o monopólio da violência para uso na segurança pública, é preciso saber dosar esse poder. É a polícia que precisa estar preparada para reprimir eventuais abusos na medida correta. Se manifestantes abusam, não cabe aos policiais abusar ainda mais. É um trabalho difícil, mas é assim que deve ser feito”. Acho que o analista político deveria ir a esses “manifestos”, para mostrar aos policiais como é que eles tem que agir.

  12. luis antonio souza disse:

    Ficou claro que usaram o Impeachmeant para criar uma jurisprudência, à fim de barrar a lava-jato.
    Olha na outra ponta o Celso de Mello “melando” a condenação em segunda estância.
    È uma vergonha para o País…esse nível de “politicos” e “Ministros” do STF.

  13. Anafilófio disse:

    Os grandes articuladores deste acordão/blindagem foram Lula, Renan, Lewandowski, PT e PMDB, com Lula sempre nas sombras. Pouco importa se Dilma foi ou não afastada, muito mais importante e grave do que isso foi a abertura total de todas as porteiras para a impunidade. Com esta decisão esdrúxula nunca mais um um político poderá ser punido devidamente. E sobre isso – que é o que importa – nenhuma palavra… Todo este processo deveria ser anulado porque a finalidade sempre foi outra. E sobre isso nenhuma palavra…

  14. João D. G. disse:

    A polícia do Alckmin coloca policiais infiltrados no meio da manifestação pró-democracia, e são esses que começam e incentivam a baderna para justificar a posterior repressão e desmoralizar os participantes legítimos. Já quando a manifestação era pró-golpe, aí a polícia era um amor e os manifestantes tiravam selfies junto com PMs e ex-torturadores.
    Basta digitar “police disguised as protesters” no Google que vocês verão inúmeros casos assim ao redor do mundo. Eu colocaria links, imagens e vídeos aqui que mostram isso se fosse possível, mostrando os policias infiltrados começando e incentivando o vandalismo e depois fugindo para o meio dos policiais fardados quando são descobertos.

  15. Vinicius Azevedo disse:

    A questão é que o artigo 52 não foi votado por completo.
    Caso a Dilma pretenda mesmo manter direito de exercer função pública, não deveria recorrer, pois vai perder novamente e ainda perderá no texto completo, ou seja, perderá também o direito de exercer função pública.
    Já os governistas, não deveriam recorrer também, pois como a primeira votação não foi feita com o texto completo, então para ser validada a cassação da Dilma, teria que ter outra votação com o art. 52 integral, que ocasionaria ao Temer voltar a ser Vice até que esta ocorra.
    Creio que foi errado votar em separado, mas o melhor a fazer a ambos os lados é deixar da forma como está.

  16. alexandre alexandre disse:

    Todos temos o direito de plantar o que quisermos, mas a colheita sempre será obrigatória.

  17. Marcos Rocha disse:

    O Senado não tem a última palavra na punição, só no mérito da condenação.

    Caso contrário poderia aplicar pena de morte, botar a Dilma pra fora pelada, aplicar uma multa de 10 bilhões de reais e qualquer outra sandice.

    Eles só decidem o mérito, a sanção está definida na Constituição e não cabe deliberar sobre ela.

  18. ALEXANDRE MARTINI disse:

    O País está numa desordem tão grande que até mesmo um Ministro do Último Tribunal de Recursos, ou melhor, um Ministro do Tribunal que tem por atribuição maior Garantir a plena e total aplicabilidade da Constituição, foi nada mais nada menos do que um defensor de um atentado absolutamente imoral e ilegítimo contra o Texto da Lei que rege, que manda em todas as outras Leis do País. Essa votação bipartida demonstra que nada, absolutamente nada, pode ser aproveitado na mente jurídica desse tal de Lewandowski. Criar e permitir a bipartição na votação é a mesma coisa que jogar boliche com raquete de pingue-pongue, é impossível, inimaginável. Mas o Ministro do STF estava lá e nada viu. Fizeram com o intuito de ver a votação anulada. Tudo orquestrado pela grande quadrilha de bandidos que se enraizou em brasília, a capital da imoralidade jurídica e política do Globo terrestre.

  19. Fernando M.A. disse:

    É desnecessário questionar a decisão, afinal quem vai deseja-la num governo ou quem votaria nela? Até o PT tem nomes muito melhores do que ela para qualquer cargo de relevância, sem contar que a primeira missão dela é vencer a resistência interna do partido, dos muitos que não gostam dela. Neste ponto até acredito que ela volte ao PDT, onde teria um ambiente até melhor para agir.
    Sobre o STF no máximo vão pedir uma explicação a ele, de um ponto realmente obscuro, se a segunda votação vale para candidatar a algum cargo ou só vale para cargo nomeado. Como resolver uma dúvida não é recorrer da decisão provavelmente em algum momento alguém fará esta pergunta.

