aki

cadastre-se aqui
aki
Entrevistas
28-11-2013, 7h11

Toffoli defende “arranca-rabo” ao vivo no STF

Para ministro, povo deve ver todas discussões no Supremo
16

O ministro Dias Toffoli diz que o STF (Supremo Tribunal Federal) preferiu deixar para 2014 a decisão final sobre a correção da poupança nos planos econômicos dos anos 80 e 90 a fim de evitar uma sentença parcial. Defende “analisar tecnicamente” um processo que, segundo o governo e os bancos, pode gerar rombo de até R$ 150 bilhões. Poupadores afirmam que a conta é menor, de R$ 18 bilhões, sem pagamento imediato. Na pergunta 2, avalia que “cortes constitucionais estão ocupando cada vez mais espaço” nos países ocidentais. Na questão 3, considera positivo que ocorra “arranca-rabo” ao vivo na TV Justiça durante os julgamentos do STF. “Mostra que quem está decidindo julga com dever, com dedicação.” Na quarta pergunta, reconhece que “sistema processual” do Brasil “é dos mais complexos do mundo”. No entanto, acha que “acusação e defesa têm o direito de fazer uso de todos os recursos possíveis”.

Pergunta 1 – Julgamento dos planos econômicos

Pergunta 2 – Ativismo jurídico do STF

Pergunta 3 – ‘Povo tem direito de assistir discussões no Supremo’

Pergunta 4 – Os recursos da lei brasileira

Clique aqui e assista ao bloco 2

Comentários
16
  1. Anir Batista Barreto disse:

    Muito embora o povo não entenda a complexidade processual c/c o excesso de recursos c/c a insuficiência e o despreparo dos operadores leva ao emperramento do Judiciário e a uma absurda morosidade na entrega da prestação jurisdicional.
    Com a devida venia, essa situação precisa ser enfrentada pelo governo federal, pelos governos estaduais, CNJ, OAB, Congresso Nacional e demais instituições representantes da sociedade.

  2. Henrique Pizzolato está na Itália e anunciou que vai mostrar por intermédio de provas documentais o que realmente aconteceu no que diz respeito à questão Visanet que os juízes do Supremo se recusaram a analisar de forma republicana e justa. Juiz, antes de tudo, tem de fazer justiça à vítima e também ao criminoso; ao acusador e ao acusado, às partes envolvidas em um processo. E foi exatamente dessa forma que a maioria dos juízes do STF não procedeu.

    Resolveram fechar os olhos aos autos, à verdade e realizaram um julgamento de exceção, essencialmente político e que tem por finalidade colocar o PT, os seus membros e o Governo trabalhista de Dilma Rousseff em uma condição de criminosos, avessos à legalidade e ao republicanismo. Nada mais perverso, traiçoeiro e mentiroso.

    • Melk santos disse:

      E vc vai acreditar no pizolato? um foragido da justiça? se liga o pt no governo se corompeu assim como os outros partidos…um favor aqui…outro ali…e assim vai
      não da para acreditar nos politicos indepedente de qual partido seja.

    • Jose Canotilho disse:

      Acho contraditória sua ponderação porque 8 dos magistrados foram escolhidos, justamente, pelo Partido dos Trabalhadores. O mais lógico, numa situação de conluio, seria a absolvição ou aplicação de penas menos severas aos condenados do próprio partido.

  3. Paulo disse:

    O povo tem direito sim! Chega de ser palhaço desses governos que se dizem democráticos. Só o governo que vai ter conversa com o STF e o poupador trabalhador e honesto tem que assistir tudo quieto. Chega de banqueiro agiota levando vantagem!!!

  4. EDSON MOTA disse:

    ALGUEM ACHA DE VERDADE QUE A CORREÇÃO VAI SAIR KKKKKKKKKKKK

  5. Thiago Quadros disse:

    Kennedy,
    Sou um grande fã do seu trabalho e o acompanho sempre.
    Mas essa divisão de um vídeo por pergunta dificulta demais a visualização… Não seria possível condensar os vídeos (talvez 5 por vídeo)? Fica a sugestão.
    Abraço,
    t.

  6. Sem dúvida os poderes precisam ser harmônicos e independentes. Executivo(Dilma) Judiciário(Joaquim Barbosa e o plenário) e o congresso com Renan e companhia.
    Será que a Dilma deveria se aproximar do STF assim como se aproximou do senado e da camara?

    Aí é perigoso demais e cabe até uma reação a altura para essa tentativa de golpe!

  7. Jose Armando Esper disse:

    o belo livro de Hanna Arendt, Eichmann em Jereusalém aborda com precisāo a espetacularizaçāo dos julgamentos e a banalidade do mal
    q tal voltar a Antígona e os seus paradoxos de justiça
    além de Creonte o ministro Dias Tófolli está cada vez mais parecido com os seus colegas de Jerusalém, pena nāo termos a delicadeza precisa de uma jornalista como Hanna Arendt para analisar este julgamento espetacularizado com Mensalāo e neste livro Hanna, só foi jornalista.

  8. Temos o direito de ver tudo que se passa no STF depois que Joaquim Barbosa se auto proclamou imperador do Brasil!

    • Jose Canotilho disse:

      Não diria Imperador do Brasil mas teve a coragem e o discernimento para adotar um comportamento isento de influências políticas, baseando-se no que determina a lei. Como não estamos acostumados a um julgamento transparente e descontaminado de interesses escusos nos assustamos com tal fato.

      • Maria Luisa disse:

        Teve coragem para adotar um comportamento isento de influências politicas?! Eh inacreditavel a que ponto chegam as pessoas, de não compreensão do momento em que vivem. E a imprensa fez muito por isso, não é mesmo, Kennedy?

  9. Jorge Pentiado disse:

    Acho que todos tem direitos aos reajustes da Poupança, com certeza o STF vai dar ganho de causa aos Poupadores (tomara que Sim)

  10. carlos franco disse:

    A demora no julgamento dos planos econômicos já ultrapassou a razoabilidade, sendo totalmente intolerável que continue a ser adiado!!! o STF ESTÁ BRINCANDO COM O POVO BRASILEIRO, AFINAL SÃO 400.000,00 PROCESSOS QUE ESTÃO PARALISADOS. QUANDO DEVO IMPOSTOS, TAXAS OU PARA O BANCO, NINGUÉM QUER SABER SE EU POSSO OU CONSIGO PAGAR ESSA DÍVIDA. TENHO QUE PAGAR E PRONTO!!! ASSIM O DEVERIA SER COM OS BANCOS!!! CHEGA DE ENROALÇÃO JULGUEM ESSE TEMA!!! O POVO NÃO AGUENTA MAIS TANTA INJUSTIÇA!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-09-29 08:49:59