aki

cadastre-se aqui
aki
Geral
13-03-2020, 16h49

Tropeços dos EUA servem de lição para Brasil lidar com coronavírus

Testes em larga escala e fortalecer SUS são fundamentais
4

Kennedy Alencar
WASHINGTON

Os Estados Unidos estão gerenciando mal a crise do coronavírus, sobretudo na comparação com a Coreia do Sul. Esses tropeços e erros podem servir de lição ao Brasil, país de dimensões continentais como os EUA.

O grande nó do momento nos EUA é a falta de testes em larga escala. Os números sobre testes americanos não são transparentes. Há estimativa de que pouco mais de 11 mil provas foram realizadas até agora. A Coreia do Sul faz 10 mil por dia.

Sem testar, é impossível ter um mapa preciso dos maiores focos de contágio e dos números de casos reais, dado fundamental para planejar o atendimento hospitalar e calcular a taxa de letalidade da doença. Uma política pública eficiente depende do mapa dos testes como um avião depende dos instrumentos para atravessar o nevoeiro.

Nesse sentido, a primeira medida que um país como o Brasil precisa tomar é providenciar milhões de lotes para testes de covid-19. Nos EUA, famosos e ricos têm aparecido entre as primeiras vítimas do coronavírus porque têm o dinheiro e o poder para fazer os testes que a população de modo geral não consegue realizar.

Outro problema da gestão da crise foi o erro do governo de subestimar o problema. Até o início desta semana, o vice-presidente, Mike Pence, que chefia a força-tarefa da Casa Branca, dizia que o risco de contágio era baixo para os americanos. Era chute, porque, sem testar, os casos estão subnotificados.

O presidente Donald Trump mudou o tom em pronunciamento na noite de quarta, admitindo uma gravidade que minimizara dois dias antes, quando, de novo, comparou o covid-19 à gripe comum. No pronunciamento, Trump falou em “vírus estrangeiro”, tentando terceirizar responsabilidades, e anunciou suspensão de voos da União Europeia para os EUA a partir da meia-noite desta sexta _com exceção para cidadãos americanos, residentes permanentes e mercadorias.

O fechamento da fronteira aérea sem consultar aliados tradicionais contrariou líderes europeus e quebrou uma cooperação internacional fundamental. Numa pandemia global, é um erro adotar a estratégia de cada país por si.

De quarta para cá, governadores e prefeitos começaram a fechar escolas públicas e a cancelar grandes eventos a fim de evitar aglomerações. A NBA, liga nacional de basquete, suspendeu a temporada. A Disneylândia vai fechar os parques na Flórida. Autoridades também passaram a insistir na chamada “distância social”: evitar apertos de mãos, beijos na face e convivência física próxima com eventuais suspeitos de ter o covid-19.

Medidas dessa natureza também deveriam ser tomadas no Brasil. A ideia é desacelerar o fluxo de transmissão para impedir um colapso do atendimento hospitalar devido ao excesso de pacientes.

Aqui vai outra lição para o Brasil. Os EUA não têm um sistema público de saúde universal. Há debate sobre cobrar de seguradoras de saúde a cobertura do exame e do tratamento. Elas já toparam pagar o exame, mas não o tratamento.

O Brasil tem o SUS (Sistema Único de Saúde), que precisa ter sua capacidade de atendimento reforçada com mais verbas e profissionais de saúde. Do contrário, poderá haver colapso no atendimento se os casos crescerem exponencialmente, como é a tendência.

Por último, há os efeitos reais sobre a economia. Nos EUA, dois terços dos trabalhadores não têm pagamento por dias parados em caso de doença. Existe discussão sobre uma espécie de seguro para esses dias parados. Debate-se também socorro a grandes, médias e pequenas companhias.

Nos EUA, apesar de a economia viver boa fase, há enorme preocupação com o impacto sobre o emprego, a renda e o consumo.

O Brasil, cuja economia anda mal das pernas, precisaria de medidas anticíclicas. Ou seja, parar com a conversa de reformas estruturais e pensar em políticas públicas de curto prazo para minimizar o impacto sobre as empresas e os trabalhadores, especialmente os mais pobres.

*

Aposta democrata

A campanha eleitoral democrata foi eclipsada pelo coronavírus. Os dois candidatos, o ex-vice-presidente Joe Biden e o senador Bernie Sanders, debaterão no domingo à noite na CNN, em Washington.

Biden virou o favorito. Sanders, melhor debatedor, aposta no confronto para criar um fato político que ressuscite suas chances de obter a indicação, algo que parece muito difícil no momento.

*

Pagando o pato

Imagens do secretário de Comunicação de Bolsonaro, Fábio Wajngarten, foram exaustivamente exibidas na TV americana. O brasileiro, que tem covid-19, esteve com Trump no fim de semana passado na Flórida.

Até hoje, Trump nega ter feito o teste. Mas o noticiário diz que ele estaria preocupado devido ao contato que teve com o brasileiro. Ora, Wajngarten pode ter contraído o vírus em contato com americanos, inclusive Trump.

No fim de fevereiro, houve o encontro da CPAC, Conferência da Ação Política Conservadora, do qual participaram republicanos e assessores da Casa Branca. A comitiva brasileira que esteve recentemente na Flórida teve contato com pessoas que participaram da CPAC, evento no qual havia uma pessoa com covid-19.