    No caso da PM, em todos estados, parecem que pararam no tempo, a 40 anos atrás, o conceito precisa mudar a partir de cima, da esfera Federal, determinando uma nova estrutura e politica para ela, talvez nas esferas estaduais quaisquer ações já estão muito limitadas para atualiza-las. Isso é uma coisa a cobrar ao Temer.

  20. DIRETO AO ASSUNTO: STF, ISSO É UMA VERGONHA... É PRECISO PASSAR O PAÍS A LIMPO! disse:

    NENHUMA LEI PODE SE SOBREPOR À CONSTITUIÇÃO!
    O ARTIGO 52 – PARÁGRAFO ÚNICO É CLARO E NÃO ADMITE NENHUMA OUTRA INTERPRETAÇÃO!
    NÃO PODEM RASGAR A CONSTITUIÇÃO, QUEM O FAZ ESTÁ COMETENDO CRIME!

    “DE TANTO VER TRIUNFAR AS NULIDADES, DE TANTO VER PROSPERAR A DESONRA, DE TANTO VER CRESCER A INJUSTIÇA, DE TANTO VER AGIGANTAREM-SE OS PODERES NAS MÃOS DOS MAUS, O HOMEM CHEGA A DESANIMAR-SE DA VIRTUDE, A RIR-SE DA HONRA, A TER VERGONHA DE SER HONESTO”.
    RUI BARBOSA.

  21. alex disse:

    Bom … quem tira ‘selfies’ com Tropa de Choque não vai aplaudir a PM? Jesus .. como tem gente doida nesse mundo! (bandidos, dureza da lei, punição, terrorista, vândalos, polícia ‘fazendo seu trabalho’ etc etc… tudo num post só. O cara parece que foi congelado em 70 e acabou de ser descongelado em 2016. Taí um caso real de criogenia!

  22. DIRETO AO ASSUNTO: "VERGONHOSA RENANLEWANDOVSKADA"! disse:

    ESSA “RENANLEWANDOVSKADA”, ESSA VERGONHA DE NÃO OBEDECER À CONSTITUIÇÃO, QUE DETERMINA QUE QUEM SOFRE O IMPEACHMENT NÃO PODE OCUPAR CARGO PÚBLICO POR 8 ANOS, (ARTIGO 52 DA CONSTITUIÇÃO – PARÁGRAFO ÚNICO) NÃO VISAVA BENEFICIAR A DILMA COISA NENHUMA, POIS ELA NÃO PODE NEM DAR AULA EM UNIVERSIDADE COISA NENHUMA, POIS NÃO TEM DOUTORADO NEM MESTRADO.
    O OBJETIVO DISSO FOI BENEFICIAR RENAN CALHEIROS, ROMERO JUCÁ, EDUARDO CUNHA E MUITOS OUTROS QUE ESTÃO EM VIAS DE ENFRENTAREM OS TRIBUNAIS E, TALVEZ ATÉ IREM FAZER COMPANHIA A SÉ DIRCEU, JOÃO VACARI NETO E TANTOS OUTROS. ESSA GENTE ESTÁ DESESPERADA DE TANTO MEDO DE IR PARA A CADEIA!
    MAS O PAÍS ESTÁ MUDANDO E ESSA CAMBADA DE CORRUPTOS QUE FOR CONDENADA PELA JUSTIÇA NÃO VAI ESCAPAR DE PAGAR POR SEUS CRIMES!

  23. Felipe disse:

    “Art. 2º Os crimes definidos nesta lei, ainda quando simplesmente tentados, são passíveis da pena de perda do cargo, com inabilitação, até cinco anos, para o exercício de qualquer função pública, imposta pelo Senado Federal nos processos contra o Presidente da República ou Ministros de Estado, contra os Ministros do Supremo Tribunal Federal ou contra o Procurador Geral da República.”

         As pessoas costumam criar polêmicas mesmo onde não existe nenhuma.
         Uma simples aula de português resolve este debate desnecessário:
         Há uma enorme diferença entre a preposição “com”, e a conjunção “e”. Se no lugar do “com” tivéssemos o “e”, teríamos uma oração aditiva. Neste caso, a adição da cassação seria inevitável… seria consequência do Impeachmen  Mas nesta oração, temos a preposição “com” precedida de vírgula, o que indica que há um porém na ideia do texto, já que após a preposição “com” pode-se subtender que a frase tenha ocultado uma palavra, como, por exemplo: “possibiliidade”

    • P/Felipe. disse:

      Discordo: “com” é exatamente o contrário de “sem”, portanto o que foi feito foi uma “RENANLEWANDOVSKADA” que poderíamos simplesmente considerarmos mais uma “falta de vergonha na cara”!

  24. Miguel Ângelo disse:

    Estamos diante a maior mentira do Brasil. Aposentar aos 65 anos vai encolher a economia e acabar com o benefício social não planejado pelo governo. Cinquentões aposentados (se aposentados) vão acompanhar de perto suas famílias: filhos e netos. Terão saúde para ajudar nos estudos, na administração da casa, na condução civil do que é realmente a política. Isto é bom para os políticos e um governo corrupto? Não! Então vêm as medidas Previdenciárias e Trabalhistas. Medidas notórias de atarefar o povo para ficar sem os momentos de reflexão, sem lazer, sem oportunidade de mostrar quanto maior e melhor seria o Brasil sem seus políticos profissionais que se vendem a empresários tão corruptos quanto eles ou pior. Temos saídas? Várias! Mas, primeiro temos que entender que o Navio está afundando. Não podemos condenar as crianças que nasceram agora, nem aquelas que ainda virão. É covardia vermos tantos senhores de 70 a 100 anos dentro da política, militarismo ou magistratura querendo se perpetuar

  25. Miguel Ângelo disse:

    querendo se perpetuar até o fim da vida se aproveitando de regalias convertidas em correntes e miséria para o povo.
    Tributos são obtidos do esforço do povo. Recursos públicos não devem beneficiar corrupção de empresários e políticos, bem como, não devem favorecer a grupos de representações privilegiadas (magistratura, políticos, militares etc.). Frouxos, feito Temer e seus Ministros pensam em perpetuar os benefícios destes senhores já afortunados, tirando um momento único que o Brasil conseguiu para esta década e a próxima, que é a colaboração da sociedade (principalmente classe média e média alta) para uma sociedade mais justa. São estes aposentados que fomentarão a economia, o civismo, a política.
    Temos que por um fim nas saídas dos tributos convertidos em salários de R$ 100 mil, 90, 80, 70, 60, ou qual valor exorbitante seja. João Havelange é um marco para pensarmos se abrir mão de corrigir erros de décadas (da ditadura militar até a ditadura civil militar) seria a solução …

  26. Miguel Ângelo disse:

    Temos que por um fim nas saídas dos tributos convertidos em salários de R$ 100 mil, 90, 80, 70, 60, ou qual valor exorbitante seja. João Havelange é um marco para pensarmos se abrir mão de corrigir erros de décadas (da ditadura militar até a ditadura civil militar) seria a solução postergar (financiar futuramente) a cobrança pelos pagamentos dos desfalques. Se o bem é – era – comum à sociedade. Que se pague enquanto pode (esteja vivo) o que você conseguiu, seja legalmente, contudo imoral, da sociedade. Se vendemos o patrimônio público. O BNDES financia. Quem paga ao BNDES às operações em prejuízo? O povo. Futuramente se, como já aconteceu antes, esta empresa (pior se envolver água, energia, comunicação) privada não tiver condição de se manter com recursos dos sócios (aí… aí!) estatiza e novamente o povo paga. Sempre pagaremos se não cortamos pela raiz o mal de sustentar sem ter recursos privilégios concedidos a elite financeira com recursos dos tributos.

  27. Miguel Ângelo disse:

    que iria ao supermercado; quarto – chega de repassar em título de dívida pública a irresponsabilidade de mando e desmando político para pessoas que ainda não nasceram. Privatizações de estradas até 2040. Aposentadoria aos 65 anos para aqueles que ainda não tem nem emprego. Em 1940 aposentava-se com 60 anos, aí, aí! O Ministro só não falou que logo descobriram que sabendo que morreriam antes pouca adesão tinha os planos de previdência. Também sonegou a informação que os modelos eram de aposentadorias em Fundações Fechadas copiadas dos americanos, que já viviam na época até 80 anos. Em 1940 o povo era pacífico, mal instruído, ia de cabresto e com medo do inferno pós- morte (hoje ele é terreno e no governo TEMER). Eles bebiam socialmente. Hoje a sociedade se entope de drogas. Matam por nada. Andamos 6 horas de transporte público só para trabalhar. E se não morrermos por isto. Ainda tem a saúde pública, contaminada, sem remédios e leitos.