*

Monstro moral

Ao postar a imagem em que dá uma banana para dizer que resultou negativo o teste de coronavírus, Bolsonaro demoniza o contágio de covil-19. Essa atitude tende a gerar preocupação na população, pois o presidente trata o resultado como vitória contra o mal. Ora, contrair a doença não é uma maldição.

Mais. Bolsonaro ainda pode ser vítima do vírus, que não tem preferência ideológica tampouco partidária. A imagem do presidente pegou mal no exterior, mostrando mais uma vez o despreparo, a falta de empatia e a sua desumanidade.

*

Mascarado fake

Se Bolsonaro usou máscara na live no Facebook, deveria tê-lo feito no pronunciamento gravado. Foi marketing baixo, pois não preservou a equipe de gravação do pronunciamento. A imagem caricata é mais uma vexame que envergonha brasileiros e mancha a reputação internacional do país.

*

Jogada certeira

A presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, anunciou a aprovação de uma lei para garantir testes gratuitos para todos, inclusive para quem não tem seguro-saúde. “Testing, testing, testing (testar, testar, testar)”, ela disse.

Está certa ao se antecipar aos republicanos do Senado e ao presidente Donald Trump, que tinha pronunciamento previsto para as 15h (hora de Brasília) de hoje. Segundo a imprensa americana, Trump deve declarar estado de emergência, o que indicaria medidas mais duras e maior liberdade para gastar dinheiro no combate ao coronavírus.

Ouça o comentário feito hoje no “Estúdio CBN”:

Comentários
4
  1. walter nobre disse:

    Kennedy, o Mundo não esta preparado para epidemia, que dirá pandemia, estão todos se defendendo com orçamentos prejudicados, já que a Saúde em qualquer parte do mundo, serve para quem tem dinheiro. No Brasil estão se desdobrando para ampliar as condições possíveis. Nos EUA os recursos chegaram, até o debate do Bernie e Baden ontem na CNN estava leve e sem assuntos contundentes nesta área contra Trump, apenas acrescentavam mais atitudes. Vale destacar as passeatas a favor do governo, autorizadas ou não impressionaram. Todas as medidas, a favor de combater o vírus são vem vindas. Quanto ao teste contra o Vírus mostra uma atitude sem alardes, a favor do todo. Os 50 Bi e todas as atitudes do Trump na economia, fazem inveja a qualquer estadista, quando tem condições para isto.

  2. Miguel Ângelo disse:

    Kennedy, estou frequentando um mestrado em economia. Em sala temos cinco doutorandos. Sinceramente eu tenho grandes preocupações com o bolsonarismo. Um desses futuros Drs. teve a capacidade de dizer que hoje os EUA é o maior parceiro comercial do Brasil. Ele fazendo parte de um Instituto de pesquisa, me fez acordar para o tão perigoso é essa doença no Brasil. Apoiar Bolsonaro e o bolsonarismo sabendo de tantos crimes, tantas mentiras, é pior para nós brasileiro que o Coronavírus. Bolsonaristas mesmos cultos, mentem de cara amarela para população na proteção desse péssimo governo. E acham imunizados quanto a tudo que está a volta. Eu sinceramente me senti envergonhado. Quanto a situação do EUA. Na avaliação de saúde é tudo isso que você já expôs. Mas, a nível de economia, as coisas podem ficar pior para os americanos. Nós sabemos que além de não ter uma previdência/assistência médica para o povão. Os EUA também não contemplam os desempregados assistencialmente.

  3. Miguel Ângelo disse:

    Adoecer nos EUA, com todo seu capitalismo, e pessoas com o charme de Deus na Terra feito esse demagogo milionário chamado Trump, é morrer sem assistência médica e de fome. Ecologicamente Trump quer o Brasil de uma Amazônia nua para ter matéria prima a preço de banana. E o que ele dará para nós “bananas” e dois anos de coronavírus. Teoria aplicada: Se Trump não liga para sua população, não tem planos para a saúde dos mais pobres – com os menores salários – com maior desempregabilidade. Ligaria esse cidadão do mundo do cão para imunizar a venda dos produtos acabados que são e serão entregues no Mundo? Comprar dos EUA é receber mercadoria contaminada na linha de produção. Logo, quem comprar de um país que não tem assistência a nível de toda população é receber em casa a continuação da propagação do vírus. Se Trump suspende o recebimento de brasileiros no EUA. Nós brasileiros temos que suspender a chegada de americanos sem visto. E também suspender a compra de mercadorias dos EUA.

  4. Miguel Ângelo disse:

    Até que Trump imunize toda sua população e mercadorias. O Brasil deveria consumir o que tem de produto similar da produção nacional. Atender os desejos de Trump é manter a contaminação dos brasileiros via produtos americanos. Como é triste ter um país com um presidente tão viajante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados

Não serão liberados comentários com ofensas, afirmações levianas, preconceito e linguagem agressiva, grosseira e obscena, bem como calúnia, injúria ou difamação. Não publicaremos links para outras páginas devido à impossibilidade de checar cada um deles.

2020-08-05 07:35:16