  28. Miguel Ângelo disse:

    Devemos ir às ruas, promover o pedido de mudança na Constituição Federal, reduzir salários dos poderes Executivos, Judiciário e Legislativo em 50% por 12 anos. Repassar estes recursos poupados para o nível de funcionalismo na base da pirâmide dos empregos públicos. Melhorando salários de professores, soldados, cabos, bombeiros, sargentos, lixeiros, técnico de enfermagens etc., o “Plus” adicional recebido, seria consumido em bens ainda não existentes na cadeia de consumo mensal destes servidores – empregados. Por si só haveria necessidade da criação de pequenas indústrias, pequenos estabelecimentos de serviços. O mercado faria economicamente os ajustes quanto às outras categorias. O Governo não gastaria nada. A Sociedade não teria risco de ficar sem água, energia, comunicação. Em anos todos os brasileiros sentiriam o consumo crescente e a necessidade de produção. Primeiros quatro anos, economia cresceu, tributação aumentou, sonegação – devido aos recolhimentos diários dos tributos – red

  29. Miguel Ângelo disse:

    – reduziu em 95%. Recupera-se o poder aquisitivo daqueles que contribuíram para fomentação e recuperação do País (15%). Do 5º ao 8º ano, a economia já pode receber influência do governo para criação das empresas necessárias para produção de bens de maior competitividade internacional e daqueles que estejam inflacionando. A economia e os tributos recolhidos continuam aquecidos. Devolve-se (15%) mais do poder aquisitivo daqueles que contribuíram para a sociedade. Do 9º ao 12º ano, tendo os tributos aumentados, a economia expandida internacionalmente, a economia local andando normalmente, devolve-se finalmente o poder aquisitivo daqueles que contribuíram para a sociedade (20%).
    Ao fim dos 12 anos, promove-se um plebiscito para ver o que fazemos para compensar aqueles que contribuíram com a sociedade (lembrando que a sociedade nos últimos 50 anos tem ajudado acima de sua capacidade de pagamento com os vencimentos destes). Observando quanto à sociedade pode pagar.

  30. Miguel Ângelo disse:

    Esta saída é moral. Já que exige esforço daqueles que sempre pagamos bem fazendo o que é sua obrigação. Participaremos todos da melhora social do povo. Esta é a mais justa e perfeita saída, que a solução proposta pelo Governo que em tese fará o seguinte: primeiro – acabará com a colaboração dos cinquentões para uma sociedade melhor; segundo: acabará com a saúde daqueles que planejaram suas vidas para descansarem dentro do que lhe era a proposta pelo INSS (sabendo que a maioria destes quase aposentados trabalham desde seus 10 anos); terceiro – um povo insatisfeito com seus gestores vai à guerra civil mais fácil que iria ao supermercado; quarto – chega de repassar em título de dívida pública a irresponsabilidade de mando e desmando político para pessoas que ainda não nasceram. Privatizações de estradas até 2040. Aposentadoria aos 65 anos para aqueles que ainda não tem nem emprego. Em 1940 aposentava-se com 60 anos, aí, aí!

  31. Miguel Ângelo disse:

    O Ministro só não falou que logo descobriram que sabendo que morreriam antes pouca adesão tinha os planos de previdência. Também sonegou a informação que os modelos eram de aposentadorias em Fundações Fechadas copiadas dos americanos, que já viviam na época até 80 anos. Em 1940 o povo era pacífico, mal instruído, ia de cabresto e com medo do inferno pós- morte (hoje ele é terreno e no governo TEMER). Eles bebiam socialmente. Hoje a sociedade se entope de drogas. Matam por nada. Andamos 6 horas de transporte público só para trabalhar. E se não morrermos por isto. Ainda tem a saúde pública, contaminada, sem remédios e leitos.

  32. Miguel Ângelo disse:

    A aposentadoria para os 65 anos, tem que ser planejada por faixas, até 55 anos – uma situação – que se aposentem. 56 a 60 anos – um pedágio mínimo, 61 anos a 65 – pedágios calculados e não punitivos. Daqui a 12 anos seria revista a situação, e o que viesse a ser planejado para aposentadoria, que não fosse punitiva. Historicamente, Europeus, Asiáticos, EUA, em 1840, já viviam 78 anos. Hoje, no Brasil, no Nordeste, Norte, Centro-Oeste, e bairros suburbanos pessoas morrem ainda antes de completar 60 anos. Temer está num governo de transição, deveria promover nova eleição, botar a viola no saco e viver feliz ao lado da belíssima esposa. Enquanto que ela não o aposenta involuntariamente e adota uma saída alternativa mais nova a sua realidade. Saída o Brasil tem e muitas. O problema é quem eles preferem o barulho das correntes no corpo do povo do que sangrar do seu próprio corpo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-10-24 05:24:04